sicnot

Perfil

Mundo

Cerca de 400 famílias palestinianas retiradas de campo de refugiados na Síria

Perto de 400 famílias foram retiradas do campo de refugiados palestinianos de Yarmouk, no sul de Damasco, depois do avanço dos jiadistas do grupo estado Islâmico, segundo um responsável da Organização de Libertação da Palestina (OLP).

EPA

"Face ao avanço do estado islâmico, 400 famílias, cerca de 2.000, foram retiradas na sexta-feira e sábado do campo, a partir de duas estradas seguradas, para abrigos na zona limítrofe de Zahira controlados pelo exército sírio", informou Anouar Abdel Hadi à agência noticiosa France Presse.

A mesma fonte indicou que 25 feridos foram transportados para os hospitais de Damasco e Mazzé.

"Podemos retirar todas as pessoas que consigam chegar à cidade de Yarmouk", acrescentou Abdel Hadi.

O autodenominado estado islâmico lançou na quarta-feira uma ofensiva contra o campo de refugiados, a partir de Hajar Aswad, com a colaboração do jiadistas Front al-Nosra, o braço sírio da Al-Qaeda, segundo informações do Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

O grupo estado islâmico controla as zonas centro, o sul e oeste do campo, enquanto as forças palestinianas Aknaf Beit al-Maqdess, próximas dos islamitas Hamas, estão a norte e a leste do local, acrescentou o responsável da OLP.

Por seu lado, a OSDH confirmou que "centenas de pessoas" foram retiradas do campo.

Com 18 mil habitantes, o campo de refugiados palestinianos de Yarmouk localiza-se a cerca de sete quilómetros do centro da capital da Síria, e ali morreram, pelo menos, 26 pessoas desde quarta-feira, contabilizou o OSDH.

Entre as vítimas mortais estão civis, membros do grupo estado islâmico e combatentes palestinianos.

A OSDH acrescentou que a aviação síria largou 13 explosivos sobre o campo na noite de sábado para domingo e que os combates continuam.

Entretanto, uma delegação do Governo de Damasco e representantes de vários grupos da oposição síria vão manter conversações em Moscovo entre segunda e quinta-feira para procurar uma solução política para os conflitos no país.

O Ministério dos Assuntos Exteriores russo convidou dezenas de organizações sírias para a segunda ronda de consultas em Moscovo, depois de uma primeira ter decorrido em janeiro, mas alguns do principais movimentos recusaram deslocar-se.

Desde há quatro anos que a Síria enfrenta uma guerra, que já provocou cerca de 220 mil mortos e mais de quatro milhões de refugiados.





Lusa
  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.