sicnot

Perfil

Mundo

Tunísia neutraliza rede de recrutamento de combatentes islâmicos

Pelo menos 22 tunisinos foram detidos por pertencerem a uma rede de recrutamento de jovens da região de Qairouan, que depois eram enviados para combater em nome da jihad na Líbia, disseram hoje as autoridades da Tunísia.

© Zoubeir Souissi / Reuters

Entre os presos encontram-se estudantes e funcionários do Estado integrados em quatro células especializadas no recrutamento de jovens que eram enviados para campos de treino em território líbio, dirigidos por extremistas da Tunísia, refere em comunicado o Ministério do Interior do Governo de Tunes.

Após a formação militar, os extremistas passavam a integrar as milícias armadas que operam em diferentes zonas da Líbia.

A polícia da Tunísia apreendeu ainda cerca de 200 computadores, telemóveis e dinheiro.

Esta é a primeira vez que as autoridades tunisinas neutralizam uma organização ligada ao extremismo islâmico destinadas a operar na Líbia, já que as redes que foram detetadas anteriormente recrutavam jovens para combater no Iraque e na Síria.

A organização extremista islâmica "Ansar al Sharia" (Seguidores da Lei Divina) está a operar desde 2013 e encontra-se implantada na Líbia e que também serve de retaguarda a líderes do Estado Islâmico.

No domingo, foi capturado um grupo de 10 tunisinos que pretendiam cruzar a fronteira em direção à Líbia, na região sul, e que pretendiam juntar-se aos combatentes em território líbio.

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras