sicnot

Perfil

Mundo

Mapas do Google transformam-se em Pac Man

O serviço de cartografia do Google tem uma nova funcionalidade que permite, com um clique sobre um item, jogar o Pac-Man nas ruas de uma cidade real.

Um porta-voz do Google explicou que a ideia faz parte de um programa da empresa para este ano.

Um porta-voz do Google explicou que a ideia faz parte de um programa da empresa para este ano.

Google Maps

Um porta-voz do Google explicou que a ideia faz parte de um programa da empresa para este ano, sem avançar mais pormenores.

"É uma ideia brilhante", comentou a Business Insider, que transformou o quarteirão de Times Square em Nova Iorque no território daquele personagem emblemático criado em 1980.

A aplicação funciona em Paris, Washington, Tóquio, Buenos Aires, Camberra, mas também em cidades mais pequenas, como Bordéus (França), Liverpool (Inglaterra) e Cuzco, no Perú.
  • Google disponibiliza "Indoor Maps" em Portugal

    País

    A empresa Google anunciou que disponibiliza, a partir de hoje, em Portugal, a funcionalidade "Indoor Maps", que permite visualizar mapas interiores detalhados, encontrar pontos de interesse no interior de instalações e obter informação útil. 

  • Google aposta em visitas virtuais ao interior de edifícios
    9:44

    Futuro Hoje

    Há muito pouco tempo, seria impensável ter num único sistema os mapas de todo o mundo. Contudo, ele existe e o próximo passo está já a ser dado, com plantas de interiores de edifícios públicos. O Lourenço Medeiros foi conhecer as novas ferramentas do Google Maps para o Futuro Hoje.

  • Atividade económica regista crescimento

    Economia

    A atividade económica portuguesa está a crescer ao maior ritmo dos últimos 17 anos. O crescimento registado em setembro é o mais elevado desde janeiro de 2000. Já o consumo privado registou uma diminuição face a agosto.

    SIC

  • Aberta nova frente de guerra no Iraque
    1:20

    Mundo

    Uma nova frente de guerra no Iraque está aberta. O exército de Bagdade combate as forças curdas e luta pelo controlo da província petrolífera de Kirkuk. Na origem da ofensiva está o referendo não reconhecido à independência do Curdistão.