sicnot

Perfil

Mundo

Polónia ordena exercícios militares obrigatórios para reservistas

O Ministério da Defesa polaco anunciou hoje o "apelo imediato" de várias centenas de reservistas de todo o país para exercícios militares obrigatórios, que ao longo de 2015 vão envolver 12.000 pessoas.

© Kacper Pempel / Reuters

"Esta operação, aberta hoje, constitui o mais alto nível de controlo de aptidão para a mobilização e o combate", mas "não deve ser associada aos acontecimentos atuais, políticos ou militares", afirmou o Ministério num comunicado. 

O exército polaco conta cerca de 100.000 militares e é exclusivamente profissional. 

Com o conflito na vizinha Ucrânia, a Polónia anunciou a intenção de renovar e reforçar as suas reservas, mas, sublinhou o ministro da Defesa, Tomasz Siemoniak, "está fora de questão voltar, como na Lituânia, ao serviço militar obrigatório". 

O ministro anunciou na sexta-feira uma cooperação mais estreita entre as Forças Armadas e organizações paramilitares com vista a um reforço da defesa do país. 

"Está na altura de trabalharmos juntos para constituir reservas de defesa do país", disse Siemoniak num Congresso de organizações de defesa civil que reuniu em Varsóvia cerca de 800 representantes de mais de uma centena de organizações. 

Estes grupos civis de autodefesa, que o ministro disse serem "um bom complemento ao pessoal de reserva do exército", ensinam aos seus membros primeiros socorros, construção de abrigos, técnicas de sobrevivência e utilização básica de armas de fogo.  








Lusa
  • Atacantes de Barcelona "não estão a caminho da nossa fronteira"
    7:00

    Ataque em Barcelona

    O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária esteve esta sexta-feira, no Jornal da Noite, para falar sobre o duplo atentado em Espanha. Luís Neves diz que o nível de ameaça em Portugal, perante os ataques, não foi alterado porque "não se detectou que tenha existido informação que possa colocar o nosso território em perigo". O diretor conta que a unidade esteve em contacto com as autoridades em Espanha, não só durante os ataques, como também depois, e disse que os atacantes não estarão a caminho da fronteira com Portugal.