sicnot

Perfil

Mundo

Palestina membro do TPI para julgar líderes israelitas

A Palestina torna-se hoje formalmente membro do Tribunal Penal Internacional (TPI), com a intenção de promover o julgamento de dirigentes israelitas por crimes de guerra ou ligados à ocupação de territórios palestinianos.

© Jerry Lampen / Reuters

Esta adesão é mais um passo no confronto diplomático e judicial desencadeado em 2014 pela Autoridade Palestiniana, apesar das incertezas relacionadas com esta nova fase do conflito.  


A iniciativa tem consequências ainda incertas, não apenas por ser muito duvidoso que o primeiro-ministro israelita e outros dirigentes judaicos compareçam alguma vez em Haia, a sede do TPI, mas também porque se ignora até onde conduzirá esta nova e anunciada degradação das relações entre as duas partes. 


Os palestinianos consideram que não têm outra alternativa, após décadas de inúteis negociações e sem qualquer perspetiva de assistir ao nascimento próximo do seu Estado ao qual aspiram há muitas décadas.  


Em 2014 a palestina aderiu ao TPI, vocacionado para a perseguição dos autores de genocídios, crimes contra a humanidade e crimes de guerra, após ver rejeitado pelo Conselho de Segurança da ONU um projeto de resolução que previa o fim da ocupação israelita num prazo de três anos.  


"A Palestina utiliza e continuará a utilizar todos os meios legítimos à sua disposição para se defender contra a colonização israelita e as outras violações do direito internacional", disse na ocasião o dirigente palestiniano Saëb Erakat.  


A liderança palestiniana também decidiu pôr termo à cooperação securitária com os israelitas, enquanto Benjamin Netanyahu, o primeiro-ministro do Estado judaico recentemente reeleito, acusava o governo palestiniano, que incluiu o movimento radical Hamas, considerado "terrorista" por Israel, de "manipular" o tribunal. 


Em represália, Israel interrompeu o envio mensal de mais de 100 milhões de euros de impostos dirigidos à Autoridade palestiniana. 


Nas recentes legislativas, Netanyahu disse ainda que enquanto permanecer no seu posto nunca permitirá a existência de um Estado palestiniano, mas de seguida aceitou desbloquear as receitas fiscais devidas à Autoridade Palestiniana, essenciais para as finanças de uma instituição da qual dependem dezenas de milhares de pessoas. 


Na prática, o dia 1 de abril deverá sobretudo caracterizar-se por uma dimensão cerimonial, quando for entregue ao ministro palestiniano Ryiad al-Maliki a cópia do Estatuto de Roma, que assinala a fundação do TPI. 

Lusa

  • Governo reconhecerá Estado da Palestina em "momento adequado"

    País

    O ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Rui Machete, disse hoje que o Governo português "procurará escolher o momento mais adequado" para reconhecer o Estado da Palestina, como recomendou o parlamento. A Assembleia da República aprovou hoje por maioria uma recomendação ao Governo para que reconheça o Estado palestiniano, subscrita pelos partidos da maioria e PS. 

  • Parlamento Europeu reconhece Estado da Palestina

    SIC Europa

    O Parlamento Europeu aprovou hoje uma resolução na qual "apoia, por princípio, o reconhecimento do Estado palestiniano e a solução da coexistência de dois Estados". O PE decide ainda lançar a iniciativa «Deputados para a Paz», que visa reunir deputados europeus, israelitas e palestinianos de vários partidos para promover uma agenda para a paz e complementar os esforços diplomáticos da UE.

  • Advogados de Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático
    2:13

    Operação Marquês

    Os advogados de José Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático e garantem que o antigo primeiro-ministro nunca favoreceu Ricardo Salgado ou o Grupo Espirito Santo. Segundo o Expresso, o presidente da Escom, Helder Bataglia, terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, alegadamente para o amigo José Sócrates.

  • Marcelo diz que é hora de valorizar o poder local
    0:40

    País

    O Presidente da República diz que este é o momento para valorizar o poder local. Sobre a descida da Taxa Social Única, Marcelo Rebelo de Sousa recusou comentar e negou que haja crispação politica entre Governo e oposição.

  • Marine Le Pen diz que Brexit terá efeito dominó na UE
    0:39

    Brexit

    Marine Le Pen diz que o Brexit vai ter um efeito dominó na União Europeia. Durante um congresso da extrema-direita, a líder da Frente Nacional francesa afirmou que a Europa vai despertar este ano em que estão marcadas eleições em vários países, como a Alemanha e a Holanda.