sicnot

Perfil

Mundo

Portuguesa que morreu em queda de avião no Uruguai vivia na Argentina

Portuguesa que morreu em queda de avião no Uruguai vivia na Argentina

Uma portuguesa morreu na queda de um avião argentino no uruguai. A mulher, que vivia na Argentina, foi uma das dez vítimas mortais do acidente. A aeronave é propriedade de uma empresa Argentina e caiu por volta da meia-noite, hora de Lisboa, num lago na região de Punta Del Este. A bordo seguiam oito passageiros e dois tripulantes.

A cidadã portuguesa que morreu hoje num acidente de avião no Uruguai encontrava-se a viver na Argentina, disse à agência Lusa fonte oficial do Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE).

A mesma fonte acrescentou que o MNE está a acompanhar o caso, através da Embaixada de Portugal em Montevideu, e que a família da vítima já foi contactada.

A fonte do MNE português não avançou com mais detalhes.

Uma portuguesa e nove argentinos morreram na sequência da queda de um avião, após a descolagem no leste do Uruguai, informou a Força Aérea daquele país, em comunicado.

Segundo informação da agência Efe, a mulher portuguesa era uma das ocupantes de um pequeno avião, identificado como um Beechcraft B90 King Air, no qual seguiam oito passageiros e dois tripulantes. 

Os dois pilotos tinham 45 e 49 anos, e os oito passageiros -- seis homens e duas mulheres -- uma delas portuguesa -- entre 41 e 58 anos.

  Pouco tempo depois de descolar, o avião caiu à água na Laguna del Sauce, a um metro de profundidade, tendo-se incendiado de seguida. 

"Infelizmente não há sobreviventes", refere o comunicado. 

O acidente ocorreu perto de Punta del Este.


Com Lusa
  • Pescador desaparecido no rio Minho, em Alvaredo, Melgaço

    País

    O pescador desapareceu na noite deste sábado no rio Minho, em Alvaredo, no concelho de Melgaço, distrito de Viana do Castelo. Segundo a Autoridade Nacional de Proteção Civil estão envolvidos nas buscas 15 operacionais e quatro viaturas.

  • Portugal vai testar capacidade de resposta a ciberataque
    0:22

    País

    O exercício está marcado para os dias 09 e 10 de maio e é o primeiro a nível nacional a testar um ciberataque em Portugal. O teste é organizado pelo Centro Nacional de Cibersegurança (CNCS) para apurar "o "grau de preparação" das várias entidades públicas e privadas, mas já conclusões a ter em conta. Segundo o coordenador do CNCS, Pedro Veiga confirma-se tendência para os ataques serem cada vez mais sofisticados e é preciso alertar a população para o que publicam na internet e se pode colocar em risco a privacidade e a segurança.