sicnot

Perfil

Mundo

Dissolução do parlamento britânico marca início da campanha para eleições legislativas

A campanha para as eleições legislativas britânicas de 07 de maio, consideradas as mais renhidas das últimas décadas, começa oficialmente hoje com a dissolução formal do Parlamento. 

© David Gray / Reuters

A Câmara dos Comuns encerrou os trabalhos na quinta-feira, mas a dissolução que marca o início do processo eleitoral só acontece 25 dias úteis antes do escrutínio.


A imigração, a recuperação económica, o sistema de saúde britânico ou as relações com a União Europeia são alguns dos temas mais controversos da agenda política britânica, e que deverão dominar as próximas cinco semanas.


O líder do partido Trabalhista, Ed Miliband, promete "fazer melhor" do que o governo anterior, nomeadamente de investir mais nos serviços de saúde públicos e promover a melhoria das condições de vida dos trabalhadores de classe média e baixa britânicos, ao mesmo tempo que quer controlar a imigração.


O primeiro-ministro e líder do partido Conservador, David Cameron, faz campanha para completar o trabalho feito nos últimos cinco anos a "dar a volta à economia do país", que o governo estima que irá crescer 2,5% em 2015, mais do que as principais economias ocidentais.


Além de uma corrida renhida entre os dois principais partidos britânicos, estas eleições caracterizam-se por uma fragmentação das intenções de voto que poderá resultar na necessidade de uma coligação ou aliança eleitoral para amparar um governo minoritário. 


À direita, o Partido para a Independência (UKIP) seduz os eleitores dos conservadores ("tories") com o discurso eurocético e anti-imigração, enquanto que, à esquerda, os nacionalistas do SNP poderão, segundo as sondagens, "roubar" o lugar de um grande número de deputados trabalhistas na Escócia. 


Menos influentes, mas potencialmente importantes num cenário de maioria relativa são os Liberais Democratas, cuja popularidade decresceu após a participação no governo de coligação com o partido Conservador, e o partido Verde, que nas eleições anteriores só elegeu um deputado. 

Lusa



  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.