sicnot

Perfil

Mundo

Terceira ronda negocial entre os Estados Unidos e Cuba termina com compromisso de manter contactos

Os representantes norte-americanos e cubanos concordaram "em manter a comunicação no futuro", indicaram hoje as autoridades cubanas, um dia depois da conclusão da terceira ronda das negociações para o restabelecimento das relações diplomáticas entre Havana e Washington. 

© Gary Cameron / Reuters

Realizada à porta fechada, a reunião de segunda-feira entre a delegação norte-americana, liderada pela secretária de Estado adjunta para os Assuntos do Hemisfério Ocidental Roberta Jacobson, e a equipa cubana, chefiada por Josefina Vidal, diretora-geral para os EUA no Ministério dos Negócios Estrangeiros de Cuba, terminou em Havana sem qualquer anúncio importante. 

"As duas delegações concordaram em manter a comunicação no futuro", afirmou hoje o Ministério dos Negócios Estrangeiros cubano, num breve comunicado.  

Do lado americano, um porta-voz do Departamento de Estado saudou o ambiente "muito positivo" e de "mútuo respeito" em que decorreram as conversações, segundo uma mensagem transmitida à comunicação social. 

Esta terceira reunião foi antecedida por dois encontros que foram realizados em janeiro, em Havana, e em fevereiro, em Washington.

As conversações entre Havana e Washington surgem depois de os líderes norte-americano e cubano, Barack Obama e Raul Castro, respetivamente, terem anunciado em simultâneo, a 17 de dezembro de 2014, uma aproximação histórica entre os dois países, que não têm relações diplomáticas oficiais há mais de meio século.

Obama deseja que a reabertura das embaixadas nos dois países aconteça antes da Cimeira das Américas, marcada para 10 e 11 de abril no Panamá.

Na semana passada, a administração norte-americana anunciou novas sanções contra altos responsáveis da Venezuela, um aliado próximo de Cuba, o que poderá deteriorar o clima entre Havana e Washington.

Cuba reclama igualmente ser retirada da lista norte-americana de países patrocinadores do terrorismo, apresentando esta medida como uma pré-condição para a reabertura de embaixadas, enquanto Washington quer separar os dois dossiês.

Havana figura nesta lista desde 1982, ao lado de países como o Irão, a Síria ou o Sudão.

Os dois países devem abordar em finais de março, pela primeira vez, a controversa questão dos Direitos Humanos.

Lusa

  • O resgate dos passageiros do naufrágio em Cascais
    1:48
  • É importante que "as pessoas não tenham medo" de denunciar o tráfico humano
    0:48

    País

    Manuel Albano, relator nacional para o tráfico de pessoas, concorda com a ideia de que é necessário continuar a investir na inspeção e na fiscalização para travar o tráfico de seres humanos, mas rejeita a denúncia do sindicato dos trabalhadores do SEF, que esta quinta-feira alertou para a "falta de controlo".

  • Trocar a economia pela dança
    7:21
  • Salas de consumo assistido previstas na lei há 17 anos
    3:01
  • O que faz um guaxinim às duas da manhã num quartel de bombeiros?

    Mundo

    Os animais são muitas vezes os protagonistas de histórias incríveis ou até insólitas. Desde o cão mais pequeno ao urso mais assustador. Desta vez, o principal interveniente é um guaxinim, que foi levado até um quartel de bombeiros por uma dona muito preocupada. Porquê? O animal estava sob o efeito de drogas.

    SIC

  • "Por vezes até as princesas da Disney ficam apavoradas"

    Mundo

    A atriz norte-americana Patti Murin foi esta semana elogiada nas redes sociais por se preocupar com a sua saúde mental e não ter problemas em falar sobre o assunto. A artista faltou a um espetáculo da Disney, onde ia atuar, devido a um ataque de ansiedade.

    SIC

  • Presidente do Uganda quer proibir sexo oral

    Mundo

    O Presidente do Uganda emitiu um aviso público durante um conferência de imprensa anunciando que vai banir a prática de sexo oral no país. Yoweri Museveni justifica o ato, explicando que "a boca serve para comer".

    SIC