sicnot

Perfil

Mundo

Um morto e dois espeleólogos espanhóis socorridos em Marrocos

Um dos três espeleólogos espanhóis, desaparecidos nas montanhas do Atlas em Marrocos, morreu, enquanto os outros dois foram socorridos, anunciaram hoje as autoridades de Uarzazate (sul). 

© Youssef Boudlal / Reuters

"As duas pessoas feridas receberam no local os primeiros cuidados médicos e vão ser transportadas para um estabelecimento hospitalar", mas "o terceiro espeleólogo morreu", indicaram as mesmas fontes, citadas pela agência noticiosa marroquina MAP, que não divulgou a identidade do morto. 

Os três espanhóis foram localizados hoje de manhã, no fundo de uma falésia, na localidade de Tarmest, próximo da localidade rural de Iminualauen. A operação de socorro envolveu agentes policiais, da proteção civil e dois médicos. 

Os espeleólogos são dois polícias de 41 anos originários de Granada, um dos quais trabalha em Almeria e outro em Madrid, e um jovem de 26 anos de Cadiz, que viajaram para Marrocos num grupo organizado procedente de Sevilha e composto por nove pessoas.

Os três separaram-se do grupo na segunda-feira, combinando voltar a encontrar-se ainda nesse dia ou no dia seguinte. Não sabendo do paradeiro, o chefe da expedição apresentou queixa na polícia na quarta-feira e avisou o consulado.

A zona onde os espeleólogos foram encontrados situa-se num local muito afastado do ponto de encontro combinado.

O maciço do Alto Atlas é muito escarpado e as montanhas ultrapassam os 3.000 metros de altitude.



Lusa
  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras