sicnot

Perfil

Mundo

2014 foi o ano mais sangrento na Faixa de Gaza desde 1967

O conflito entre israelitas e palestinianos registou em 2014 o ano mais sangrento da guerra com mais de duas mil mortes, entre as quais de 1.500 civis, indicam dados das Nações Unidas. 

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Suhaib Salem / Reuters

As Nações Unidas apelam a ambos os lados do conflito para procurarem travar a violência e salientam a necessidade de todos cumprirem o seu papel e "obrigados legais" em combate, nomeadamente na proteção dos civis.

 

A ONU considera que os civis "continuam a ser objeto de ameaças à sua vida, integridade física e liberdade" com 2014 a ser testemunha "do maior número de mortos desde 1967".

 

Nas contas das Nações Unidas, o ano passado morreram na Faixa de Gaz 1.500 civis - entre um balanço de 2.000 mortos -, mais de 11.000 ficaram feridos e 100.000 foram deslocados.

 

Entre as vítimas mortais encontram-se mais de 550 crianças.


Lusa

  • Rui Vitória não espera facilidades frente ao Tondela
    1:34

    Desporto

    O líder do campeonato, o Benfica, recebe este domingo o último classificado, o Tondela. Na conferência de antevisão do encontro, Rui Vitória afirmou que não espera facilidades. O treinador do Benfica falou ainda de Sebastian Coates.

  • Advogados de Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático
    2:13

    Operação Marquês

    Os advogados de José Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático e garantem que o antigo primeiro-ministro nunca favoreceu Ricardo Salgado ou o Grupo Espirito Santo. Segundo o Expresso, o presidente da Escom, Helder Bataglia, terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, alegadamente para o amigo José Sócrates.

  • Marine Le Pen diz que Brexit terá efeito dominó na UE
    0:39

    Brexit

    Marine Le Pen diz que o Brexit vai ter um efeito dominó na União Europeia. Durante um congresso da extrema-direita, a líder da Frente Nacional francesa afirmou que a Europa vai despertar este ano em que estão marcadas eleições em vários países, como a Alemanha e a Holanda.