sicnot

Perfil

Mundo

Quatro soldados tunisinos mortos e seis feridos em emboscada

Quatro soldados tunisinos morreram e seis ficaram feridos, esta terça-feira, numa emboscada na região de Kasserine, uma zona de atividade de 'jihadistas' no centro-oeste do país, anunciou a televisão tunisina, citando o ministério da Defesa.

o ataque ocorreu na zona da cidade de Sbeitla e perto do monte Mhgilla. Vários 'media' tunisinos indicaram, sem citar fontes, que os militares foram atingidos por uma granada de morteiro. (Arquivo)

o ataque ocorreu na zona da cidade de Sbeitla e perto do monte Mhgilla. Vários 'media' tunisinos indicaram, sem citar fontes, que os militares foram atingidos por uma granada de morteiro. (Arquivo)

© Anis Mili / Reuters

"Quatro soldados morreram como mártires e seis ficaram feridos numa emboscada contra uma patrulha militar em Sbeitla, de acordo com o porta-voz do ministério da Defesa", anunciaram as cadeias estatais de televisão Wataniya 1 e 2. 

Um balanço anterior referia a existência de três mortos e seis feridos. 

A agência noticiosa francesa AFP tentou contactar, sem êxito, o ministério da Defesa e nenhuma informação foi dado sobre as circunstâncias da emboscada. 

Uma fonte militar disse à AFP que o ataque ocorreu na zona da cidade de Sbeitla e perto do monte Mhgilla. Vários 'media' tunisinos indicaram, sem citar fontes, que os militares foram atingidos por uma granada de morteiro. 

A região de Kasserine, junto à fronteira com a Argélia, é palco de confrontos armados regulares entre 'jihadistas' e forças tunisinas. 

Desde dezembro de 2012, cerca de 60 polícias, guardas e soldados morreram em emboscadas ou em explosões de minas. A maioria morreu naquela região. 

Em julho passado, 14 soldados morreram numa emboscada no monte Chaambi, um maciço na fronteira com a Argélia, considerado a principal base recuada dos rebeldes 'jihadistas'. 

O grupo armado ativo na zona é a Falange Okba ibn Nafaa, ligado à Al-Qaida. De acordo com as autoridades, este movimento foi responsável pelo ataque contra o museu do Bardo, a 18 de março, em Tunes. Mas foi um outro grupo, ligado ao movimento extremista 'Estado Islâmico' (EI), que reivindicou o atentado. 

No final do mês passado, a Tunísia anunciou ter matado o argelino Abu Sakhr, o homem que considerava o chefe do Okba ibn Nafaa e organizador do ataque ao Bardo, no qual morreram 21 turistas estrangeiros e um polícia tunisino. 

A Tunísia depara-se, desde a revolução de 2011, com o desenvolvimento de grupos 'jihadistas' armados cada vez mais violentos. 

Cerca de três mil tunisinos saíram do país para combater nas fileiras de grupos radicais na Síria e no Iraque. Perto de 500 destes combatentes regressaram à Tunísia, sendo considerados pelas autoridades uma das principais ameaças à segurança do país. 

Três semanas depois do atentado ao museu do Bardo, a França prometeu "uma cooperação exemplar" em matéria de segurança, económica e cultural, com a jovem democracia tunisina. 

A promessa foi feita pelo presidente françês, François Hollande, durante a visita do homólogo tunisino, Béji Caid Essebsi, que começou hoje. 

"Os nossos dois países estão lado a lado para responder aos desafios", afirmou Hollande, durante uma conferência de imprensa comum. 

Hollande limitou-se a falar em "trocas de informações", no reforço da cooperação para garantir a segurança da fronteira tunisina, vizinha da Líbia, prometendo que a França seria "o embaixador da Tunísia na Europa" para mobilizar o apoio da UE.

Primeiro presidente eleito democraticamente, Essebsi lembrou que a Tunísia, pioneira das "primaveras árabes", era um país "em vias de democratização". 

