sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 110 mortos em novos combates no Iémen

Mais de 110 pessoas morreram em novos combates no sul do Iémen, entre rebeldes xiitas e partidários do presidente apoiado pela Arábia Saudita, enquanto a ajuda humanitária da Cruz Vermelha continua bloqueada. 

© Khaled Abdullah Ali Al Mahdi

Ao 12.º dia da operação de uma coligação militar liderada por Riade, os combates concentraram-se no sul, onde pelo menos 114 pessoas foram mortas, 53 das quais em Aden, segunda maior cidade do Iémen, de acordo com um balanço fornecido à agência noticiosa francesa AFP por diferentes fontes.  

A situação agrava-se no país, onde os hospitais já não conseguem, devido à falta de medicamentos, tratar os feridos, que rondam as centenas.  

Mas nenhuma ajuda chega do exterior. O Comité Internacional da Cruz Vermelha (CICV) indicou existirem "problemas logísticos" no encaminhamento da ajuda.  

"Temos autorizações para enviar um avião de carga com abastecimento médico", declarou uma porta-voz do CICV Sitara Jabeen. Mas há problemas com a aterragem no aeroporto de Sanaa, capital iemenita, onde "cada vez menos aparelhos conseguem aterrar". 

Cerca de 48 toneladas de medicamentos e conjuntos cirúrgicos esperam "luz verde" para seguirem, por avião ou por navio, indicou o CICV, pronto também a enviar tendas, geradores e equipamentos para reparar as redes de fornecimento de água destruídas pelos combates. 

A situação é particularmente grave em Aden, a grande cidade portuária do sul. Desde domingo, os confrontos resultaram "em 17 mortos civis e dez combatentes dos 'comités populares'", grupos que apoiam o presidente Abd Rabbo Mansur Hadi, refugiado em Riade, disse à AFP uma fonte médica. 

Uma fonte militar forneceu um balanço de 26 mortos entre os rebeldes xiitas 'hutis', apoiados pelo Irão. 

No início de março, estes milicianos e aliados, militares fiéis ao ex-presidente Ali Abdallah Saleh, conseguiram avançar para Aden. No domingo, tomaram a sede da administração provincial e aproximam-se de um porto, indicou a AFP. 

De acordo com a agência noticiosa espanhola EFE, os rebeldes xiitas tomaram já o porto de Aden (sul), o principal do país, apesar dos bombardeamentos aéreos e a partir de navios de guerra da coligação árabe liderada pela Arábia Saudita. 

Testemunhas citadas pela agência EFE relataram que os rebeldes foram apoiados por tanques do exército leal ao ex-presidente Ali Abdallah Saleh. 

No ano passado, os rebeldes conquistaram a capital iemenita, Sanaa, além de vastas regiões do norte e do centro do país. 

O avanço dos rebeldes tem deparado com a resistência dos combatentes dos 'comités populares', abastecidos com armas e munições pela coligação internacional, liderada pela Arábia Saudita, que lançou, a 26 de março, uma operação militar contra estas milícias xiitas, apoiadas pelo Irão. 

Um fotógrafo da AFP indicou ter visto, esta tarde, uma espessa coluna de fumo perto do aeroporto de Aden, sem que se conheça a sua origem. 

Em Dhaleh, também no sul, os combates fizeram pelo menos 19 mortos entre os rebeldes e 15 do lado dos 'comités populares', disse à AFP um responsável provincial. 

Em Zinjibar, capital da província de Abyane, a leste de Aden, membros dos 'comités populares' estão a cercar, desde domingo, a brigada 115 do exército, fiel ao ex-presidente Saleh e que está ao lado dos 'hutis', de acordo com apoiantes de Hadi. 

Ao fim do dia de domingo, os 'comités populares' tomaram, com o apoio de combatentes tribais, a localidade de Doufes, na estrada que liga Zinjibar a Aden. Os combates deixaram dois mortos entre o exército e cinco do lado 'huti', disseram fontes médicas. 

Em Lahj, a oeste de Aden, ataques da coligação internacional visaram a base aérea de Al-Anad e um campo militar próximo, onde foram mortes dez rebeldes, indicou fonte militar.

Entretanto, a Jordânia, que integra a coligação, anunciou hoje ter retirado, através da Arábia Saudita, 130 dos seus cidadãos no Iémen, elevando para 287 o número de jordanos que já deixaram o país. 

Três aviões indianos e um quarto russo aterraram em Sanaa para operações de evacuação, de acordo com um fotógrafo da AFP. 

A França retirou por mar, com um navio no porto de Balhaf (leste), mais 63 pessoas de diferentes nacionalidades, incluindo 23 franceses, para o Djibuti, disse fonte oficial. 

No Paquistão, a participação, ou não, na coligação internacional no Iémen continua a ser tema de debate, enquanto a Arábia Saudita pediu ao aliado sunita aviões, navios de guerra e tropas para operações em terra. 

O Paquistão conta 20% de xiitas, o que torna no segundo país do Islão xiita, logo a seguir ao Irão. 

Em Riade, o conselho de ministros, presidido pelo rei Salman, voltou a repetir hoje que a campanha no Iémen visava "socorrer um país vizinho e a autoridade legítima". 

Lusa
  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • Equipa especial de três magistradas investiga crimes ligados ao futebol
    0:46

    Desporto

    A procuradora-Geral da República criou uma equipa com três magistradas para investigar os inquéritos relativos a crimes ligados ao futebol, que começou a trabalhar no início deste mês, no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP). Na edição do Tempo Extra desta quinta-feira, Rui Santos disse que a equipa promete reultados a curto prazo.

  • Hoje é notícia

    País

    Esta 5ª feira fica marcada pelo debate no Parlamento sobre a paridade, com duas propostas de lei do Governo para aumentar quotas de representação dos sexos de 33,3 para 40% no poder político e nos cargos dirigentes da administração pública. Termina ainda hoje prazo para lesados do BES aderirem a fundo de compensação de perdas. Ao nível internacional, destaque para a proclamação do novo Presidente de Cuba.

  • Mulher de português raptado em Moçambique faz apelo ao Governo
    0:24

    País

    Salomé Sebastião, a mulher do empresário português raptado em julho de 2016, em Moçambique, foi esta quarta-feira ouvida na Comissão Parlamentar de Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas, no âmbito da petição entregue na Assembleia da República. A petição, subscrita por mais de quatro mil pessoas, pede aos deputados portugueses que pressionem as autoridades moçambicanas a investigar o paradeiro do português Américo Sebastião.

  • Sismo de magnitude 5,5 no sul do Irão

    Mundo

    Um sismo de magnitude 5,5 atingiu esta quinta-feira o sul do Irão, perto de uma unidade nuclear, abalando o Bahrein e outras áreas ao redor do Golfo Pérsico, segundo o Serviço Geológico dos EUA.

  • Princesa do Dubai que estava em fuga foi levada de volta a casa

    Mundo

    Latifa Mohamed al Maktoum, uma das filhas do emir do Dubai e primeiro-ministro dos Emirados Árabes Unidos, estava em fuga desde março. Latifa tinha partilhado um vídeo onde revelava que ia fugir e explicava os motivos. Fonte próxima do Governo do Dubai garantiu que a princesa foi levada de volta a casa.

    SIC

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.