sicnot

Perfil

Mundo

Human Rights Watch insta à retirada de apoio ao tribunal internacional do Camboja

A Human Rights Watch instou hoje a ONU a retirar o apoio ao tribunal internacional do Camboja que julga os Khmer Vermelhos, caso prossigam as intromissões do Governo, liderado por ex-membros do regime.

© Damir Sagolj / Reuters

"A recusa do Governo cambojano em cooperar para colocar perante o tribunal, apoiado pela ONU, os líderes dos Khmer Vermelhos é a última gota, depois de anos de obstruções, atrasos e corrupção", disse o diretor para a Ásia da Human Rights Watch (HRW), Brad Adams, em comunicado que recorda também que a ação dos Khmer provocou 1,7 milhões de mortos.


O juiz Mark Harmon apresentou no início do mês acusações de rebeldia contra dois membros dos Khmer Vermelhos, depois de o seu homólogo cambojano se recusar a encaminhar o caso para a polícia.


Segunda a HRW, esta situação deve-se à política de "não cooperação" instigada pelo primeiro-ministro Hun Sen que, em fevereiro, alertou para o risco de uma nova guerra civil caso o tribunal insistisse em abrir novos processos contra ex-membros dos Khmer Vermelhos.


Hun Sen foi chefe dos Khmer Vermelhos, mas desertou de modo a fugir das purgas políticas, unindo-se à ofensiva liderada pelo Vietname que derrubou o regime encabeçado por Pol Pot em 1979.


Desde que começou a funcionar, em 2006, o tribunal já custou 205 milhões de dólares (190 milhões de euros) e, até ao momento, emitiu duas sentenças, uma contra o ex-diretor da prisão S-21 Keing Guek Eav, conhecido como Duch, e outra contra o ex-chefe de Estado Khieu Samphan e o número dois da organização Nuon Chea. 


Todos foram condenados a prisão perpétua - Keing Guek Eav pela responsabilidade na tortura e assassinato de 17.000 pessoas e Khieu Samphan e Nuon Chea por crimes contra a humanidade.



  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.