sicnot

Perfil

Mundo

Human Rights Watch insta à retirada de apoio ao tribunal internacional do Camboja

A Human Rights Watch instou hoje a ONU a retirar o apoio ao tribunal internacional do Camboja que julga os Khmer Vermelhos, caso prossigam as intromissões do Governo, liderado por ex-membros do regime.

© Damir Sagolj / Reuters

"A recusa do Governo cambojano em cooperar para colocar perante o tribunal, apoiado pela ONU, os líderes dos Khmer Vermelhos é a última gota, depois de anos de obstruções, atrasos e corrupção", disse o diretor para a Ásia da Human Rights Watch (HRW), Brad Adams, em comunicado que recorda também que a ação dos Khmer provocou 1,7 milhões de mortos.


O juiz Mark Harmon apresentou no início do mês acusações de rebeldia contra dois membros dos Khmer Vermelhos, depois de o seu homólogo cambojano se recusar a encaminhar o caso para a polícia.


Segunda a HRW, esta situação deve-se à política de "não cooperação" instigada pelo primeiro-ministro Hun Sen que, em fevereiro, alertou para o risco de uma nova guerra civil caso o tribunal insistisse em abrir novos processos contra ex-membros dos Khmer Vermelhos.


Hun Sen foi chefe dos Khmer Vermelhos, mas desertou de modo a fugir das purgas políticas, unindo-se à ofensiva liderada pelo Vietname que derrubou o regime encabeçado por Pol Pot em 1979.


Desde que começou a funcionar, em 2006, o tribunal já custou 205 milhões de dólares (190 milhões de euros) e, até ao momento, emitiu duas sentenças, uma contra o ex-diretor da prisão S-21 Keing Guek Eav, conhecido como Duch, e outra contra o ex-chefe de Estado Khieu Samphan e o número dois da organização Nuon Chea. 


Todos foram condenados a prisão perpétua - Keing Guek Eav pela responsabilidade na tortura e assassinato de 17.000 pessoas e Khieu Samphan e Nuon Chea por crimes contra a humanidade.



  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01