sicnot

Perfil

Mundo

Uigure condenado na China a seis anos de prisão por deixar crescer barba

galeria de fotos

 Um tribunal da região muçulmana de Xinjiang, no leste da China, condenou um homem a seis anos de prisão por "criar perturbações" ao "deixar crescer a barba", prática desencorajada pelas autoridades locais, divulga hoje um jornal oficial.

As autoridades região muçulmana de Xinjiang, no leste da China, conduzem há mais de um ano uma campanha contra o uso de barba pelos homens e de lenços pelas mulheres, associando essas práticas a "ideias extremistas".

As autoridades região muçulmana de Xinjiang, no leste da China, conduzem há mais de um ano uma campanha contra o uso de barba pelos homens e de lenços pelas mulheres, associando essas práticas a "ideias extremistas".

Ng Han Guan

As autoridades região muçulmana de Xinjiang, no leste da China, conduzem há mais de um ano uma campanha contra o uso de barba pelos homens e de lenços pelas mulheres, associando essas práticas a "ideias extremistas".

As autoridades região muçulmana de Xinjiang, no leste da China, conduzem há mais de um ano uma campanha contra o uso de barba pelos homens e de lenços pelas mulheres, associando essas práticas a "ideias extremistas".

Elizabeth Dalziel

As autoridades região muçulmana de Xinjiang, no leste da China, conduzem há mais de um ano uma campanha contra o uso de barba pelos homens e de lenços pelas mulheres, associando essas práticas a "ideias extremistas".

As autoridades região muçulmana de Xinjiang, no leste da China, conduzem há mais de um ano uma campanha contra o uso de barba pelos homens e de lenços pelas mulheres, associando essas práticas a "ideias extremistas".

Elizabeth Dalziel

As autoridades região muçulmana de Xinjiang, no leste da China, conduzem há mais de um ano uma campanha contra o uso de barba pelos homens e de lenços pelas mulheres, associando essas práticas a "ideias extremistas".

As autoridades região muçulmana de Xinjiang, no leste da China, conduzem há mais de um ano uma campanha contra o uso de barba pelos homens e de lenços pelas mulheres, associando essas práticas a "ideias extremistas".

Ng Han Guan

As autoridades região muçulmana de Xinjiang, no leste da China, conduzem há mais de um ano uma campanha contra o uso de barba pelos homens e de lenços pelas mulheres, associando essas práticas a "ideias extremistas".

As autoridades região muçulmana de Xinjiang, no leste da China, conduzem há mais de um ano uma campanha contra o uso de barba pelos homens e de lenços pelas mulheres, associando essas práticas a "ideias extremistas".

Ng Han Guan


De acordo com o jornal diário, um tribunal de Kashgar anunciou hoje ter condenado um morador da cidade, de 38 anos, a seis anos de prisão, e a sua esposa a dois anos de prisão.


Segundo o jornal, o primeiro "tinha começado a deixar crescer a barba desde 2010", enquanto a segunda "usava um véu a tapar a cara e uma burca".


O casal acabou por ser condenado por "instigar problemas e causar tumultos", motivos normalmente utilizados pelo tribunal chinês, que ainda funciona sob o estrito controlo do poder político.


As autoridades provinciais de Xinjiang conduzem há mais de um ano uma grande campanha contra o uso de barba pelos homens e de lenços pelas mulheres, associando essas práticas a "ideias extremistas".


Sob o tema "Objetivo Beleza", esta campanha incentiva particularmente as mulheres a andar com a cabeça descoberta e a abandonar a prática generalizada do véu entre os Uigures, os muçulmanos turcos que constituem o principal grupo étnico em Xinjiang.


O casal Kashgar foi "repreendido várias vezes" antes de ser preso e processado, conta o jornal, citando autoridades locais.


Questionadas pelo jornal, as autoridades judiciais de Kashgar asseguraram que processaram e condenaram já um grupo de infratores dos regulamentos contra o uso de barba, véu e burca, desde o início do ano.


A agência de notícias France Presse tentou contactar as autoridades de Kashgar, mas estas não estavam disponíveis.

Lusa


  • Deputado do PS abandona partido e pode colocar em causa maioria parlamentar
    2:28

    País

    Domingos Pereira foi eleito pelo círculo de Braga. Agora, vai demitir-se do Partido Socialista e entregar o cartão de militante. Contudo, mantém-se no Parlamento, passando assim a deputado independente na Assembleia da República. Pode estar em causa a maioria parlamentar quando o PCP se abstiver.

    Notícia SIC

  • Pedro Dias recusou mostrar caligrafia
    2:29

    País

    Pedro Dias forneceu esta segunda-feira ADN aos peritos do laboratório da polícia científica. O suspeito dos crimes de Aguiar da Beira também foi intimado a entregar amostras da própria caligrafia, mas recusou fazê-lo.

  • Autoridades italianas prosseguem buscas por desaparecidos em avalancha
    0:54
  • "O México não acredita em muros"
    0:45

    Mundo

    Em resposta a Donald Trump, o Presidente mexicano diz que o país não acredita em muros, mas em pontes. Enrique Peña Nieto diz ainda que o México vai procurar dialogar com os Estados Unidos sem confrontos, mas também sem submissão.

  • Carolina do Mónaco celebra o 60.º aniversário
    2:13

    Mundo

    Carolina do Mónaco celebra esta segunda-feira o 60.º aniversário. Em 60 anos, foi criança mediática, jovem rebelde e, agora, matriarca sem ser rainha. Carolina do Mónaco nunca saiu das revistas, por ser filha de Grace Kelly e Rainier do Mónaco, por ter somado namorados pouco recomendáveis para princesas, por ter perdido o pai dos seus filhos num terrível acidente.

  • Ator morre baleado durante gravações de videoclip na Austrália

    Mundo

    Um ator morreu depois de ter sido baleado durante as gravações de um videoclip da banda Bliss n Eso, na cidade australiana de Brisbane. A vítima foi identificada como Johann Ofner, de 28 anos. O homem chegou a receber a ser socorrido, mas não resistiu aos ferimentos.