sicnot

Perfil

Mundo

2014 foi o ano mais sangrento na Faixa de Gaza desde 1967

O conflito entre israelitas e palestinianos registou em 2014 o ano mais sangrento da guerra com mais de duas mil mortes, entre as quais de 1.500 civis, indicam dados das Nações Unidas. 

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Suhaib Salem / Reuters

As Nações Unidas apelam a ambos os lados do conflito para procurarem travar a violência e salientam a necessidade de todos cumprirem o seu papel e "obrigados legais" em combate, nomeadamente na proteção dos civis.

 

A ONU considera que os civis "continuam a ser objeto de ameaças à sua vida, integridade física e liberdade" com 2014 a ser testemunha "do maior número de mortos desde 1967".

 

Nas contas das Nações Unidas, o ano passado morreram na Faixa de Gaz 1.500 civis - entre um balanço de 2.000 mortos -, mais de 11.000 ficaram feridos e 100.000 foram deslocados.

 

Entre as vítimas mortais encontram-se mais de 550 crianças.


Lusa

  • O percurso dos rendimentos de Ronaldo
    3:43

    Football Leaks

    O Ministério das Finanças espanhol abriu uma investigação a Cristiano Ronaldo, por eventuais irregularides na declaração dos rendimentos da publicidade. A Gestifute, empresa do agente do avançado do Real Madrid, garante que Ronaldo tem os impostos em dia. A investigação aos documentos extraídos da plataforma informática Football Leaks, liderada pela revista alemã Der Spiegel, e da qual faz parte o jornal Expresso, conseguiu traçar o percurso dos rendimentos do melhor jogador do mundo.

  • Fábio Coentrão investigado por suspeita de delitos fiscais
    3:37

    Football Leaks

    O Ministério Público de Madrid acusou o defesa português Ricardo Carvalho de evasão fiscal e está a investigar Fábio Coentrão por eventuais delitos fiscais. Além dos dois portugueses a justiça acusou ainda o espanhol Xabi Alonso, o argentino Ángel Di María e investiga o colombiano Falcão. As investigações surgem depois da revelação do caso Football Leaks, investigada pelo Expresso e pelo consórcio europeu de jornalistas que tiveram acesso a milhões de documentos.