sicnot

Perfil

Mundo

Dissolução do parlamento britânico marca início da campanha para eleições legislativas

A campanha para as eleições legislativas britânicas de 07 de maio, consideradas as mais renhidas das últimas décadas, começa oficialmente hoje com a dissolução formal do Parlamento. 

© David Gray / Reuters

A Câmara dos Comuns encerrou os trabalhos na quinta-feira, mas a dissolução que marca o início do processo eleitoral só acontece 25 dias úteis antes do escrutínio.


A imigração, a recuperação económica, o sistema de saúde britânico ou as relações com a União Europeia são alguns dos temas mais controversos da agenda política britânica, e que deverão dominar as próximas cinco semanas.


O líder do partido Trabalhista, Ed Miliband, promete "fazer melhor" do que o governo anterior, nomeadamente de investir mais nos serviços de saúde públicos e promover a melhoria das condições de vida dos trabalhadores de classe média e baixa britânicos, ao mesmo tempo que quer controlar a imigração.


O primeiro-ministro e líder do partido Conservador, David Cameron, faz campanha para completar o trabalho feito nos últimos cinco anos a "dar a volta à economia do país", que o governo estima que irá crescer 2,5% em 2015, mais do que as principais economias ocidentais.


Além de uma corrida renhida entre os dois principais partidos britânicos, estas eleições caracterizam-se por uma fragmentação das intenções de voto que poderá resultar na necessidade de uma coligação ou aliança eleitoral para amparar um governo minoritário. 


À direita, o Partido para a Independência (UKIP) seduz os eleitores dos conservadores ("tories") com o discurso eurocético e anti-imigração, enquanto que, à esquerda, os nacionalistas do SNP poderão, segundo as sondagens, "roubar" o lugar de um grande número de deputados trabalhistas na Escócia. 


Menos influentes, mas potencialmente importantes num cenário de maioria relativa são os Liberais Democratas, cuja popularidade decresceu após a participação no governo de coligação com o partido Conservador, e o partido Verde, que nas eleições anteriores só elegeu um deputado. 

Lusa



  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.