A França é o primeiro parceiro comercial da Tunísia e o primeiro investidor estrangeiro. Cerca de 1.300 empresas francesas, que empregam mais de 125 mil pessoas, estão a operar na Tunísia.
Lusa
  • Morto líder do principal grupo jihadista tunisino

    Mundo

    O líder do principal grupo 'jihadista' tunisino, Abu Sakhr Lokmane, acusado de ter executado o ataque de 18 de março contra o Museu do Bardo, foi morto no sábado por forças tunisinas, anunciou o primeiro-ministro da Tunísia, Habib Essid.

  • Marcha contra o terrorismo na Tunísia junta milhares de pessoas
    2:33

    Mundo

    Milhares de pessoas participaram este domingo, na capital da Tunísia, numa marcha contra o terrorismo. A manifestação realizou-se uma semana depois do ataque ao museu do Bardo, que provocou 24 mortos, 21 dos quais eram turistas estrangeiros. Vários líderes internacionais estiveram na marcha, horas depois do Governo ter anunciado a morte do principal responsável pelo atentado.

  • O percurso dos rendimentos de Ronaldo
    3:43

    Desporto

    O Ministério das Finanças espanhol abriu uma investigação a Cristiano Ronaldo, por eventuais irregularides na declaração dos rendimentos da publicidade. A Gestifute, empresa do agente do avançado do Real Madrid, garante que Ronaldo tem os impostos em dia. A investigação aos documentos extraídos da plataforma informática Football Leaks, liderada pela revista alemã Der Spiegel, e da qual faz parte o jornal Expresso, conseguiu traçar o percurso dos rendimentos do melhor jogador do mundo.

  • Fábio Coentrão investigado por suspeita de delitos fiscais
    3:37

    Desporto

    O Ministério Público de Madrid acusou o defesa português Ricardo Carvalho de evasão fiscal e está a investigar Fábio Coentrão por eventuais delitos fiscais. Além dos dois portugueses a justiça acusou ainda o espanhol Xabi Alonso, o argentino Ángel Di María e investiga o colombiano Falcão. As investigações surgem depois da revelação do caso Football Leaks, investigada pelo Expresso e pelo consórcio europeu de jornalistas que tiveram acesso a milhões de documentos.

  • Mais cinco ilhas dos Açores sob aviso vermelho

    País

    O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) elevou esta quarta-feira para vermelho o aviso para as cinco ilhas do grupo central dos Açores, onde no Faial o vento atingiu os 150 quilómetros por hora.

  • Votações sobre o mapa judiciário geram tensão no Parlamento
    2:01

    País

    O momento das votações no Parlamento ficou marcado por alguma tensão. Depois de aprovadas, em comissão, as alterações ao mapa judiciário, o PSD opôs-se a que o diploma fosse votado em plenário, uma vez que não fazia parte da versão inicial do guião de votações. A esquerda acusou os sociais-democratas de terem motivações estritamente políticas e não regimentais.

  • Uma alternativa aos serviços de enfermagem ao domicílio
    7:34
  • As primeiras palavras de um dos sobreviventes da Chapecoense
    0:29
  • Familiares de vítimas procuram destroços do MH370
    1:48

    Voo MH370

    Um grupo de familiares das vítimas do avião das linhas aéreas da Malásia, desaparecido em 2014, procuram destroços do aparelho em Madagáscar. As autoridades malaias estudam a posssibilidade de uma nova operação de buscas.

  • Primeiro-ministro em lágrimas ao reencontrar refugiado que recebeu no Canadá em 2015

    Mundo

    Justin Trudeau desfez-se em lágrimas no reencontro com um refugiado sírio, que ele recebeu no Canadá em 2015. No ano passado, Trudeau recebeu pessoalmente os refugiados no aeroporto, onde foi visto a entregar casacos de inverno aos migrantes. Esta segunda-feira, o primeiro-ministro conheceu algumas das famílias que se estabeleceram no país, numa reunião filmada pela emissora canadiana CBC.