sicnot

Perfil

Mundo

Famílias das vítimas do navio Sewol rejeitam indemnizações do governo sul-coreano

Familiares das vítimas do naufrágio do navio sul-coreano Sewol, que causou 304 mortos em abril do ano passado, rejeitaram hoje as indemnizações oferecidas pelo governo e exigiram uma investigação transparente e a recuperação de nove corpos que continuam desaparecidos. 

© Issei Kato / Reuters

Dezenas de familiares vestidos de amarelo -- cor que representa a solidariedade para com as vítimas do Sewol -- manifestaram-se hoje na praça de Gwanghwamun no centro de Seul, com bandeiras e alguns com o cabelo rapado em sinal de protesto. 

Os familiares afirmaram que nunca pediram dinheiro ao Governo e acusaram Seul de "insultar as vítimas" ao oferecer compensações económicas e ao mesmo tempo bloquear uma investigação independente sobre o incidente. 

O Governo da Coreia do Sul abriu esta semana o processo de requerimento de indemnizações para os familiares das vítimas e sobreviventes do naufrágio do Sewol. 

Tanto as famílias dos mortos -- dos quais ainda há nove corpos por recuperar -- como os 157 sobreviventes do naufrágio podem apresentar os seus pedidos de compensação financeira por parte do Estado, anunciou na quarta-feira o Ministério de Oceanos e Pescas Seul em comunicado.

A maioria dos 304 mortos do naufrágio ocorrido a 16 de abril do ano passado era estudante numa escola secundária em Ansan (a sul de Seul).

A compensação para as famílias de cada aluno falecido foi calculada em aproximadamente 420 milhões de won (353 mil euros), e no caso dos professores em 760 milhões de won (639 mil euros), por ter sido considerado que os docentes sacrificaram as suas vidas a tentar salvar os seus alunos. 

As indemnizações aos restantes viajantes e tripulantes falecidos no naufrágio podem variar, dependendo de fatores como a idade, ocupação e rendimentos, informou o ministério, enquanto os sobreviventes serão compensados com diferentes montantes pelos prejuízos causados. 

 







Lusa
  • Prisão preventiva para homicida de Barcelos
    1:43

    País

    O alegado homicida de Barcelos vai ficar em prisão preventiva, por quatro crimes de homicídio. Adelino Briote foi ouvido este sábado de manhã no Tribunal de Braga, depois de na sexta-feira ter alegadamente degolado quatro pessoas na freguesia de Tamel, em Barcelos.

  • Morte de portuguesa no Luxemburgo afinal não aconteceu

    País

    A morte de uma portuguesa em Bettembourg, no sul do Luxemburgo, não terá acontecido. O Jornal do Luxemburgo avançou, esta manhã, que a emigrante portuguesa tinha sido baleada mortamente pelo filho, uma informação entretanto desmentida por outro jornal online. Segundo o Bom Dia Luxemburgo, o que aconteceu foi afinal uma rusga policial.

  • Estamos quase na hora de verão

    País

    Esta madrugada muda a hora. Quando for 1h00, os relógios adiantam para as 2h00. Será uma noite com menos tempo de sono, mas os dias vão ficar mais longos com o chamado horário de verão.

  • Hora do Planeta, apagam-se as luzes para despertar consciências
    2:19
  • Milhares nas cerimónias fúnebres de dirigente do Hamas

    Mundo

    Milhares de palestinianos participaram nas cerimónias fúnebres de um dirigente do Hamas, assassinado esta sexta-feira, na Faixa de Gaza. Vários homens armados acompanharam o cortejo fúnebre até à mesquita, onde se fizeram as últimas orações.