sicnot

Perfil

Mundo

2014 foi o ano mais sangrento na Faixa de Gaza desde 1967

O conflito entre israelitas e palestinianos registou em 2014 o ano mais sangrento da guerra com mais de duas mil mortes, entre as quais de 1.500 civis, indicam dados das Nações Unidas. 

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Suhaib Salem / Reuters

As Nações Unidas apelam a ambos os lados do conflito para procurarem travar a violência e salientam a necessidade de todos cumprirem o seu papel e "obrigados legais" em combate, nomeadamente na proteção dos civis.

 

A ONU considera que os civis "continuam a ser objeto de ameaças à sua vida, integridade física e liberdade" com 2014 a ser testemunha "do maior número de mortos desde 1967".

 

Nas contas das Nações Unidas, o ano passado morreram na Faixa de Gaz 1.500 civis - entre um balanço de 2.000 mortos -, mais de 11.000 ficaram feridos e 100.000 foram deslocados.

 

Entre as vítimas mortais encontram-se mais de 550 crianças.


Lusa

  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão