sicnot

Perfil

Mundo

Rússia nega que naufrágio de pesqueiro se tenha devido a choque com submarino

A Rússia negou hoje que se tenha devido a uma colisão com um submarino o naufrágio de um pesqueiro na quinta-feira no mar de Ojotsk, frente à península de Kamchatka, no qual morreram 56 pessoas.

© Stringer Russia / Reuters

"Todas as informações divulgadas por algumas agências e redes sociais acerca da suposta causa do naufrágio do pesqueiro são invenções", disse o porta-voz da Marinha russa, general Igor Konashenkov.

Este responsável adiantou que na altura do incidente "não havia qualquer submarino russo naquela área".

Foram retomados hoje os trabalhos de busca dos 13 desaparecidos do pesqueiro Dalniy Vostok, que naufragou na madrugada de quinta-feira. Duas dezenas de pesqueiros, uma embarcação de resgate e um helicóptero participam nas buscas.

Dos 63 sobreviventes, cerca de uma dezena com sintomas graves de hipotermia foi transportado na quinta-feira e hoje para hospitais de península de Kamchatka e os restantes deverão abandonar hoje a zona do naufrágio.

No navio trabalhavam 78 russos e 54 estrangeiros, de países como a Birmânia, Ucrânia, Vanuatu e Letónia.






Lusa
  • E os nomeados são... conhecidos hoje

    Cultura

    São, esta terça-feira, conhecidos os nomeados para os Óscares. O anúncio vai ser feito a partir de Los Angeles quando forem 13h00 em Lisboa e seguido em direto numa emissão especial da SIC Notícias.

    Aqui a partir das 13:00

  • Centeno promete avançar com reformas para a zona euro
    1:45

    Economia

    Mário Centeno liderou esta segunda-feira a primeira reunião do Eurogrupo. O ministro das Finanças português prometeu pôr mãos à obra para reformar a zona euro e, sem se comprometer com datas, deixou a porta entreaberta à entrada da Bulgária na zona euro.

  • "Shutdown" nos EUA chegou ao fim
    1:05
  • Papa pede perdão a vítimas de abusos por ter usado expressão "menos feliz"
    1:21

    Mundo

    No final da visita à América Latina, já no avião de regresso a Roma, o Papa Francisco pediu desculpa às vítimas de abusos sexuais no Chile. O líder da Igreja católica considerou que utilzou uma expressão menos "feliz" quando saiu em defesa do bispo Juan Barros, exigindo "provas" a quem o acusa de não ter agido.