sicnot

Perfil

Mundo

Combates no Iémen fizeram 540 mortos e 1.700 feridos desde março

Os combates das últimas semanas no Iémen fizeram pelo menos 540 mortos e 1.700 feridos, informou hoje a Organização Mundial de Saúde, enquanto a Cruz Vermelha alertou para uma situação humanitária "muito crítica" no país.

reuters

Os números da OMS são relativos ao período entre 19 de março e 06 de abril, precisou um porta-voz da organização, Christian Lindmeier, numa conferência de imprensa em Genebra.

Por outro lado, "pelo menos 74 crianças foram mortas e 44 feridas desde 26 de março", segundo um porta-voz do Fundo da ONU para a Infância (UNICEF), Christophe Boulierac, acrescentando que um milhão de crianças não pode ir à escola devido ao conflito.

Pessoal da UNICEF está no terreno para tentar determinar as circunstâncias dessas mortes, prosseguiu o porta-voz, afirmando que o número avançado diz respeito a "vítimas diretas de armas" e vítimas de "consequências indiretas do conflito", como a falta de água potável e material médico.

O conflito no Iémen acentuou-se em fevereiro com a tomada da capital, Sanaa, pelas milícias xiitas huthis, aliadas do ex-presidente Ali Abdallah Saleh e apoiadas pelo Irão, a consequente fuga do Presidente, Abd Rabbo Mansur Hadi, para a segunda cidade do país, Aden, e, perante o avanço dos rebeldes, para a Arábia Saudita. 

O avanço dos rebeldes tem enfrentado a resistência dos combatentes dos comités populares leais ao atual Presidente e, desde 26 de março, de uma coligação de países árabes liderada pela Arábia Saudita. 

Segundo uma porta-voz da Cruz Vermelha em Sanaa, Marie-Claire Feghali, a situação humanitária no país é "muito crítica" e, em Aden, onde se registam violentos combates todos os dias, "catastrófica".

O país, explicou a porta-voz, "importa 90% dos produtos alimentares" e, com o conflito, as ligações aéreas e marítimas foram cortadas e as infraestruturas estão fortemente danificadas.

"O mínimo que podemos dizer é que a situação é catastrófica" em Aden, onde "a guerra se instalou em todos os cantos da cidade", "falta comida, água e eletricidade" e cujos 800 mil habitantes "não conseguem sequer fugir".

"Os cadáveres ficam por vezes abandonados nas ruas, ninguém se aventura a ir retirá-los", disse.

Lusa

  • Manuel Valls diz que Trump fez declaração de guerra à Europa

    Mundo

    O antigo primeiro-ministro francês Manuel Valls, aspirante a candidato socialista às presidenciais deste ano, considerou esta segunda-feira como uma "declaração de guerra" as afirmações do futuro Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre a União Europeia.

  • Morreu o último homem que pisou a Lua

    Mundo

    O astronauta norte-americano Eugene Cernan, o último homem a pisar a Lua, morreu esta segunda-feira aos 82 anos, informou a agência espacial norte-americana, NASA.

  • Novo motim em prisão brasileira do Rio Grande do Norte

    Mundo

    Um motim ocorreu esta segunda-feira de madrugada numa prisão do estado brasileiro de Rio Grande do Norte, sem fazer feridos ou mortos, depois de uma rebelião numa outra prisão do mesmo estado ter feito 26 mortos no fim de semana.

  • Cheias e derrocadas destroem várias casas no Peru
    0:42

    Mundo

    Um deslizamento de terras seguido de uma inundação destruiu várias casas no Peru. As imagens mostram o momento em que o deslizamento acontece e o caos que se gerou. O trânsito ficou cortado e as inundações que se seguiram obrigaram várias pessoas a abandonar as suas habitações.