sicnot

Perfil

Mundo

Sindicato espera "adesão em massa" à greve estudantil em Espanha

O Sindicato de Estudantes espanhol espera uma "adesão em massa" de alunos universitários e do secundário e dos professores à greve geral convocada para hoje e quarta-feira, contra as políticas para a educação do governo de Mariano Rajoy.

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Andrea Comas / Reuters

"Esperamos ver as salas de aula vazias. Há um mês convocámos uma greve - mas só com estudantes - e tivemos 40 mil a manifestarem-se em Madrid. Desta vez também estarão os professores universitários pelo que esperamos um impacto muito grande", disse à agência Lusa a secretária-geral do Sindicato dos Estudantes, Ana García.

 

A representante dos estudantes explicou que o protesto visa sobretudo "inverter um conjunto de políticas aplicadas pelo Governo PP" (no poder desde 2011) mediante as quais "se aumentou as propinas nas universidades cerca de 66%".

 

"Isto teve consequências muito graves: os alunos passaram a ter de pagar cerca de 2.000 euro/ano em propinas [em Espanha designadas taxas universitárias]. A medida levou a que cerca de 45 mil estudantes tenham deixado de estudar, por não terem recursos para pagar", realçou Ana García.

 

Para a dirigente sindical, o Ensino universitário em Espanha "deveria ser gratuito".

 

"As medidas do Governo de Rajoy retrocederam o acesso às universidades - e depois ao mercado de trabalho - à década de 1950, ao período franquista", disse, acrescentando que se trata de "medidas que levam a que apenas os filhos das pessoas com dinheiro possam frequentar a universidade".

 

Por outro lado, está o decreto "3+2", uma (nova) adaptação ao Processo de Bolonha (inicialmente os cursos superiores passaram de cinco para quatro anos) que limita o ensino superior a três anos, com um complemento de dois anos de frequência de um Mestrado.

 

"No mercado de trabalho [em Espanha] torna-se imprescindível um mestrado de dois anos, que aqui custa cerca de 4.000 euros/ano. Só para dar uma ideia, em Espanha existem cerca de 1,4 milhões de estudantes universitários e apenas 100 mil nos Mestrados. Isso significa que só os que têm bastante dinheiro conseguem frequentar", explicou.

 

Por outro lado, acrescentou, está "a redução do valor das bolsas de estudo e a redução do financiamento das Universidades". "Tudo junto acreditamos que o Governo quer e está a privatizar o Ensino Superior em Espanha, quando deveria ser gratuito ou muito mais barato, como em muitos países da Europa", concluiu.

 

Em Portugal a propina universitária mais alta ronda os 1.100 euros por ano.

 

Além da greve geral, as estruturas estudantis convocaram manifestações em 40 cidades espanholas. Em Madrid os estudantes concentram-se às 18:30 (menos uma hora em Lisboa) na Plaza Neptuno, centro de Madrid, e marcham depois em direção ao Ministério da Educação.

 

A greve conta com o apoio da Plataforma Estatal pela Escola Pública, que engloba os principais sindicatos dos professores (CCOO, CSI-F, UGT, ANPE, CGT, MRP y STES), organizações estudantis (Sindicato dos Estudantes, Estudantes em Movimento e Faest) e de pais (Ceapa).

 

 Lusa

  • "A banca parece que não aprendeu nada com a bolha imobiliária de 2008"
    3:23

    Opinião

    O Governo quer limitar a venda de produtos financeiros pelos bancos. Está no parlamento uma proposta de lei que penaliza as más práticas comerciais e tenta proteger os clientes, evitando abusos e encargos excessivos e obrigando os bancos a prestarem-lhes mais informação. A proposta prevê ainda que seja dada mais formação aos funcionários. Miguel Sousa Tavares considera a decisão do Governo acertada uma vez que protege os interesses dos clientes. O comentador da SIC faz ainda referência ao ano 2008, início da crise no ramo imobiliário por "culpa dos credores".

    Miguel Sousa Tavares

  • PSP apreende 11 armas e 700 quilos de droga
    0:59

    País

    A PSP recuperou mais três das 57 pistolas Glock que foram dadas como desaparecidas da Direção Nacional da Polícia de Segurança Pública, há mais de um ano. As armas foram apreendidas na última madrugada durante uma operação de combate ao tráfico de estupefacientes. Três pessoas foram detidas. Além das três Glock que pertenciam à PSP, foram aprendidas mais 11 armas e 700 quilos de droga.

  • Deputados pedem medidas urgentes para travar exploração de urânio junto à fronteira
    3:06

    País

    Um projeto de exploração de urânio no município de Retortilho em Salamanca, a cerca de 40 quilómetros da fronteira portuguesa, está a causar preocupação nos dois países. Portugueses e espanhóis temem o risco de contaminação por via aérea e fluvial. Deputados portugueses visitaram o local, onde pediram medidas firmas e urgentes ao Governo para travar o projeto. As autoridades de Espanha não acionaram o mecanismo de avaliação ambiental partilhada.

  • Trump desafia Oprah a candidatar-se para ser "derrotada como todos os outros"

    Mundo

    Apesar de Oprah Winfrey ter excluído uma eventual candidatura às eleições presidenciais dos Estados Unidos da América, Donald Trump ainda não se esqueceu dos rumores e desafiou a apresentadora a candidatar-se em 2020. Através do Twitter, o Presidente norte-americano disse ainda que assim poderia ser "exposta e derrotada como todos os outros".

    SIC

  • Mulher enterrada viva no Brasil
    1:13

    Mundo

    Uma mulher de 37 anos terá sido enterrada viva no oeste da Bahia, no Brasil. A certidão de óbito aponta um choque séptico como a causa da morte, mas os ferimentos com que foi encontrada no interior do caixão indicam um possível erro. Os moradores de casas vizinhas do cemitério municipal onde Rosângela dos Santos foi enterrada ouviram gritos vindos do túmulo.

  • "Os Estados Unidos são uma sociedade de pistoleiros"
    3:47

    Opinião

    Donald Trump admite regras mais apertadas para quem compra armas, isto após o tiroteio numa escola da Florida que fez 17 mortos. Miguel Sousa Tavares defende que os Estados Unidos da América são "uma sociedade de pistoleiros" e diz que a Associação Nacional de Rifles "gasta muito dinheiro" para conseguir que as leis não sejam mudadas no Senado.

    Miguel Sousa Tavares