sicnot

Perfil

Mundo

Número de muçulmanos poderá ser quase igual ao de cristãos em 2050

Em 2050, o número de muçulmanos em todo o mundo poderá ser quase igual ao de cristãos, com o Islão a tornar-se a fé com o crescimento mais rápido no planeta, de acordo com um estudo divulgado esta quinta-feira. 

Se se mantiverem as tendências atuais nas próximas quatro décadas, "o número de muçulmanos quase que igualará o de cristãos", embora este continue a ser o maior grupo religioso, indica o estudo "O futuro das religiões no mundo: projeções 2010-2050". (Arquivo)

Se se mantiverem as tendências atuais nas próximas quatro décadas, "o número de muçulmanos quase que igualará o de cristãos", embora este continue a ser o maior grupo religioso, indica o estudo "O futuro das religiões no mundo: projeções 2010-2050". (Arquivo)

© Stefano Rellandini / Reuters

Se se mantiverem as tendências atuais nas próximas quatro décadas, "o número de muçulmanos quase que igualará o de cristãos", embora este continue a ser o maior grupo religioso, indica o estudo "O futuro das religiões no mundo: projeções 2010-2050". 

Realizado pelo Pew Research Center, o estudo tem em conta dados sobre taxas de fertilidade, evolução do crescimento da população jovem e estatísticas sobre conversão religiosa, calculando que em 2050 os muçulmanos ascenderão a 2,76 mil milhões (1,6 mil milhões em 2010), enquanto os cristãos serão 2,92 mil milhões (2,17 mil milhões em 2010), o que corresponde a 29,7% e a 31,4% da população mundial, respetivamente. 

O "Islão crescerá mais rápido do que qualquer outra grande religião" e, se a tendência continuar, será a fé mais popular no mundo depois de 2070, indica o estudo.  

O Pew chama a atenção, no entanto, para o facto de "numerosos acontecimentos" como guerras, movimentos sociais e políticos, catástrofes naturais ou alterações de condições económicas poderem "alterar as tendências demográficas de modo imprevisível".  

Mantendo-se as tendências, os hindus serão o terceiro grupo religioso, representando 14,9% da população mundial, enquanto 13,2% serão pessoas sem religião. 

O estudo prevê uma diminuição da percentagem de pessoas sem religião, embora em alguns países -- como os Estados Unidos e a França -- seja esperado o aumento do número de ateus e agnósticos.

O budismo é a única religião que não deverá registar um aumento do número de fiéis.

Os investigadores reuniram dados de 175 países, representando 95% da população mundial.
Lusa
  • "Não podemos fazer de Lisboa uma cidade para turistas"
    2:44

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite da SIC, o mandato de Fernando Medina na Câmara de Lisboa. O comentador da SIC defendeu que o autarca tem "muitos problemas por resolver" e que a Câmara tem investido "mais na recuperação de zonas em que os lisboetas praticamente não conseguem ir". Sousa Tavares disse ainda que Lisboa não pode ser uma cidade para turistas.

    Miguel Sousa Tavares

  • "Putin é uma ameaça maior do que o Daesh"
    0:24

    Mundo

    O senador norte-americano John McCain atacou Vladimir Putin dizendo que é uma ameaça maior do que o Daesh. O antigo candidato à Casa Branca acusa a Rússia de querer destruir a democracia ao tentar manipular o resultado das presidenciais dos Estados Unidos.

  • "É muito importante ceder à tentação de se abolir a liberdade"
    1:06