sicnot

Perfil

Mundo

Armando Guebuza demite-se da liderança do partido no poder em Moçambique

O presidente da Frelimo, Armando Guebuza, demitiu-se este domingo da liderança do partido no poder em Moçambique, anunciou o porta-voz da força política, Damião José.

Segundo o porta-voz, Armando Guebuza justificou a decisão com a necessidade de "união e coesão" no partido e "chegou à conclusão de que era o momento ideal para colocar à disposição o seu cargo de presidente da Frelimo, assim como de presidente da Associação de Combatentes da Luta de Libertação Nacional". (Arquivo)

Segundo o porta-voz, Armando Guebuza justificou a decisão com a necessidade de "união e coesão" no partido e "chegou à conclusão de que era o momento ideal para colocar à disposição o seu cargo de presidente da Frelimo, assim como de presidente da Associação de Combatentes da Luta de Libertação Nacional". (Arquivo)

© Mike Segar / Reuters

"O camarada presidente Armando Emílio Guebuza surpreendeu os membros do Comité Central e apresentou a sua demissão, que foi aceite", adiantou aos jornalistas Damião José, acrescentando que ainda hoje será eleito um sucessor e que o atual Presidente da República, Filipe Nyusi, é, para já, o único candidato à liderança da Frelimo (Frente de Libertação de Moçambique).

Os trabalhos, à porta fechada, do último dia da IV Sessão Ordinária do Comité Central, iniciados na quinta-feira na Matola, arredores de Maputo, foram alterados e os cerca de 200 membros do órgão vão escolher o sucessor do ex-chefe de Estado moçambicano, um tema que não constava da agenda da reunião.

Segundo o porta-voz, Armando Guebuza justificou a decisão com a necessidade de "união e coesão" no partido e "chegou à conclusão de que era o momento ideal para colocar à disposição o seu cargo de presidente da Frelimo, assim como de presidente da Associação de Combatentes da Luta de Libertação Nacional".

À luz dos estatutos, disse Damião José, o ex-líder da Frelimo continuará a ser membro da Comissão Política e "está disponível a continuar a tudo fazer para a manutenção da coesão da vitalidade do partido".

A continuidade de Guebuza na liderança da Frelimo estava a ser questionada por analistas e também por membros do partido, que alertavam para o risco da criação de dois centros de poder, fragilizando o Presidente da República, Filipe Nyusi, sobretudo nas negociações com a Renamo (Resistência Nacional Moçambicana), principal força de oposição, que ameaça tomar o poder pela força se o seu projeto de autarquias provinciais for chumbado no parlamento.

Na abertura dos trabalhos do Comité Central, Armando Guebuza criticou na quinta-feira os camaradas que publicamente procuram dividir e semear a confusão no partido.

"Preocupa-nos a postura e comportamento de alguns camaradas que publicamente engendram ações que concorrem para perturbar o normal funcionamento dos órgãos e das instituições e para gerar divisões e confusão no nosso seio", declarou.

Numa passagem não contida no seu discurso escrito, o antigo chefe de Estado moçambicano evocou o assassínio à bomba do fundador da Frelimo, Eduardo Mondlane, em 1969, e a morte em 1986 do primeiro Presidente de Moçambique, Samora Machel, num acidente de aviação que a organização atribui a um atentado do ex-governo do "apartheid" da África do Sul, como exemplos de tentativa de destruir o partido. 

"Talvez seja útil recordar que o objetivo deles é abater a Frelimo, é acabar com a Frelimo, temos experiências muito infelizes que nós conhecemos, algumas das quais vale a pena recordar: quando assassinaram Eduardo Mondlane, era para acabar com a Frelimo, quando assassinaram Samora Machel, era para acabar com a Frelimo, e naturalmente quando alimentam crises internas é para a Frelimo não se reerguer, para continuar com o projeto comum de 1962", ano da fundação do partido no poder, afirmou.

Em reação, o militante histórico da Frelimo Jorge Rebelo considerou que o discurso de Armando Guebuza criou medo e silenciou o debate. 

"Ele está a travar a discussão, quando lança esses recados de que há membros que estão a lançar publicamente ideias que enfraquecem o partido. Isso é que é mau, porque mete medo às pessoas e, pronto, aí estamos silenciados", afirmou à Lusa o antigo dirigente da Frelimo, sem assento no Comité Central, esperando que alguém levantasse o tema da sucessão de Guebuza durante os trabalhos e considerando que a alegada existência de dois centros e poder era "uma realidade".
Lusa
  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.