sicnot

Perfil

Mundo

Ex-bispo de Díli hospitalizado, situação "estável"

O ex-bispo de Díli Alberto Ricardo da Silva, de 71 anos, está hospitalizado desde domingo sob observação no Hospital Guido Valadares, na capital timorense, "encontrando-se estável", disse hoje à Lusa fonte hospitalar.

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Reuters Photographer / Reuters

A mesma fonte explicou que o bispo, que se demitiu do cargo no início do ano devido a problemas de saúde, poderá ser transferido para a Austrália, onde já esteve em tratamento no ano passado, devido a uma neoplastia cerebral.

O Presidente da República, Taur Matan Ruak, e a primeira-dama, Isabel Ferreira, já visitaram hoje o bispo, segundo outra fonte hospitalar.

No passado dia 09 de fevereiro, o papa Francisco aceitou a resignação apresentada pelo bispo de Díli, que alegou motivos de saúde para abandonar o cargo.

Segundo informaram os serviços de imprensa da Santa Sé, o bispo diocesano apresentou a demissão com base no cânone 401 do Código de Direito Canónico devido à sua "precária saúde".

Natural de Aileu, onde nasceu a 24 de abril de 1943, Alberto Ricardo da Silva foi nomeado bispo de Díli em 2004.

O bispo regressou a Díli em janeiro depois de um prolongado tratamento por doença na Austrália.

Timor-Leste conta, além de Díli, com duas outras dioceses, em Baucau, onde está o bispo Basílio do Nascimento e a de Maliana, onde está o bispo Norberto Amaral.

Desde a sua demissão e enquanto decorre o processo de nomeação do seu sucessor - foram apresentadas três propostas de Timor-Leste - Basílio do Nascimento assume as funções de administrador apostólico de Díli.


Lusa
  • Primeiro-ministro timorense recebeu alta hospitalar

    Mundo

    O primeiro-ministro timorense recebeu na quarta-feira alta na unidade hospitalar em que se encontrava sob observação, em Singapura, e deverá realizar um último exame antes de regressar no fim de semana a Timor-Leste, informou hoje o Governo.

  • TAP recruta mais assistentes de bordo
    2:40

    Economia

    A TAP assegura que, até ao final de outubro, os problemas com falta de tripulação vão terminar. Até ao final do ano vão ser contratados novos assistentes de bordo, mas o sindicato diz que não chega.