sicnot

Perfil

Mundo

Turistas alemães pagam a sua parte da dívida à Grécia por danos da II Guerra Mundial

Um casal de turistas alemães recebeu esta quarta-feira as honras da imprensa grega depois de depositar numa prefeitura de Peloponense um cheque de 857 euros referente à "sua" parte da dívida alemã de guerra com a Grécia.

As autoridades da Grécia, país que tem uma dívida externa de 175% do seu Produto Interno Bruto, têm reclamado que a Alemanha nunca pagou as reparações de guerra e nem o empréstimo forçado em 1942. (Arquivo)

As autoridades da Grécia, país que tem uma dívida externa de 175% do seu Produto Interno Bruto, têm reclamado que a Alemanha nunca pagou as reparações de guerra e nem o empréstimo forçado em 1942. (Arquivo)

© Yannis Behrakis / Reuters

"Eles vieram ao meu escritório ontem (terça-feira) de manhã para dizer que queriam compensar a atitude do seu Governo, que tinham feito o cálculo da dívida dos alemães para o empréstimo imposto à Grécia durante a Segunda Guerra Mundial", afirmou o prefeito de Náuplia, Nafplion Dimitris Kotsouros.

O autarca disse que os dois alemães calcularam a dívida em 875 dólares.

"O casal escolheu Náuplia simbolicamente, por ter sido a primeira capital da Grécia, no século XIX", disse o prefeito, acrescentando que o dinheiro foi para uma associação de ajuda comunitária a pessoas necessitadas.

As autoridades da Grécia, país que tem uma dívida externa de 175% do seu Produto Interno Bruto, têm reclamado que a Alemanha nunca pagou as reparações de guerra e nem o empréstimo forçado em 1942.

O montante de reparações reclamadas pelos gregos é de 162 milhares de milhões de euros, mais ou menos metade da dívida do país, segundo os dados que circulam em Atenas.

O empréstimo forçado durante a ocupação Nazi foi de 11 mil milhões de euros.
Lusa
  • Governo quer reduzir gastos com papel na função pública
    1:08

    Economia

    O Governo proibiu a livre utilização das impressoras pelos funcionários públicos. O ministro das Finanças quer assim reduzir em 20% a despesa em consumo de papel e, ao mesmo tempo, minimizar a perigosidades dos resíduos produzidos com as impressoras, no Estado.