sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 1.950 mortos devido aos ataques contra Estado Islâmico

Pelo menos 1.953 pessoas morreram e centenas de outras ficaram feridas em seis meses de bombardeamentos da coligação internacional liderada pelos Estados Unidos contra os 'jihadistas' na Síria, revelou hoje o Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

Reuters

Entre as vítimas mortais, pelo menos 66 eram civis, incluindo 10 menores e seis mulheres, que perderam a vida nos ataques contra instalações petrolíferas em zonas sob controlo do grupo radical Estado Islâmico nas províncias de Al Hasaka, Deir al Zur, Al Raqa e Alepo, no norte do país.

Nas contas do Observatório, 1.796 mortos eram elementos do Estado Islâmico e outros 90 militantes da Frente de Nusra, filial síria da Al-Qaida.

O Observatório não descarta, contudo, um número de mortos mais elevado devido à dificuldade em aceder a áreas controladas pelo Estado Islâmico e ao secretismo que este grupo mantém sobre as baixas que sofre
  • Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas
    1:40

    Economia

    Carlos Moedas diz que Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas a propósito da saída do procedimento por défice excessivo. Em entrevista ao Diário de Notícias e à TSF, o comissário europeu levanta dúvidas sobre a renegociação da dívida e garante que a escolha de Mário Centeno para a liderança do Eurogrupo vai depender do entendimento dos países do euro.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Polícia usa gás lacrimogéneo para dispersar manifestantes contra cimeira do G7
    2:28

    Mundo

    A cimeira do G7 terminou este sábado com confrontos entre manifestantes e a polícia na ilha italiana da Sicília e sem o compromisso de Donald Trump sobre o Acordo de Paris para a redução de emissões de dióxido de carbono. O Presidente dos EUA fez saber na rede social Twitter que vai tomar a decisão final durante a próxima semana.