sicnot

Perfil

Mundo

2014 foi o ano mais sangrento na Faixa de Gaza desde 1967

O conflito entre israelitas e palestinianos registou em 2014 o ano mais sangrento da guerra com mais de duas mil mortes, entre as quais de 1.500 civis, indicam dados das Nações Unidas. 

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Suhaib Salem / Reuters

As Nações Unidas apelam a ambos os lados do conflito para procurarem travar a violência e salientam a necessidade de todos cumprirem o seu papel e "obrigados legais" em combate, nomeadamente na proteção dos civis.

 

A ONU considera que os civis "continuam a ser objeto de ameaças à sua vida, integridade física e liberdade" com 2014 a ser testemunha "do maior número de mortos desde 1967".

 

Nas contas das Nações Unidas, o ano passado morreram na Faixa de Gaz 1.500 civis - entre um balanço de 2.000 mortos -, mais de 11.000 ficaram feridos e 100.000 foram deslocados.

 

Entre as vítimas mortais encontram-se mais de 550 crianças.


Lusa

  • "Estamos a investir na nossa própria desgraça"
    0:37
  • Saída dos EUA do acordo de Paris é "uma vergonha"

    Mundo

    O ex-secretário de Estado norte-americano John Kerry considerou esta terça-feira "uma vergonha" a decisão do Presidente Donald Trump de retirar os Estados Unidos do acordo do clima de Paris, garantindo que o povo não acompanha esse gesto de "autodestruição".

  • "Meninas proibidas de usar saias curtas e roupa transparente" para evitar abusos em Timor
    0:50
  • "De repente ele estava em cima de mim a beijar-me e a apalpar-me"
    2:43