sicnot

Perfil

Mundo

Sindicato espera "adesão em massa" à greve estudantil em Espanha

O Sindicato de Estudantes espanhol espera uma "adesão em massa" de alunos universitários e do secundário e dos professores à greve geral convocada para hoje e quarta-feira, contra as políticas para a educação do governo de Mariano Rajoy.

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Andrea Comas / Reuters

"Esperamos ver as salas de aula vazias. Há um mês convocámos uma greve - mas só com estudantes - e tivemos 40 mil a manifestarem-se em Madrid. Desta vez também estarão os professores universitários pelo que esperamos um impacto muito grande", disse à agência Lusa a secretária-geral do Sindicato dos Estudantes, Ana García.

 

A representante dos estudantes explicou que o protesto visa sobretudo "inverter um conjunto de políticas aplicadas pelo Governo PP" (no poder desde 2011) mediante as quais "se aumentou as propinas nas universidades cerca de 66%".

 

"Isto teve consequências muito graves: os alunos passaram a ter de pagar cerca de 2.000 euro/ano em propinas [em Espanha designadas taxas universitárias]. A medida levou a que cerca de 45 mil estudantes tenham deixado de estudar, por não terem recursos para pagar", realçou Ana García.

 

Para a dirigente sindical, o Ensino universitário em Espanha "deveria ser gratuito".

 

"As medidas do Governo de Rajoy retrocederam o acesso às universidades - e depois ao mercado de trabalho - à década de 1950, ao período franquista", disse, acrescentando que se trata de "medidas que levam a que apenas os filhos das pessoas com dinheiro possam frequentar a universidade".

 

Por outro lado, está o decreto "3+2", uma (nova) adaptação ao Processo de Bolonha (inicialmente os cursos superiores passaram de cinco para quatro anos) que limita o ensino superior a três anos, com um complemento de dois anos de frequência de um Mestrado.

 

"No mercado de trabalho [em Espanha] torna-se imprescindível um mestrado de dois anos, que aqui custa cerca de 4.000 euros/ano. Só para dar uma ideia, em Espanha existem cerca de 1,4 milhões de estudantes universitários e apenas 100 mil nos Mestrados. Isso significa que só os que têm bastante dinheiro conseguem frequentar", explicou.

 

Por outro lado, acrescentou, está "a redução do valor das bolsas de estudo e a redução do financiamento das Universidades". "Tudo junto acreditamos que o Governo quer e está a privatizar o Ensino Superior em Espanha, quando deveria ser gratuito ou muito mais barato, como em muitos países da Europa", concluiu.

 

Em Portugal a propina universitária mais alta ronda os 1.100 euros por ano.

 

Além da greve geral, as estruturas estudantis convocaram manifestações em 40 cidades espanholas. Em Madrid os estudantes concentram-se às 18:30 (menos uma hora em Lisboa) na Plaza Neptuno, centro de Madrid, e marcham depois em direção ao Ministério da Educação.

 

A greve conta com o apoio da Plataforma Estatal pela Escola Pública, que engloba os principais sindicatos dos professores (CCOO, CSI-F, UGT, ANPE, CGT, MRP y STES), organizações estudantis (Sindicato dos Estudantes, Estudantes em Movimento e Faest) e de pais (Ceapa).

 

 Lusa

  • Paulo Fonseca e Paulo Sousa fora da Liga Europa

    Liga Europa

    A segunda mão dos 16 avos-de-final da Liga Europa ficou marcada pelas eliminações de duas equipas treinadas por portugueses: a Fiorentina de Paulo Sousa e o Shakhtar Donetsk de Paulo Fonseca. Paulo Bento, no Olympiacos, e José Mourinho, no Manchester United, são os únicos técnicos lusos ainda em competição. Noutros jogos, destaque para os afastamentos do Tottenham e do Zenit. Veja aqui os resumos de todos os encontros desta noite europeia. O sorteio dos oitavos-de-final está agendado para esta sexta-feira, às 12h00, hora de Lisboa.

  • "Não preciso de ajustar contas com ninguém"
    0:49

    País

    O ex-Presidente da República insiste que José Sócrates foi desleal durante as negociações do Orçamento do Estado para 2011. Numa entrevista dada à RTP1, Cavaco Silva esclareceu ainda que não escreveu o livro de memórias para ajustar contas com o ex-primeiro-ministro.

  • Sócrates em processo judicial surpreende Cavaco
    0:18

    País

    Cavaco Silva afirmou ter ficado surpreendido com o envolvimento de José Sócrates num processo judicial. Em entrevista à RTP1 o ex-Presidente da República diz que nunca se apercebeu de qualquer "atuação legalmente menos correta" da parte de Sócrates.

  • PSD questiona funcionamento da Assembleia da República
    2:39

    Caso CGD

    O PSD e o CDS vão entregar esta sexta-feira no Parlamento o pedido para criar uma nova Comissão de Inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos. Os dois partidos reuniram-se esta quarta-feira para fechar o texto do requerimento. Durante o dia, o PSD considerou que o normal funcionamento da Assembleia da República está em causa, o que levou Ferro Rodrigues a defender-se e a garantir que está a ser imparcial.

  • Marcelo rejeita discussões menores na banca
    0:32

    Economia

    O Presidente da República avisa que não se devem introduzir querelas táticas e menores no sistema financeiro. Num encontro que reuniu publicamente Marcelo e Centeno, o Presidente diz que é preciso defender o interesse nacional.

  • Três dos planetas encontrados podem conter água e vida
    3:28
  • Túnel descoberto em cadeia brasileira tinha ligação a uma habitação
    0:44

    Mundo

    A polícia brasileira descobriu um túnel que ligava a cadeia de Porto Alegre a uma casa e serviria para libertar prisioneiros do estabelecimento. As autoridades detiveram sete homens e uma mulher no local. A construção permitiria uma fuga massiva que poderia chegar aos 200 mil fugitivos e estima-se que terá custado mais de 300 mil euros. A polícia do Rio Grande do Sul acredita, assim, ter impedido aquela que seria a maior fuga de prisioneiros de sempre no Estado brasileiro.

  • Secretário da Segurança Interna dos EUA desmente Donald Trump

    Mundo

    O Presidente norte-americano, Donald Trump, afirmou esta quinta-feira que os esforços do seu Governo para expulsar alguns imigrantes ilegais dos Estados Unidos "são uma operação militar", afirmação contrariada pelo seu secretário da Segurança Nacional no México.