sicnot

Perfil

Mundo

EUA condenam ataques contra civis na Síria

Os Estados Unidos condenaram na sexta-feira a mais recente vaga de violência na Síria, que causou a morte de dezenas de civis e milhares de desalojados. 

© XXSTRINGERXX xxxxx / Reuters

Violentos combates entre as forças leais ao Presidente Bashar al-Assad e os rebeldes islamitas, incluindo a Frente al-Nusra, com ligações à Al-Qaida, na cidade de Idlib, causaram a morte a mais de 100 civis e forçaram a fuga de cerca de 30.000 pessoas. 

A porta-voz do Departamento de Estado norte-americano Marie Harf disse em comunicado que os 'jihadistas' do grupo estado islâmico massacraram mais de 40 pessoas em Majaoubé, na província de Hama, incluindo mulheres e crianças, enquanto as forças do regime também bombardearam a cidade. 

"Os Estados Unidos condenam veementemente os ataques desta semana contra os civis da Síria", afirmou. 

Os Estados Unidos também estão "profundamente preocupados" com os ataques contra o campo de refugiados palestinianos de Yarmuk, a sul de Damasco, pelos 'jihadistas' do estado islâmico, acrescentou Marie Harf. Estes ataques terão deixado 18.000 civis na zona em risco. 

O campo de Yarmuk, o maior dos campos de refugiados palestinianos na Síria, albergava 160.000 sírios e palestinianos antes do início da guerra na Síria em 2011, contra apenas 18.000 pessoas atualmente. 

Em fevereiro de 2014, os grupos rebeldes sírios retiraram-se do campo na sequência de um acordo com organizações palestinianas armadas antirregime. 

Os habitantes enfrentam escassez de alimentos, água e medicamentos devido a um cerco quase total imposto há mais de um ano pelo regime de Damasco. 

O surgimento do grupo estado islâmico no conflito sírio complicou a situação no terreno. Para além de considerar o regime de Bachar al-Assad seu inimigo, também combate os restantes grupos rebeldes para tentar garantir o seu objetivo de hegemonia territorial. 

"As pessoas em Yarmuck já sofreram a violência do regime e viveram sitiadas durante quase dois anos, desesperadamente privadas de bens essenciais, incluindo alimentos e assistência médica", referiu. 

"Os Estados Unidos reafirmam que todas as forças devem cessar os ataques ilegais contra civis e agir de acordo com o direito internacional", acrescentou.







Lusa
  • Défice cai 1.900 milhões até agosto

    Economia

    O défice das administrações públicas foi de 2.034 milhões de euros até agosto, uma "melhoria de 1.901 milhões" face ao mesmo período de 2016, segundo o Governo, que justifica com aumento superior a 4% da receita.

  • Coreia do Norte acusa Trump de declarar guerra

    Mundo

    A Coreia do Norte acusou hoje o Presidente norte-americano de ter "declarado a guerra". O chefe da diplomacia norte-coreana ameaçou abater todo e qualquer bombardeiro dos EUA que se aproxime do território.

  • Morreu a egípcia que chegou a pesar 500 quilos

    Mundo

    A egípcia Eman Ahmed Abd El Aty, de 37 anos, que chegou a pesar 500 quilos, morreu num hospital de Abu Dabi, nos Emirados Árabes Unidos, devido a complicações cardíacas na sequência do seu excesso de peso.

  • Atores recriam cena em que um homem é vítima de violência doméstica
    1:35
  • Ministério Público admite eventual detenção do presidente do governo da Catalunha
    2:24
  • Bispo vermelho

    "Recebia trabalhadores e sindicalistas, batia à porta de políticos e empresários, andava pelas ruas da cidade ao encontro dos que das ruas da cidade faziam casa". Joaquim Franco evoca Manuel Martins, o "bispo vermelho".

    Joaquim Franco

  • Apreendidos quase 7.000 comprimidos ilegais vendidos pela internet
    1:43

    País

    O Infarmed e a Autoridade Tributária apreenderam perto de 7.000 unidades de comprimidos ilegais.A apreensão aconteceu no âmbito de uma operação internacional da Interpol de combate aos medicamentos ilegais vendidos pela internet, explicou à SIC Luís Sande e Castro, diretor da Unidade de Inpeção do Infarmed.

  • Criar galinhas na cozinha, guerras no fogão, e drones dentro de casa
    7:28
  • Passageiro detido com 1 kg de ouro no reto

    Mundo

    Os funcionários da alfândega do aeroporto de Colombo, Sri Lanka, estranharam o comportamento de um passageiro que "caminhava com dificuldade". Um exame completo revelou a valiosa carga que levava escondida... no tubo intestinal.