sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 1.950 mortos devido aos ataques contra Estado Islâmico

Pelo menos 1.953 pessoas morreram e centenas de outras ficaram feridas em seis meses de bombardeamentos da coligação internacional liderada pelos Estados Unidos contra os 'jihadistas' na Síria, revelou hoje o Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

Reuters

Entre as vítimas mortais, pelo menos 66 eram civis, incluindo 10 menores e seis mulheres, que perderam a vida nos ataques contra instalações petrolíferas em zonas sob controlo do grupo radical Estado Islâmico nas províncias de Al Hasaka, Deir al Zur, Al Raqa e Alepo, no norte do país.

Nas contas do Observatório, 1.796 mortos eram elementos do Estado Islâmico e outros 90 militantes da Frente de Nusra, filial síria da Al-Qaida.

O Observatório não descarta, contudo, um número de mortos mais elevado devido à dificuldade em aceder a áreas controladas pelo Estado Islâmico e ao secretismo que este grupo mantém sobre as baixas que sofre
  • O resgate dos passageiros do naufrágio em Cascais
    1:48
  • É importante que "as pessoas não tenham medo" de denunciar o tráfico humano
    0:48

    País

    Manuel Albano, relator nacional para o tráfico de pessoas, concorda com a ideia de que é necessário continuar a investir na inspeção e na fiscalização para travar o tráfico de seres humanos, mas rejeita a denúncia do sindicato dos trabalhadores do SEF, que esta quinta-feira alertou para a "falta de controlo".

  • Trocar a economia pela dança
    7:21
  • Salas de consumo assistido previstas na lei há 17 anos
    3:01
  • O que faz um guaxinim às duas da manhã num quartel de bombeiros?

    Mundo

    Os animais são muitas vezes os protagonistas de histórias incríveis ou até insólitas. Desde o cão mais pequeno ao urso mais assustador. Desta vez, o principal interveniente é um guaxinim, que foi levado até um quartel de bombeiros por uma dona muito preocupada. Porquê? O animal estava sob o efeito de drogas.

    SIC

  • "Por vezes até as princesas da Disney ficam apavoradas"

    Mundo

    A atriz norte-americana Patti Murin foi esta semana elogiada nas redes sociais por se preocupar com a sua saúde mental e não ter problemas em falar sobre o assunto. A artista faltou a um espetáculo da Disney, onde ia atuar, devido a um ataque de ansiedade.

    SIC