sicnot

Perfil

Mundo

Combates no Iémen fizeram 540 mortos e 1.700 feridos desde março

Os combates das últimas semanas no Iémen fizeram pelo menos 540 mortos e 1.700 feridos, informou hoje a Organização Mundial de Saúde, enquanto a Cruz Vermelha alertou para uma situação humanitária "muito crítica" no país.

reuters

Os números da OMS são relativos ao período entre 19 de março e 06 de abril, precisou um porta-voz da organização, Christian Lindmeier, numa conferência de imprensa em Genebra.

Por outro lado, "pelo menos 74 crianças foram mortas e 44 feridas desde 26 de março", segundo um porta-voz do Fundo da ONU para a Infância (UNICEF), Christophe Boulierac, acrescentando que um milhão de crianças não pode ir à escola devido ao conflito.

Pessoal da UNICEF está no terreno para tentar determinar as circunstâncias dessas mortes, prosseguiu o porta-voz, afirmando que o número avançado diz respeito a "vítimas diretas de armas" e vítimas de "consequências indiretas do conflito", como a falta de água potável e material médico.

O conflito no Iémen acentuou-se em fevereiro com a tomada da capital, Sanaa, pelas milícias xiitas huthis, aliadas do ex-presidente Ali Abdallah Saleh e apoiadas pelo Irão, a consequente fuga do Presidente, Abd Rabbo Mansur Hadi, para a segunda cidade do país, Aden, e, perante o avanço dos rebeldes, para a Arábia Saudita. 

O avanço dos rebeldes tem enfrentado a resistência dos combatentes dos comités populares leais ao atual Presidente e, desde 26 de março, de uma coligação de países árabes liderada pela Arábia Saudita. 

Segundo uma porta-voz da Cruz Vermelha em Sanaa, Marie-Claire Feghali, a situação humanitária no país é "muito crítica" e, em Aden, onde se registam violentos combates todos os dias, "catastrófica".

O país, explicou a porta-voz, "importa 90% dos produtos alimentares" e, com o conflito, as ligações aéreas e marítimas foram cortadas e as infraestruturas estão fortemente danificadas.

"O mínimo que podemos dizer é que a situação é catastrófica" em Aden, onde "a guerra se instalou em todos os cantos da cidade", "falta comida, água e eletricidade" e cujos 800 mil habitantes "não conseguem sequer fugir".

"Os cadáveres ficam por vezes abandonados nas ruas, ninguém se aventura a ir retirá-los", disse.

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.