sicnot

Perfil

Mundo

Susana Díaz vai "governar sozinha" sem acordos de coligação na Andaluzia

A vencedora das eleições na Andaluzia, a cabeça de lista do PSOE Susana Díaz, declarou hoje que governará num governo minoritário, porque goza "de uma estabilidade que não tinha antes", quando estava em coligação com a Izquierda Unida.

© Marcelo del Pozo / Reuters

Numa entrevista hoje à rádio Cadena Ser, Susana Díaz recordou que na anterior legislatura "esteve permanentemente sujeita" às decisões do seu parceiro de coligação, os comunistas da Izquierda Unida (IU), e sem a legitimidade de ter ganho nas urnas. Nas eleições de 2012, o PSOE não foi o partido mais votado (e sim o PP andaluz), mas conseguiu formar Governo graças a uma coligação com a IU, o que permitiu continuar o registo de 33 anos seguidos de governação PSOE na maior e mais populosa região de Espanha.


Por outro lado, Susana Díaz também não tinha sido a candidata em 2012 para presidente da Junta da Andaluzia, tendo sucedido ao eleito José Antonio Griñán, que se afastou devido aos casos de corrupção no PSOE Andaluzia).


"Os andaluzes falaram claro nas urnas", disse a vencedora das eleições de domingo, afirmando que "agora mesmo há uma ampla maioria do PSOE" no parlamento andaluz.


O Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) da Andaluzia ganhou as eleições autonómicas naquela região, conseguindo eleger 47 deputados (o que não lhe dá maioria absoluta), mas com os partidos emergentes Podemos (15 deputados) e Ciudadanos (9) a entrar com forte representação no parlamento andaluz.


Susana Díaz conseguiu igualar o resultado obtido nas eleições de 2012 (apesar de o PSOE ter tido menos votos) e foi o único partido que aguentou a ascensão dos emergentes.


O grande perdedor da noite foi o PP andaluz (com Juan Manuel Moreno à frente da lista), que conseguiu apenas 33 deputados (ou seja, perdendo 17 assentos face aos 50 das eleições de 2012). O PP perdeu votos para todos os partidos, sobretudo para os emergentes Podemos e Ciudadanos, que se apresentaram pela primeira vez a votos na Andaluzia.


O partido de Pablo Iglesias, com Teresa Rodríguez à frente na Andaluzia, elegeu 15 deputados, o Ciudadanos de Albert Rivera (com Juan Marín na Andaluzia) teve uma votação que lhe dá 9 deputados no parlamento regional andaluz. O resultado dos emergentes é ainda mais significativo uma vez que a Andaluzia é uma região conservadora, nacionalista e tradicionalmente de esquerda (o PSOE ganha aqui desde 1982).


Durante a campanha, Susana Díaz tinha fechado a possibilidade de fazer coligações com todos os partidos, à exceção do Ciudadanos, que na noite das eleições disse que não formaria Governo, mas deixou a porta aberta a acordos de governação.


Na entrevista à Cadena Ser, Susana Díaz afirmou que, "apenas se o Podemos se unir ao PP ou todos se juntarem contra o Governo", poderão bloquear as suas medidas. 


Reafirmou que vai cumprir a legislatura até ao fim, na Andaluzia (respondendo assim aos analistas que dizem que a dirigente andaluza quer disputar a liderança nacional do PSOE a Pedro Sánchez).


Lusa
  • Fuga de ácido em camião corta EN1 em Gaia

    País

    Uma fuga de gás clorídrico do contentor de um camião que circulava na zona de Pedroso em Vila Nova de Gaia obrigou ao corte do trânsito na EN 1, no sentido Norte/Sul.

    Em desenvolvimento

  • Polémica sobre offshore intensifica guerra de palavras entre PSD e Governo
    2:39
  • DGO divulga hoje execução orçamental de janeiro

    Economia

    A Direção-Geral do Orçamento (DGO) divulga hoje a síntese de execução orçamental em contas públicas de janeiro, sendo que o Governo estima reduzir o défice para 1,6% do Produto Interno Bruto (PIB) em contabilidade nacional em 2017.

  • Paulo Fonseca e Paulo Sousa fora da Liga Europa

    Liga Europa

    A segunda mão dos 16 avos-de-final da Liga Europa ficou marcada pelas eliminações de duas equipas treinadas por portugueses: a Fiorentina de Paulo Sousa e o Shakhtar Donetsk de Paulo Fonseca. Paulo Bento, no Olympiacos, e José Mourinho, no Manchester United, são os únicos técnicos lusos ainda em competição. Noutros jogos, destaque para os afastamentos do Tottenham e do Zenit. Veja aqui os resumos de todos os encontros desta noite europeia. O sorteio dos oitavos-de-final está agendado para esta sexta-feira, às 12h00, hora de Lisboa.

  • "Não preciso de ajustar contas com ninguém"
    0:49

    País

    O ex-Presidente da República insiste que José Sócrates foi desleal durante as negociações do Orçamento do Estado para 2011. Numa entrevista dada à RTP1, Cavaco Silva esclareceu ainda que não escreveu o livro de memórias para ajustar contas com o ex-primeiro-ministro.

  • Sócrates em processo judicial surpreende Cavaco
    0:18

    País

    Cavaco Silva afirmou ter ficado surpreendido com o envolvimento de José Sócrates num processo judicial. Em entrevista à RTP1 o ex-Presidente da República diz que nunca se apercebeu de qualquer "atuação legalmente menos correta" da parte de Sócrates.

  • PSD questiona funcionamento da Assembleia da República
    2:39

    Caso CGD

    O PSD e o CDS vão entregar esta sexta-feira no Parlamento o pedido para criar uma nova Comissão de Inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos. Os dois partidos reuniram-se esta quarta-feira para fechar o texto do requerimento. Durante o dia, o PSD considerou que o normal funcionamento da Assembleia da República está em causa, o que levou Ferro Rodrigues a defender-se e a garantir que está a ser imparcial.

  • Marcelo rejeita discussões menores na banca
    0:32

    Economia

    O Presidente da República avisa que não se devem introduzir querelas táticas e menores no sistema financeiro. Num encontro que reuniu publicamente Marcelo e Centeno, o Presidente diz que é preciso defender o interesse nacional.

  • Três dos planetas encontrados podem conter água e vida
    3:28
  • Túnel descoberto em cadeia brasileira tinha ligação a uma habitação
    0:44

    Mundo

    A polícia brasileira descobriu um túnel que ligava a cadeia de Porto Alegre a uma casa e serviria para libertar prisioneiros do estabelecimento. As autoridades detiveram sete homens e uma mulher no local. A construção permitiria uma fuga massiva que poderia chegar aos 200 mil fugitivos e estima-se que terá custado mais de 300 mil euros. A polícia do Rio Grande do Sul acredita, assim, ter impedido aquela que seria a maior fuga de prisioneiros de sempre no Estado brasileiro.