sicnot

Perfil

Mundo

Deputado canadiano aconselha mulheres que usam véu a "ficar no inferno de onde vieram"

O deputado conservador canadiano Larry Miller está a ser alvo de várias críticas após ter aconselhado as mulheres que pretendam utilizar o niqab durante a cerimónia de cidadania que fiquem "no inferno de onde vieram". 

Também o primeiro-ministro canadiano criticou o véu usado por mulheres muçulmanas para cobrirem o rosto, considerando-o um produto de uma cultura que é "anti-mulheres".

Também o primeiro-ministro canadiano criticou o véu usado por mulheres muçulmanas para cobrirem o rosto, considerando-o um produto de uma cultura que é "anti-mulheres".

"Se não está disposta a mostrar o rosto numa cerimónia em que se vai unir ao melhor país do mundo, francamente, se não gosta de o fazer, ou não o pretende fazer, deve ficar no inferno de onde veio", afirmou Larry Miller.  

O deputado federal eleito pelo distrito eleitoral de Bruce-Grey-Owen Sound, no Ontário, participou num programa radiofónico e demonstrou desagrado pela decisão do tribunal constitucional ao não permitir que o Governo de Stephen Harper proíba o véu que cobre a face das mulheres durante as cerimónias de cidadania. 

"Este é mais um sistema legal que um sistema de justiça. Sei que é errado que utilizem o véu nas cerimónias", respondeu Larry Miller a um ouvinte que abordou a questão do véu utilizado pelas mulheres muçulmanas. 

Larry Miller admitiu que as suas afirmações podem ser "duras", mas que está "cansado" de pessoas que pretendem ir para o Canadá "porque sabem que é um bom país e querem mudar as coisas mesmo antes de se tornarem oficialmente cidadãos canadianos". 

Entretanto, a oposição já criticou as afirmações do conservador. A deputada do NDP (esquerda) Lysane Blanchette-Lamothe considerou ridículas estas declarações de Miller.

"Semanas após o primeiro-ministro (Stephen Harper) e o seu gabinete a estimularem a islamofobia, [os conservadores] provaram realmente que estas ações esporádicas de racismo funcionam", afirmou.

Também o deputado liberal (centro-esquerda) Emmanuel Dubourg mostrou-se "chocado" com aquelas afirmações, considerando-as "incrivelmente ofensivas". 

"Como imigrante, fiquei chocado e aterrorizado ao ouvir tais comentários vergonhosos de outro deputado do partido conservador de Stephen Harper. O Canadá precisa de uma liderança que reconheça que somos fortes, não por causa das nossas diferenças, mas por causa delas. Devemos unir os canadianos e não dividi-los", referiu, numa conferência de imprensa em Otava. 

Entretanto, Larry Miller emitiu esta semana um pedido de desculpas através de um comunicado, reconhecendo que proferiu "declarações inapropriadas", mantendo, no entanto, a sua opinião de que ninguém, durante a cerimónia de cidadania, deva estar com a "cara coberta". 

O gabinete do primeiro-ministro também veio distanciar-se dos comentários do deputado de Bruce Grey-Owen Sound, naquela que foi a última polémica relacionada com o véu islâmico denominado por niqab. 

Na semana passada, Stephen Harper voltou a criticar o véu usado por mulheres muçulmanas para cobrirem o rosto, considerando-o um produto de uma cultura que é "anti-mulheres". 

Uma pesquisa da "Forum Research" divulgada na terça-feira revelou que 67 por cento dos canadianos opõe-se à utilização de véus por mulheres nas cerimónias de atribuição de cidadania. A província francófona do Quebeque obteve o maior número de votos contra a utilização do niqab, com 87 por cento, enquanto no Ontário 63 por cento opõem-se ao uso do véu. 


Lusa
  • Sete dos 23 arguidos do caso da Academia de Alcochete já têm cadastro
    1:59

    Crise no Sporting

    Sete dos 23 arguidos do caso da Academia de Alcochete já foram condenados por 22 crimes que cometeram no passado, mas nunca nenhum deles cumpriu pena de prisão ou prisão domiciliária. O juiz decretou a prisão preventiva na sequência das agressões à equipa do Sporting por entender que se tratou de um comportamento chocante, terrorista e a perversão do espírito desportivo.

  • Está a pensar ir à praia? Não se esqueça do guarda-chuva
    0:43
  • Abate de animais nos canis proibido a partir de setembro
    1:35

    País

    O abate de animais nos canis passa a ser proibido a partir de setembro. Só em 2017, foram mortos cerca de 12 mil cães e gatos, uma média de um abate por hora. O Governo lançou um programa de incentivos financeiros de um milhão de euros, que ainda está a decorrer.

  • Cabazes solidários oferecidos pelo Governo encontrados no lixo
    0:57
  • Colheita da cereja já arrancou no Fundão
    1:54

    País

    A colheita das primeiras cerejas da época já começou no Fundão. A campanha atrasou um mês em relação a anos anteriores, por causa do inverno que se prolongou, mas os produtores garantem que o fruto é de qualidade.