sicnot

Perfil

Mundo

Morto líder do principal grupo jihadista tunisino

O líder do principal grupo 'jihadista' tunisino, Abu Sakhr Lokmane, acusado de ter executado o ataque de 18 de março contra o Museu do Bardo, foi morto no sábado por forças tunisinas, anunciou o primeiro-ministro da Tunísia, Habib Essid.

Abu Sakhr foi morto numa operação das forças especiais na região de Gafsa (centro-oeste), na qual foram mortos ao todo nove 'jihadistas' armados. (Arquivo)

Abu Sakhr foi morto numa operação das forças especiais na região de Gafsa (centro-oeste), na qual foram mortos ao todo nove 'jihadistas' armados. (Arquivo)

© Zoubeir Souissi / Reuters

"As forças tunisinas mataram ontem à noite (sábado) os elementos mais importantes da Brigada Okba Ibn Nafaa, liderada por Lokmane Abu Sakhr", disse o primeiro-ministro aos jornalistas, classificando esta operação como "muito importante na campanha [da Tunísia] contra o terrorismo".

Este sucesso reclamado pelas autoridades da Tunísia ocorre no dia de uma grande marcha "contra o terrorismo", que está a juntar hoje em Tunes dezenas de milhares de pessoas e funcionários estrangeiros de alto nível.

Abu Sakhr foi morto numa operação das forças especiais na região de Gafsa (centro-oeste), na qual foram mortos ao todo nove 'jihadistas' armados.

Os homens pertenciam alegadamente à brigada Okba Ibn Nafaa, ligada à Al-Qaida no Magrebe Islâmico (AQIM), que as autoridades acreditam estar por trás do ataque de 18 de março ao Museu do Bardo, que vitimou 21 turistas e um polícia, apesar do mesmo ter sido reivindicado pela organização 'jihadista' rival do Estado Islâmico.

A brigada Okba Ibn Nafaa integra, de acordo com as autoridades, dezenas de homens, entre os quais estrangeiros, especialmente mais argelinos do que tunisinos, e será responsável pela morte de sessenta polícias e militares desde dezembro de 2012.

Este grupo reivindicou o ataque do ano passado contra a casa do ministro do Interior de então, em Kasserine, cidade vizinha de Monte Chaambi, onde se encontra o principal grupo 'jihadista' na Tunísia.
Lusa
  • Mais de 1600 fiscalizações a IPSS em dois anos
    1:05

    Expresso da Meia Noite

    Nos últimos dois anos, o Estado fez mais de 1600 ações de fiscalização a Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS), das quais resultaram mais de 70 destituições e 80 participações ao Ministério Público. Os números foram avançados pela secretária de Estado da Segurança Social, Cláudia Joaquim, no programa Expresso da Meia-noite, na SIC Notícias.