sicnot

Perfil

Mundo

Famílias das vítimas do navio Sewol rejeitam indemnizações do governo sul-coreano

Familiares das vítimas do naufrágio do navio sul-coreano Sewol, que causou 304 mortos em abril do ano passado, rejeitaram hoje as indemnizações oferecidas pelo governo e exigiram uma investigação transparente e a recuperação de nove corpos que continuam desaparecidos. 

© Issei Kato / Reuters

Dezenas de familiares vestidos de amarelo -- cor que representa a solidariedade para com as vítimas do Sewol -- manifestaram-se hoje na praça de Gwanghwamun no centro de Seul, com bandeiras e alguns com o cabelo rapado em sinal de protesto. 

Os familiares afirmaram que nunca pediram dinheiro ao Governo e acusaram Seul de "insultar as vítimas" ao oferecer compensações económicas e ao mesmo tempo bloquear uma investigação independente sobre o incidente. 

O Governo da Coreia do Sul abriu esta semana o processo de requerimento de indemnizações para os familiares das vítimas e sobreviventes do naufrágio do Sewol. 

Tanto as famílias dos mortos -- dos quais ainda há nove corpos por recuperar -- como os 157 sobreviventes do naufrágio podem apresentar os seus pedidos de compensação financeira por parte do Estado, anunciou na quarta-feira o Ministério de Oceanos e Pescas Seul em comunicado.

A maioria dos 304 mortos do naufrágio ocorrido a 16 de abril do ano passado era estudante numa escola secundária em Ansan (a sul de Seul).

A compensação para as famílias de cada aluno falecido foi calculada em aproximadamente 420 milhões de won (353 mil euros), e no caso dos professores em 760 milhões de won (639 mil euros), por ter sido considerado que os docentes sacrificaram as suas vidas a tentar salvar os seus alunos. 

As indemnizações aos restantes viajantes e tripulantes falecidos no naufrágio podem variar, dependendo de fatores como a idade, ocupação e rendimentos, informou o ministério, enquanto os sobreviventes serão compensados com diferentes montantes pelos prejuízos causados. 

 







Lusa
  • Governo quer aumentar fiscalização a baixas fraudulentas
    1:10

    País

    O Governo quer criar uma bolsa de médicos para fiscalizar quem recebe o subsídio por doença. A intenção foi manifestada à TSF pela secretária de Estado da Segurança Social. Em 2016 foram detetados mais de 56 mil trabalhadores com baixa médica que afinal estavam aptos para trabalhar.

  • Novo motim em prisão brasileira do Rio Grande do Norte

    Mundo

    Um motim ocorreu esta segunda-feira de madrugada numa prisão do estado brasileiro de Rio Grande do Norte, sem fazer feridos ou mortos, depois de uma rebelião numa outra prisão do mesmo estado ter feito 26 mortos no fim de semana.

  • Cheias e derrocadas destroem várias casas no Peru
    0:42

    Mundo

    Um deslizamento de terras seguido de uma inundação destruiu várias casas no Peru. As imagens mostram o momento em que o deslizamento acontece e o caos que se gerou. O trânsito ficou cortado e as inundações que se seguiram obrigaram várias pessoas a abandonar as suas habitações.