sicnot

Perfil

Mundo

Polícia egípcio julgado pela morte de uma manifestante no Cairo

O Ministério Público do Egito vai levar a julgamento um polícia acusado de matar Shaima al-Sabbagh, uma militante socialista atingida a tiro numa rua do Cairo em janeiro, na véspera do 4.º aniversário da revolta de 2011.

As imagens da morte de Shaima, baleada pelas costas quando se dirigia para uma homenagem às vítimas da revolução que depôs Hosni Mubarak, provocaram indignação no país e no estrangeiro e levaram o presidente, Abdel Fattah al-Sissi, a exigir que o responsável fosse levado à justiça.

As imagens da morte de Shaima, baleada pelas costas quando se dirigia para uma homenagem às vítimas da revolução que depôs Hosni Mubarak, provocaram indignação no país e no estrangeiro e levaram o presidente, Abdel Fattah al-Sissi, a exigir que o responsável fosse levado à justiça.

© Al Youm Al Saabi / Reuters

As imagens da morte de Shaima, baleada pelas costas quando se dirigia para uma homenagem às vítimas da revolução que depôs Hosni Mubarak, provocaram indignação no país e no estrangeiro e levaram o presidente, Abdel Fattah al-Sissi, a exigir que o responsável fosse levado à justiça.

As fotos mostravam Shaima, 34 anos e mãe de um rapaz de cinco, primeiro ainda em pé, com sangue na cara e na roupa, depois a ser agarrada por outro militante e por fim a deslizar até cair no chão.

"Trata-se do primeiro agente a ser julgado pela morte de um civil no contexto de uma manifestação", desde a vaga de repressão de manifestações que se seguiu à deposição do presidente islamita Mohamed Morsi, segundo um especialista em assuntos judiciais e policiais da organização não-governamental Iniciativa Egípcia para os Direitos Pessoais, Karim Ennarah, citado pela agência France Presse.

Após a deposição de Morsi pelo exército, em julho de 2013, os apoiantes do presidente islamita foram alvo de uma violenta repressão pelas autoridades, que se saldou em 1.400 mortes, mas outros manifestantes, nomeadamente laicos, foram também visados.

A investigação à morte de Shaima, militante da Aliança Popular Socialista, concluiu que ela foi morta a tiro por um agente da polícia antimotim durante a dispersão de uma manifestação organizada por aquele partido a 24 de janeiro, véspera do 4.º aniversário da revolução de 2011, segundo o comunicado do Ministério Público.

O grupo de manifestantes dirigia-se para a praça Tahrir, epicentro da revolta, para depor flores em memória das centenas de manifestantes pró-democracia mortos durante a revolução.

As pessoas que acompanhavam Shaima vão ser julgadas por violação da polémica lei que proíbe manifestações não autorizadas pela polícia, acrescenta o comunicado sem precisar quantas são.

O polícia acusado de ter morto a militante não vai ser julgado por homicídio nem por homicídio involuntário, mas por ter infligido ferimentos que provocaram a morte e ter ferido deliberadamente outros manifestantes, segundo o comunicado.

"Quando o Ministério Público não pode evitar uma acusação formal (de polícias), quando os abusos são flagrantes e comprovados, recorre a acusações fracas", comentou Ennarah.

Os abusos policiais durante o regime de Mubarak foram um dos elementos que deram origem à revolta de 2011 e, embora dezenas de polícias tenham sido julgados pela morte de manifestantes, a maioria foi absolvida.

O ex-ministro do Interior de Mubarak e altos responsáveis da polícia estão entre os que foram julgados e acabaram absolvidos e o próprio Mubarak, acusado de cumplicidade na morte de manifestantes, foi ilibado dessa acusação em novembro pelo Tribunal Penal do Cairo.
Lusa
  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.