sicnot

Perfil

Mundo

Uigure condenado na China a seis anos de prisão por deixar crescer barba

galeria de fotos

 Um tribunal da região muçulmana de Xinjiang, no leste da China, condenou um homem a seis anos de prisão por "criar perturbações" ao "deixar crescer a barba", prática desencorajada pelas autoridades locais, divulga hoje um jornal oficial.

As autoridades região muçulmana de Xinjiang, no leste da China, conduzem há mais de um ano uma campanha contra o uso de barba pelos homens e de lenços pelas mulheres, associando essas práticas a "ideias extremistas".

As autoridades região muçulmana de Xinjiang, no leste da China, conduzem há mais de um ano uma campanha contra o uso de barba pelos homens e de lenços pelas mulheres, associando essas práticas a "ideias extremistas".

Ng Han Guan

As autoridades região muçulmana de Xinjiang, no leste da China, conduzem há mais de um ano uma campanha contra o uso de barba pelos homens e de lenços pelas mulheres, associando essas práticas a "ideias extremistas".

As autoridades região muçulmana de Xinjiang, no leste da China, conduzem há mais de um ano uma campanha contra o uso de barba pelos homens e de lenços pelas mulheres, associando essas práticas a "ideias extremistas".

Elizabeth Dalziel

As autoridades região muçulmana de Xinjiang, no leste da China, conduzem há mais de um ano uma campanha contra o uso de barba pelos homens e de lenços pelas mulheres, associando essas práticas a "ideias extremistas".

As autoridades região muçulmana de Xinjiang, no leste da China, conduzem há mais de um ano uma campanha contra o uso de barba pelos homens e de lenços pelas mulheres, associando essas práticas a "ideias extremistas".

Elizabeth Dalziel

As autoridades região muçulmana de Xinjiang, no leste da China, conduzem há mais de um ano uma campanha contra o uso de barba pelos homens e de lenços pelas mulheres, associando essas práticas a "ideias extremistas".

As autoridades região muçulmana de Xinjiang, no leste da China, conduzem há mais de um ano uma campanha contra o uso de barba pelos homens e de lenços pelas mulheres, associando essas práticas a "ideias extremistas".

Ng Han Guan

As autoridades região muçulmana de Xinjiang, no leste da China, conduzem há mais de um ano uma campanha contra o uso de barba pelos homens e de lenços pelas mulheres, associando essas práticas a "ideias extremistas".

As autoridades região muçulmana de Xinjiang, no leste da China, conduzem há mais de um ano uma campanha contra o uso de barba pelos homens e de lenços pelas mulheres, associando essas práticas a "ideias extremistas".

Ng Han Guan


De acordo com o jornal diário, um tribunal de Kashgar anunciou hoje ter condenado um morador da cidade, de 38 anos, a seis anos de prisão, e a sua esposa a dois anos de prisão.


Segundo o jornal, o primeiro "tinha começado a deixar crescer a barba desde 2010", enquanto a segunda "usava um véu a tapar a cara e uma burca".


O casal acabou por ser condenado por "instigar problemas e causar tumultos", motivos normalmente utilizados pelo tribunal chinês, que ainda funciona sob o estrito controlo do poder político.


As autoridades provinciais de Xinjiang conduzem há mais de um ano uma grande campanha contra o uso de barba pelos homens e de lenços pelas mulheres, associando essas práticas a "ideias extremistas".


Sob o tema "Objetivo Beleza", esta campanha incentiva particularmente as mulheres a andar com a cabeça descoberta e a abandonar a prática generalizada do véu entre os Uigures, os muçulmanos turcos que constituem o principal grupo étnico em Xinjiang.


O casal Kashgar foi "repreendido várias vezes" antes de ser preso e processado, conta o jornal, citando autoridades locais.


Questionadas pelo jornal, as autoridades judiciais de Kashgar asseguraram que processaram e condenaram já um grupo de infratores dos regulamentos contra o uso de barba, véu e burca, desde o início do ano.


A agência de notícias France Presse tentou contactar as autoridades de Kashgar, mas estas não estavam disponíveis.

Lusa


  • Mulher detida ao tentar atropelar polícias junto ao Capitólio, em Washington

    Mundo

    Agentes da polícia abriram fogo contra uma mulher (e não um homem, ao contrário do que inicialmente se disse) que conduzia um carro perto do Capitólio e tentava atropelá-los, segundo o Departamento da Polícia Metropolitana de Washington. A mulher foi detida mas a polícia garante que não se tratou de um ato terrorista.

  • A rã que brilha no escuro
    2:08
  • Indonésio encontrado dentro de cobra pitão

    Mundo

    Akbar Salubiro, de 25 anos, esteve perto de 24 horas desaparecido na remota ilha indonésia de Sulawesi. Acabou por ser encontrado um dia depois, no jardim da própria casa, dentro de uma pitão de 7 metros.