sicnot

Perfil

Mundo

Fundador e dirigente do partido grego Aurora Dourada sai da prisão

O fundador e dirigente do Aurora Dourada, Nikos Mihaloliakos, acusado no quadro de um inquérito a este partido grego de inspiração nazi, saiu esta sexta-feira da cadeia para ficar em prisão domiciliária, expirado os 18 meses da detenção provisória. 

Mihaloliakos, de 57 anos, investigado por "direção e participação em organização criminosa" e "porte de arma ilegal", não está autorizado a deixar o país. (Arquivo)

Mihaloliakos, de 57 anos, investigado por "direção e participação em organização criminosa" e "porte de arma ilegal", não está autorizado a deixar o país. (Arquivo)

© POOL New / Reuters

Mihaloliakos, de 57 anos, investigado por "direção e participação em organização criminosa" e "porte de arma ilegal", não está autorizado a deixar o país. 

Apesar de confinado à residência, poderá sair sob escolta para participar nas sessões parlamentares, uma vez que foi eleito deputado. 

O anúncio foi feito pela sua advogada, Nikos Antoniadis, em declarações à imprensa, por ocasião da saída de Mihaloliakos da prisão de alta segurança de Korydallos, nos arredores da capital, a oeste de Atenas.

Além de Mihaloliakos, também Yannis Lagos, deputado do mesmo partido, acusado no quadro do assassínio do militante antifascista Pavlos Fyssas, em 18 de setembro de 2013, foi colocado em liberdade condicional. 

Nikos Mihaloliakos e Yannis Lagos foram detidos e colocados em detenção provisória, dias depois do assassínio de Fyssas, que foi apunhalado por um membro do Aurora Dourada, perto de Atenas. 

A justiça decidiu a sua colocação em liberdade uma vez que cumpriram o prazo máximo fixado pelo código penal grego para a detenção provisória.

O número dois do partido, Christos Pappas, também deve ser libertado em 29 de março pela mesma razão, segu8ndo a mesma fonte. 

O assassínio do músico Pavlos Fyssas marcou o lançamento de um inquérito inédito contra este partido, de inspiração xenófoba e antissemita. 

Os principais quadros, deputados, ex-deputados e numerosos membros do Aurora Dourada foram detidos e colocados em detenção provisória. 

No total, cerca de 70 membros do partido, entre os quais os seus dirigentes e deputados, vão ser julgados no quadro deste caso, a partir de 20 de abril. 

Chegado pela primeira vez ao parlamento nas eleições legislativas de 2012, com 18 deputados, o Aurora Dourada manteve o resultado nas legislativas de 25 de janeiro, quando ficou em terceiro lugar, com 17 deputados, dos quais alguns continuam em detenção provisória. 
Lusa
  • O resgate dos passageiros do naufrágio em Cascais
    1:48
  • É importante que "as pessoas não tenham medo" de denunciar o tráfico humano
    0:48

    País

    Manuel Albano, relator nacional para o tráfico de pessoas, concorda com a ideia de que é necessário continuar a investir na inspeção e na fiscalização para travar o tráfico de seres humanos, mas rejeita a denúncia do sindicato dos trabalhadores do SEF, que esta quinta-feira alertou para a "falta de controlo".

  • Trocar a economia pela dança
    7:21
  • Salas de consumo assistido previstas na lei há 17 anos
    3:01
  • O que faz um guaxinim às duas da manhã num quartel de bombeiros?

    Mundo

    Os animais são muitas vezes os protagonistas de histórias incríveis ou até insólitas. Desde o cão mais pequeno ao urso mais assustador. Desta vez, o principal interveniente é um guaxinim, que foi levado até um quartel de bombeiros por uma dona muito preocupada. Porquê? O animal estava sob o efeito de drogas.

    SIC

  • "Por vezes até as princesas da Disney ficam apavoradas"

    Mundo

    A atriz norte-americana Patti Murin foi esta semana elogiada nas redes sociais por se preocupar com a sua saúde mental e não ter problemas em falar sobre o assunto. A artista faltou a um espetáculo da Disney, onde ia atuar, devido a um ataque de ansiedade.

    SIC

  • Presidente do Uganda quer proibir sexo oral

    Mundo

    O Presidente do Uganda emitiu um aviso público durante um conferência de imprensa anunciando que vai banir a prática de sexo oral no país. Yoweri Museveni justifica o ato, explicando que "a boca serve para comer".

    SIC