sicnot

Perfil

Mundo

Senegal vai suprimir visto de entrada a partir de maio

O presidente do Senegal, Macky Sall, anunciou o fim dos vistos de entrada no país, a partir do início de maio, numa mensagem à nação, para comemorar o 55.º aniversário da proclamação da independência, que se celebra hoje.

© Stringer . / Reuters

"Decidi alguns incentivos para reativar o setor do turismo e reduzir as despesas de viagens dos nossos compatriotas na diáspora. Assim, a taxa de visto de entrada no Senegal vai ser suprimida a partir de 01 de maio" próximo, disse. 

Sall anunciou que os impostos sobre o bilhete de avião vão ser reduzidos em 50% para diminuir o preço do bilhete. 

O presidente acrescentou que vai consultar as companhias aéreas para analisar a possibilidade de reduzir a taxa de combustível. 

Com estas medidas, o Senegal pretende apoiar o setor turístico, em crise desde a introdução do visto em 2013, e com as taxas, consideradas elevadas, aplicadas sobre o preço do bilhete de avião e nos aeroportos. 

Estimativas indicam que o setor turístico regista perdas no valor de 150 milhões de euros devido à introdução do visto. 

Profissionais do turismo afirmaram que se registou uma quebra de mais de 30% do números de turistas no ano passado, situação que se agravou com a epidemia do Ébola, que afeta vários países da África ocidental. 











Lusa
  • Benefícios fiscais trouxeram a Portugal 10 mil estrangeiros em 2015

    Economia

    Os benefícios fiscais em Portugal atraíram mais de 10 mil estrangeiros no ano passado. A maioria vem com o estatuto de residente não habitual, que dá isenção total de IRS aos reformados por dez anos e 20% de isenção no imposto para profissionais que estiverem ligados a atividades de valor acrescentado como Psicologia, Investigação ou Medicina.

  • Trump e os jornalistas: uma relação (su)rreal
    2:08
  • Novo campo de refugiados construído em Mossul

    Mundo

    Um novo campo de refugiados foi construído em Mossul, no Iraque. Com cerca de 4 mil tendas, foi construído durante 45 dias para albergar os deslocados que se prevê que aumentem com a atual ofensiva militar na zona ocidental da cidade.