sicnot

Perfil

Mundo

Combates no Iémen fizeram 540 mortos e 1.700 feridos desde março

Os combates das últimas semanas no Iémen fizeram pelo menos 540 mortos e 1.700 feridos, informou hoje a Organização Mundial de Saúde, enquanto a Cruz Vermelha alertou para uma situação humanitária "muito crítica" no país.

reuters

Os números da OMS são relativos ao período entre 19 de março e 06 de abril, precisou um porta-voz da organização, Christian Lindmeier, numa conferência de imprensa em Genebra.

Por outro lado, "pelo menos 74 crianças foram mortas e 44 feridas desde 26 de março", segundo um porta-voz do Fundo da ONU para a Infância (UNICEF), Christophe Boulierac, acrescentando que um milhão de crianças não pode ir à escola devido ao conflito.

Pessoal da UNICEF está no terreno para tentar determinar as circunstâncias dessas mortes, prosseguiu o porta-voz, afirmando que o número avançado diz respeito a "vítimas diretas de armas" e vítimas de "consequências indiretas do conflito", como a falta de água potável e material médico.

O conflito no Iémen acentuou-se em fevereiro com a tomada da capital, Sanaa, pelas milícias xiitas huthis, aliadas do ex-presidente Ali Abdallah Saleh e apoiadas pelo Irão, a consequente fuga do Presidente, Abd Rabbo Mansur Hadi, para a segunda cidade do país, Aden, e, perante o avanço dos rebeldes, para a Arábia Saudita. 

O avanço dos rebeldes tem enfrentado a resistência dos combatentes dos comités populares leais ao atual Presidente e, desde 26 de março, de uma coligação de países árabes liderada pela Arábia Saudita. 

Segundo uma porta-voz da Cruz Vermelha em Sanaa, Marie-Claire Feghali, a situação humanitária no país é "muito crítica" e, em Aden, onde se registam violentos combates todos os dias, "catastrófica".

O país, explicou a porta-voz, "importa 90% dos produtos alimentares" e, com o conflito, as ligações aéreas e marítimas foram cortadas e as infraestruturas estão fortemente danificadas.

"O mínimo que podemos dizer é que a situação é catastrófica" em Aden, onde "a guerra se instalou em todos os cantos da cidade", "falta comida, água e eletricidade" e cujos 800 mil habitantes "não conseguem sequer fugir".

"Os cadáveres ficam por vezes abandonados nas ruas, ninguém se aventura a ir retirá-los", disse.

Lusa

  • Ministro garante segurança nas escolas com uso de poliuretano
    0:52

    País

    O ministro da Educação garante que as escolas estão em segurança e que não há perigo com um material como o poliuretano. Tiago Brandão Rodrigues respondia, esta quarta-feira, a uma pergunta dos Verdes sobre a substituição de amianto nas escolas.

  • Estoril garante que estrutura da bancada não está em causa
    2:23

    Desporto

    O Laboratório Nacional de Engenharia Civil deverá emitir esta quinta-feira um parecer preliminar sobre a bancada norte do estádio do Estoril-Praia. O clube garante que a estrutura não está em causa e que, tal como a câmara de Cascais, aguarda por conclusões para uma edificação feita no vale da Amoreira.

  • "Quem me dera que a bancada do Estoril fosse com o c......"

    Desporto

    Depois da polémica no jogo entre Estoril-Praia e FC Porto, um cântico polémico da claque do Sporting sobre a bancada do estádio António Coimbra da Mota que obrigou à interrupção do jogo da passada segunda-feira. Tudo aconteceu durante um jogo do campeonato de hóquei em patins entre leões e dragões.

  • Ronaldo estará mesmo de saída do Real Madrid
    2:01
  • Várias alternativas para vender a sua casa
    8:58
  • Encontradas 86 pedras preciosas numa casa em Albufeira
    0:48
  • Registada em vídeo explosão de meteoro nos EUA
    0:42
  • "A Rússia não nos ajuda nada na Coreia do Norte"

    Mundo

    O Presidente norte-americano, Donald Trump, condenou esta quarta-feira a postura da Rússia sobre a situação da Coreia do Norte, afirmando que o país está a minar os esforços internacionais em curso para isolar o regime de Kim Jong-Un.

  • Polícia descobre arte de esconder 750 quilos de droga em ananases
    2:25
  • Moscovo só teve seis minutos de luz solar em dezembro

    Mundo

    Os portugueses estão tão habituados ao sol, que nunca imaginariam passar um mês inteiro sem ele. O fenómeno aconteceu na capital russa. Moscovo bateu o recorde em dezembro, quando passou o mês inteiro sem luz solar direta. As pessoas de Moscovo viram o sol apenas durante seis minutos e a espreitar timidamente por entre as nuvens.

  • A maior lua de Saturno tem nível do mar tal como a Terra

    Mundo

    Titã, a maior lua de Saturno, tem uma altura média da superfície do mar, tal como a Terra, revela um estudo divulgado esta quarta-feira, que se baseia em observações feitas pela sonda norte-americana Cassini, cuja missão terminou em setembro.