sicnot

Perfil

Mundo

Número de muçulmanos poderá ser quase igual ao de cristãos em 2050

Em 2050, o número de muçulmanos em todo o mundo poderá ser quase igual ao de cristãos, com o Islão a tornar-se a fé com o crescimento mais rápido no planeta, de acordo com um estudo divulgado esta quinta-feira. 

Se se mantiverem as tendências atuais nas próximas quatro décadas, "o número de muçulmanos quase que igualará o de cristãos", embora este continue a ser o maior grupo religioso, indica o estudo "O futuro das religiões no mundo: projeções 2010-2050". (Arquivo)

Se se mantiverem as tendências atuais nas próximas quatro décadas, "o número de muçulmanos quase que igualará o de cristãos", embora este continue a ser o maior grupo religioso, indica o estudo "O futuro das religiões no mundo: projeções 2010-2050". (Arquivo)

© Stefano Rellandini / Reuters

Se se mantiverem as tendências atuais nas próximas quatro décadas, "o número de muçulmanos quase que igualará o de cristãos", embora este continue a ser o maior grupo religioso, indica o estudo "O futuro das religiões no mundo: projeções 2010-2050". 

Realizado pelo Pew Research Center, o estudo tem em conta dados sobre taxas de fertilidade, evolução do crescimento da população jovem e estatísticas sobre conversão religiosa, calculando que em 2050 os muçulmanos ascenderão a 2,76 mil milhões (1,6 mil milhões em 2010), enquanto os cristãos serão 2,92 mil milhões (2,17 mil milhões em 2010), o que corresponde a 29,7% e a 31,4% da população mundial, respetivamente. 

O "Islão crescerá mais rápido do que qualquer outra grande religião" e, se a tendência continuar, será a fé mais popular no mundo depois de 2070, indica o estudo.  

O Pew chama a atenção, no entanto, para o facto de "numerosos acontecimentos" como guerras, movimentos sociais e políticos, catástrofes naturais ou alterações de condições económicas poderem "alterar as tendências demográficas de modo imprevisível".  

Mantendo-se as tendências, os hindus serão o terceiro grupo religioso, representando 14,9% da população mundial, enquanto 13,2% serão pessoas sem religião. 

O estudo prevê uma diminuição da percentagem de pessoas sem religião, embora em alguns países -- como os Estados Unidos e a França -- seja esperado o aumento do número de ateus e agnósticos.

O budismo é a única religião que não deverá registar um aumento do número de fiéis.

Os investigadores reuniram dados de 175 países, representando 95% da população mundial.
Lusa
  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.