sicnot

Perfil

Mundo

Al-Qaeda oferece ouro a quem capturar ou matar líderes da rebelião no Iémen

A Al-Qaeda na Península Arábica prometeu esta quarta-feira uma recompensa em ouro para quem capturar ou matar o ex-Presidente iemenita Ali Abdallah Saleh e o líder da rebelião xiita Abdel Malek al-Huthi, símbolos "do mal no Iémen".

Arquivo

Arquivo

© Khaled Abdullah Ali Al Mahdi

Numa mensagem hoje divulgada, a Al-Qaeda na Península Arábica (AQPA), braço saudita-iemenita da rede terrorista, prometeu "20 quilos em ouro para quem matar ou capturar" um dos dois homens, suspeitos de terem ligações com o Irão, país de maioria xiita, para tentar controlar o poder no Iémen.  

Esta oferta destina-se "a recompensar os corajosos 'mujahidine'[combatentes]" na sua luta contra "a expansão xiita iraniana no Iémen através das milícias do ex-Presidente Ali Saleh e dos seguidores no seio do grupo rebelde xiita dos 'huthis'", acrescentou a AQPA, que também divulgou fotografias dos dois homens. 

O anúncio da AQPA é feito ao 14.º dia de uma ofensiva militar conduzida por uma aliança internacional, liderada pela Arábia Saudita (sunita), no território iemenita.

A ofensiva tem como objetivo travar o avanço das milícias xiitas 'huthis' no território iemenita e dos seus aliados, militares que continuam fiéis ao ex-Presidente Saleh (no poder entre 1978 e 2012).

A coligação integra ainda o Bahrein, Egito, Emirados Árabes Unidos, Jordânia, Kuwait, Marrocos, Qatar, Paquistão e Sudão.

A AQPA, considerada por Washington como o braço mais perigoso da rede extremista sunita, é muito ativa nas regiões sul e sudeste do Iémen.

O conflito no Iémen acentuou-se em fevereiro último com a tomada da capital, Sanaa, pelas milícias 'huthis', e a consequente fuga do Presidente, Abd Rabbo Mansur Hadi, para a segunda cidade do país, Aden, e, perante o avanço dos rebeldes, para a Arábia Saudita. 

A par da coligação, o avanço dos rebeldes tem enfrentado a resistência dos combatentes dos 'comités populares' leais ao atual Presidente Hadi.

Os combates das últimas semanas no Iémen fizeram pelo menos 643 mortos e 2.226 feridos, divulgou hoje a Organização Mundial de Saúde (OMS).
Lusa
  • Conflito no Iémen já fez mais de 540 mortos
    2:11

    Mundo

    A situação no Iémen é catastrófica. Cruz Vermelha, Organização Mundial de Saúde e Unicef dizem que mulheres e crianças são a maioria das vítimas do conflito entre os rebeldes Houthi e as forças apoiadas pela aviação da coligação árabe. Os últimos dados contabilizam 540 mortos, 1700 feridos e cem mil refugiados.

  • Constitucional chumba algumas normas da lei de barrigas de aluguer

    País

    O Tribunal Constitucional chumbou algumas normas do acórdão sobre as barrigas de aluguer. De acordo com o Expresso, a decisão já foi comunicada à Assembleia da República. A obrigatoriedade da regulamentação da lei ser feita pelo Parlamento e não pelo Governo terá sido unânime.

  • Marcelo já sabia da substituição do embaixador de Angola
    4:00

    País

    O Presidente da República sabia há bastante tempo da substituição do embaixador de Angola em Lisboa e já tinha aprovado o nome do futuro representante de Luanda. A revelação foi feita, esta terça-feira, por Marcelo Rebelo de Sousa, numa conversa exclusiva com a SIC no Palácio de Belém. O Presidente contou ainda que não vai enviar recados ao Governo nem aos partidos no discurso de 25 abril que vai fazer na Assembleia da República.

    Exclusivo SIC

  • A história do bebé que continua a lutar pela vida depois do tribunal ter desligado as máquinas

    Mundo

    Alfie Evans sofre de uma doença cerebral degenerativa. A sua condição levou o caso à justiça e, depois de uma batalha judicial entre os pais e o hospital, os juízes determinaram que as máquinas do suporte artificial de vida fossem desligadas. Apesar de os aparelhos terem sido desligados na segunda-feira à noite, segundo os pais, a criança de 23 meses continua a lutar pela vida, respirando sozinha.

    SIC

  • O vestido de noiva de Megan Markle
    1:17
  • O recado de Donald Trump à Coreia do Norte 

    Mundo

    O Presidente norte-americano, Donald Trump, exortou Pyongyang a eliminar todo o seu arsenal nuclear, precisando o que queria dizer exatamente ao apelar para a "desnuclearização" do regime totalitário, antes de uma aguardada cimeira com o líder norte-coreano.

  • Pato em excesso de velocidade faz disparar radar numa estrada suíça
    1:31