sicnot

Perfil

Mundo

Grupo islâmico Al Shabab ameaça fazer novos ataques no Quénia

O grupo islâmico somali Al Shabab ameaçou hoje fazer novos ataques no Quénia se o Governo não retirar as tropas que tem destacadas na Somália, segundo um comunicado difundido pela organização terrorista.

O grupo islâmico somali 'shebab' reivindicou previamente o ataque contra o centro universitário.

O grupo islâmico somali 'shebab' reivindicou previamente o ataque contra o centro universitário.

DAI KUROKAWA / Lusa

Na nota, intitulada 'Enterrando as esperanças do Quénia', os autores do atentado que na sexta-feira causou 148 mortos na universidade de Garissa, advertem que a presença do exército queniano na Somália, que acusam de matar civis e bombardear povos, levará a mais represálias contra a população queniana, que responsabilizam por ter elegido o atual Governo.

"Enquanto o vosso Governo persistir no caminho da opressão, pondo em prática políticas repressivas, e continuar com a sistemática perseguição de muçulmanos inocentes, os nossos ataques também continuarão", adianta o comunicado.

O ataque à universidade de Garissa foi o mais mortífero em solo queniano depois do atentado da Al Qaida contra a embaixada norte-americana em Nairobi em 1998, que causou 231 mortos.

No comunicado, cuja autenticidade foi confirmada por um porta-voz do Al Shabab, os islamitas ligados à Al Qaida, explicam que no ataque à universidade separaram os muçulmanos dos cristãos para matar apenas estes.











Lusa
  • Eduardo Cabrita nomeado ministro da Administração Interna

    País

    O primeiro-ministro propôs esta quarta-feira ao Presidente da República a nomeação de Eduardo Cabrita para o cargo de ministro da Administração Interna e de Pedro Siza Vieira para ministro Adjunto do primeiro-ministro. A tomada de posse realiza-se no sábado às 09:00.

  • Um pedido de desculpas aos portugueses e um ultimato ao Governo
    3:21
  • Vouzela tenta regressar à normalidade, 8 pessoas morreram no concelho
    2:28

    País

    No concelho de Vouzela, a população começa a voltar à normalidade. Aos poucos a luz e a água estão a voltar e as pessoas começam a ganhar forças para reconstruir aquilo que lhes foi tirado pelos fogos. No entanto, as feridas demoram a sarar e não será fácil esquecer que 80 a 90 por cento deste concelho foi destruído pelos incêndios e oito pessoas morreram.

  • Material de guerra de Tancos encontrado, faltam munições
    1:40
  • "Se os bombeiros não chegam, os vizinhos vão ficar sem casa"
    1:03
  • Madrid admite suspender autonomia da Catalunha
    1:51
  • Alemanha já tem uma versão de Donald Trump... em cera
    1:08