sicnot

Perfil

Mundo

Amamentação prolongada leva a maior inteligência e melhores rendimentos

Uma amamentação prolongada pode contribuir para uma maior inteligência e melhores rendimentos na idade adulta, de acordo com um estudo brasileiro publicado hoje na revista The Lancet Global Health.

M. Spencer Green

O estudo, realizado por investigadores da Universidade de Pelotas e dirigido por Bernardo Lessa Horta, acompanhou o desenvolvimento de 3.500 crianças nascidas em 1982 e amamentadas por períodos variáveis. 

Trinta anos mais tarde, os investigadores constataram que a amamentação foi benéfica para todos, em relação aos que não tiveram aleitamento materno e que o benefício foi tanto maior quanto mais longo foi o período da amamentação. 

Segundo o estudo, as crianças que foram amamentadas durante um ano terão um QI (quociente de inteligência) quatro pontos acima dos que tiveram aleitamento materno durante menos de um mês. Terão também maior escolaridade (quase um ano), enquanto os seus rendimentos serão um terço superiores à média. 

Os investigadores dizem ter tido em conta variáveis suscetíveis de terem impacto no resultado, como o nível de vida dos pais, a idade da mãe na altura do nascimento e o facto de ter fumado durante a gravidez.

Bernardo Lessa Horta indicou que os efeitos benéficos do leite materno na inteligência se deverão provavelmente "à presença de ácidos gordos saturados de cadeia longa (DHAs), que desempenham um papel essencial no desenvolvimento do cérebro".

Num comentário ao estudo, um outro especialista, Erik Mortensen da Universidade de Copenhaga, sublinha, contudo, que estas conclusões devem ser corroboradas por outras investigações.

A amamentação é encorajada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) que a considera um "dos meios mais eficazes" de garantir a saúde da criança. 

A OMS recomenda a amamentação até aos seis meses, mas reconhece que menos de 40 por cento dos bebés em todo o mundo beneficiam desse período de aleitamento materno.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.