sicnot

Perfil

Mundo

Milícias xiitas atacam cada vez mais os jornalistas, denuncia a Human Rights Watch

A organização Human Rights Watch (HRW) alertou hoje para o facto de milícias xiitas 'houthis' no Iémen estarem a cometer uma série de ataques e abusos contra jornalistas desde que o conflito se agravou, em janeiro.

© Stringer . / Reuters

Ao longo das últimas semanas "verificou-se um aumento de detenções arbitrárias e da violência contra jornalistas e outros profissionais dos media pela Ansaruallah", o movimento de ?houthis' que controla a capital iemenita Sanaa, declarou a HRW.


As milícias xiitas tomaram de assalto as sedes de três órgãos de comunicação desde janeiro, indicou a organização de defesa dos direitos humanos, acrescentando que outros grupos estiveram também envolvidos nesses ataques.


A HRW citou o caso de um jornalista identificado como Abdel Karim al-Khiwani, assassinado a 18 de março em Sanaa. A vítima, diz a organização, era conhecida por ser próxima da liderança da Ansaruallah e o seu assassinato foi reivindicado pela Al-Qaida.


Lusa
  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.