sicnot

Perfil

Mundo

Polónia ordena exercícios militares obrigatórios para reservistas

O Ministério da Defesa polaco anunciou hoje o "apelo imediato" de várias centenas de reservistas de todo o país para exercícios militares obrigatórios, que ao longo de 2015 vão envolver 12.000 pessoas.

© Kacper Pempel / Reuters

"Esta operação, aberta hoje, constitui o mais alto nível de controlo de aptidão para a mobilização e o combate", mas "não deve ser associada aos acontecimentos atuais, políticos ou militares", afirmou o Ministério num comunicado. 

O exército polaco conta cerca de 100.000 militares e é exclusivamente profissional. 

Com o conflito na vizinha Ucrânia, a Polónia anunciou a intenção de renovar e reforçar as suas reservas, mas, sublinhou o ministro da Defesa, Tomasz Siemoniak, "está fora de questão voltar, como na Lituânia, ao serviço militar obrigatório". 

O ministro anunciou na sexta-feira uma cooperação mais estreita entre as Forças Armadas e organizações paramilitares com vista a um reforço da defesa do país. 

"Está na altura de trabalharmos juntos para constituir reservas de defesa do país", disse Siemoniak num Congresso de organizações de defesa civil que reuniu em Varsóvia cerca de 800 representantes de mais de uma centena de organizações. 

Estes grupos civis de autodefesa, que o ministro disse serem "um bom complemento ao pessoal de reserva do exército", ensinam aos seus membros primeiros socorros, construção de abrigos, técnicas de sobrevivência e utilização básica de armas de fogo.  








Lusa
  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.