sicnot

Perfil

Mundo

Polícia Federal brasileira faz operação contra suspeitos de fraude milionária ao fisco

A Polícia Federal brasileira realiza hoje uma operação para desarticular um grupo suspeito de fraude de até 19 mil milhões de reais (5.455 milhões de euros) na Receita Federal, através de manipulações de processos.

© Nacho Doce / Reuters

O grupo atuava no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (CARF) e, segundo a Polícia Federal, alterava o resultado de trâmites e julgamentos, o que resultava em milhões de reais economizados pelas empresas acusadas de irregularidades, que não foram pagos à União. 

Até ao momento, as investigações identificaram prejuízos de quase 6.000 milhões de reais (1.722 milhões de euros), mas suspeita-se que a fraude possa ter chegado aos 19 mil milhões de reais (5.455 milhões de euros). 

A investigação do crime, que começou em 2013, identificou que o grupo atuava no CARF para defender interesses de empresas, com estratégias para corromper e influenciar conselheiros com o objetivo de diminuir os valores das coimas ou de as anular. 

Funcionários públicos passavam informações obtidas no conselho para escritórios que assessoravam as empresas em Brasília, São Paulo, Ceará e outros estados, segundo a polícia. Empresas intermediárias eram utilizadas para branquear o capital, que voltava aos empresários autuados, como se fosse património regular. 

A operação, feita em conjunto com o Ministério Público federal, a Corregedoria do Ministério da Fazenda e a Receita Federal, conta com a participação de 180 polícias e 55 fiscais do fisco, que cumprem 41 mandados de busca e apreensão. 

Os suspeitos poderão responder pelos crimes de corrupção passiva e ativa, associação criminosa, branqueamento de capitais e tráfico de influências. 

Lusa
  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • Esquerda contra a venda do Novo Banco
    1:51

    Economia

    O futuro do Novo Banco promete agitar a maioria de esquerda nas próximas semanas. O Bloco de Esquerda e o PCP estão contra os planos de privatização e insistem que a solução é nacionalizar o banco. O Bloco de Esquerda defende que privatizar 75% é o pior de dois mundos. Já o PCP diz que o banco deve ser integrado no setor público.

  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32

    País

    Há cada vez mais homens e idosos a pedirem ajuda à Associação Portuguesa de Apoio à Vítima. Segundo o relatório anual da APAV conhecido esta segunda-feira, foram identificadas quase 10 mil vítimas de violência no ano passado. Cerca de 80% são mulheres casadas e com cerca de 50 anos.