sicnot

Perfil

Mundo

Mário Jardel afasta-se temporariamente da política devido a "ameaças de morte"

O ex-futebolista Mário Jardel decidiu afastar-se temporariamente da vida política depois de ter recebido "ameaças de morte", anunciou hoje o seu chefe de gabinete

Eleito deputado estadual do Rio Grande do Sul, ao conseguir 41.227 votos em outubro, o antigo jogador de FC Porto e Sporting solicitou uma licença por suposta depressão depois de ter discutido com vários membros do Partido Social Democrata (PSD), pelo qual foi eleito, por ter prescindido dos serviços de 17 dos 21 membros que integravam o seu gabinete. (Arquivo)

Eleito deputado estadual do Rio Grande do Sul, ao conseguir 41.227 votos em outubro, o antigo jogador de FC Porto e Sporting solicitou uma licença por suposta depressão depois de ter discutido com vários membros do Partido Social Democrata (PSD), pelo qual foi eleito, por ter prescindido dos serviços de 17 dos 21 membros que integravam o seu gabinete. (Arquivo)

LUSA

Eleito deputado estadual do Rio Grande do Sul, ao conseguir 41.227 votos em outubro, o antigo jogador de FC Porto e Sporting solicitou uma licença por suposta depressão depois de ter discutido com vários membros do Partido Social Democrata (PSD), pelo qual foi eleito, por ter prescindido dos serviços de 17 dos 21 membros que integravam o seu gabinete. 

"Foi ameaçado de morte por um dos que estavam no seu gabinete. Ou fazia o que eles queriam ou atentariam contra a sua vida", denunciou Cristian Lima à Radio Gaúcha, dando a entender que a alegada depressão foi a desculpa usada para se afastar da assembleia legislativa do seu estado. 

Mário Jardel, que pediu baixa de 10 dias, ainda não se pronunciou sobre o motivo da sua decisão.

Depois de conhecer a decisão de Jardel, o vice-presidente regional do PSD, o também ex-futebolista Danrlei, e que apadrinhou Super Mário no ingresso na política, tornou público um comunicado no qual se desmarca do seu antigo amigo, rompendo todo o tipo de relação, tanto profissional como pessoal.

Danrlei disse não querer relacionar-se mais "com quem conduz o seu mandato e vida da forma como Jardel demonstrou que vai conduzir". 

O chefe de gabinete revelou que Jardel foi obrigado a assinar documentos contra a sua vontade e negou que tivesse abandonado o cargo.

"Apenas limpou o gabinete, pois não estavam a acontecer coisas corretas. Ele continua na política", vincou.

Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.