sicnot

Perfil

Mundo

Avião da Germanwings aterra de emergência em Estugarda

Um avião da companhia aérea Germanwings, filial da Lufthansa, realizou hoje uma aterragem de emergência no aeroporto de Estugarda, no sul da Alemanha, devido a uma avaria técnica, segundos fontes do aeroporto.

© Wolfgang Rattay / Reuters

O aparelho, com o número de voo 4U 814, tinha descolado esta manhã da cidade alemã de Colónia, no oeste do país, pelas 09:00 de Lisboa, com destino à cidade italiana de Veneza, mas uma hora depois foi forçado a aterrar de emergência em Estugarda, sem que daí tenham resultado quaisquer feridos, de acordo com a informação dada à agência de notícias espanhola EFE.

Pelas 11:30 (hora de Lisboa), os passageiros, cujo número não foi especificado, ainda se encontravam no aeroporto de Estugarda, onde estão a decorrer os trabalhos de reparação do avião.

Ainda não há certezas sobre a possibilidade de o voo ser retomado rumo a Veneza, pelo que poderá ser necessário haver uma substituição da aeronave.

Entretanto, a Germanwings está a dar a possibilidade aos passageiros afetados de regressarem num novo voo para Colónia ou aguardarem pela conclusão do voo inicial.












Lusa
  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18