sicnot

Perfil

Mundo

Campeonato egípcio regressa 'à porta fechada' a 30 de março

O campeonato de futebol egípcio, que conta com o português Jesualdo Ferreira no comando técnico do Zamalek, será retomado à 'porta fechada' a 30 de março, revelou esta quarta-feira o gabinete do primeiro-ministro Ibrahim Mahlab.

"O governo concordou com a retomada do campeonato da primeira divisão de futebol, sem a presença do público, a partir da segunda-feira, dia 30 de março", refere em comunicado o gabinete do primeiro-ministro. (Arquivo)

"O governo concordou com a retomada do campeonato da primeira divisão de futebol, sem a presença do público, a partir da segunda-feira, dia 30 de março", refere em comunicado o gabinete do primeiro-ministro. (Arquivo)

© Asmaa Waguih / Reuters

O campeonato tinha sido suspenso no início de fevereiro depois de uma onda de violência à margem do jogo entre o Zamalek e o Enppi, no Cairo, que provocou a morte a 19 pessoas.

"O governo concordou com a retomada do campeonato da primeira divisão de futebol, sem a presença do público, a partir da segunda-feira, dia 30 de março", refere em comunicado o gabinete do primeiro-ministro.

Os incidentes no Cairo, à margem do Zamalek-Enppi, decorreram quase em sintonia com a reabertura dos estádios ao público, 'fechados' desde 2012, após os graves incidentes que provocaram a morte a 74 pessoas.

Lusa
  • Benefícios fiscais trouxeram a Portugal 10 mil estrangeiros em 2015

    Economia

    Os benefícios fiscais em Portugal atraíram mais de 10 mil estrangeiros no ano passado. A maioria vem com o estatuto de residente não habitual, que dá isenção total de IRS aos reformados por dez anos e 20% de isenção no imposto para profissionais que estiverem ligados a atividades de valor acrescentado como Psicologia, Investigação ou Medicina.

  • Trump e os jornalistas: uma relação (su)rreal
    2:08
  • Novo campo de refugiados construído em Mossul

    Mundo

    Um novo campo de refugiados foi construído em Mossul, no Iraque. Com cerca de 4 mil tendas, foi construído durante 45 dias para albergar os deslocados que se prevê que aumentem com a atual ofensiva militar na zona ocidental da cidade.