sicnot

Perfil

Mundo

Iémen sob ameaça de uma guerra civil

A tensão mantém-se no Iémen. Esta segunda-feira, houve registo de novos confrontos na cidade de Taiz, no sudoeste do país. Os receios de uma guerra civil crescem de dia para dia.

O Iémen tornou-se num autêntico campo de batalha, com confrontos entre as forças leais ao Presidente e apoiantes do antigo chefe de Estado, aliado dos Houthis, os rebelde xiitas que controlam o norte.

O Iémen tornou-se num autêntico campo de batalha, com confrontos entre as forças leais ao Presidente e apoiantes do antigo chefe de Estado, aliado dos Houthis, os rebelde xiitas que controlam o norte.

© Stringer . / Reuters

Os Houthis, do movimento rebelde xiita que que se opõe ao Presidente, tomaram o centro da cidade. Vários residentes em Taiz contam que, durante o fim-de-semana, as milícias tinham já ocupado o aeroporto militar local.

Na sequência desse avanço, vários manifestantes concentraram-se, esta segunda-feira, junto a um campo militar, na tentativa de prevenir o avanço dos rebeldes e o ataque à cidade portuária de Aden, no sul.

O Iémen tornou-se num autêntico campo de batalha, com confrontos entre as forças leais ao Presidente e apoiantes do antigo chefe de Estado, aliado dos Houthis, os rebelde xiitas que controlam o norte.
  • Reportagem Especial dá a voz aos despedidos da banca
    1:18
  • CEMGFA admite que várias armas roubadas estão em condições de ser usadas
    2:06

    Assalto em Tancos

    Afinal há várias armas roubadas em Tancos que estão em condições de ser utilizadas, sendo que apenas os lança-granadas-foguete estão obsoletos. Esta manhã, o general Pina Monteiro admitiu, no Parlamento, que a declaração que fez há duas semanas pode ter induzido em erro a opinião pública. O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) diz, ainda, que se houvesse indícios sobre colaboração do Exército neste caso, os suspeitos estariam presos.

  • Pais de Charlie Gard querem que o bebé morra em casa

    Mundo

    Depois de terem renunciado à batalha judicial para manterem o filho com vida, os pais do bebé britânico Charlie Gard desejam agora levar a criança para morrer em casa. O desejo foi revelado pelo advogado de Chris Gard e Connie Yates, numa audiência esta tarde, no Supremo Tribunal de Londres. Contudo, o hospital responsável pelo caso admite que os cuidados a Charlie não podem ser feitos em casa.