sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos 4 mortos em ataque no Quénia

Está em curso esta manhã um ataque a uma universidade no Quénia. Até ao momento, há a registar pelo menos quatro mortos e quatro feridos graves, embora haja também relatos de cerca de 30 pessoas hospitalizadas.

Soldados quenianos nas imediações da universidade

Soldados quenianos nas imediações da universidade

© Stringer . / Reuters

Cerca de meia centena de pessoas foi entretanto hospitalizada com ferimentos provocados por balas. 

No local, há uma grande movimentação de ambulâncias e outros veículos de emergência. 

A Universidade fica na cidade de Garissa, no leste do país, a cerca de 150 quilómetros da fronteira com a Somália.

De acordo com as agências internacionais, um grupo de homens armados terá entrado aos tiros na mesquita da universidade e feito reféns vários estudantes. 

O ataque teve início por volta das 5:30 da manhã, hora local, 3:30 em Lisboa, altura em que muitas pessoas se preparavam para as orações da manhã. 

Tiros e explosões foram ouvidos no complexo durante horas. 

O ataque ainda não foi reivindicado. 


Em setembro de 2013, um sequestro num centro comercial semeou o pânico na capital do país e fez mais de 70 mortos. Foi atribuído ao grupo islamita somali Al-al Shabaab que tem ligações à Al Qaeda.


EM ATUALIZAÇÃO
  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.