sicnot

Perfil

Mundo

Al-Qaeda oferece ouro a quem capturar ou matar líderes da rebelião no Iémen

A Al-Qaeda na Península Arábica prometeu esta quarta-feira uma recompensa em ouro para quem capturar ou matar o ex-Presidente iemenita Ali Abdallah Saleh e o líder da rebelião xiita Abdel Malek al-Huthi, símbolos "do mal no Iémen".

Arquivo

Arquivo

© Khaled Abdullah Ali Al Mahdi

Numa mensagem hoje divulgada, a Al-Qaeda na Península Arábica (AQPA), braço saudita-iemenita da rede terrorista, prometeu "20 quilos em ouro para quem matar ou capturar" um dos dois homens, suspeitos de terem ligações com o Irão, país de maioria xiita, para tentar controlar o poder no Iémen.  

Esta oferta destina-se "a recompensar os corajosos 'mujahidine'[combatentes]" na sua luta contra "a expansão xiita iraniana no Iémen através das milícias do ex-Presidente Ali Saleh e dos seguidores no seio do grupo rebelde xiita dos 'huthis'", acrescentou a AQPA, que também divulgou fotografias dos dois homens. 

O anúncio da AQPA é feito ao 14.º dia de uma ofensiva militar conduzida por uma aliança internacional, liderada pela Arábia Saudita (sunita), no território iemenita.

A ofensiva tem como objetivo travar o avanço das milícias xiitas 'huthis' no território iemenita e dos seus aliados, militares que continuam fiéis ao ex-Presidente Saleh (no poder entre 1978 e 2012).

A coligação integra ainda o Bahrein, Egito, Emirados Árabes Unidos, Jordânia, Kuwait, Marrocos, Qatar, Paquistão e Sudão.

A AQPA, considerada por Washington como o braço mais perigoso da rede extremista sunita, é muito ativa nas regiões sul e sudeste do Iémen.

O conflito no Iémen acentuou-se em fevereiro último com a tomada da capital, Sanaa, pelas milícias 'huthis', e a consequente fuga do Presidente, Abd Rabbo Mansur Hadi, para a segunda cidade do país, Aden, e, perante o avanço dos rebeldes, para a Arábia Saudita. 

A par da coligação, o avanço dos rebeldes tem enfrentado a resistência dos combatentes dos 'comités populares' leais ao atual Presidente Hadi.

Os combates das últimas semanas no Iémen fizeram pelo menos 643 mortos e 2.226 feridos, divulgou hoje a Organização Mundial de Saúde (OMS).
Lusa
  • Conflito no Iémen já fez mais de 540 mortos
    2:11

    Mundo

    A situação no Iémen é catastrófica. Cruz Vermelha, Organização Mundial de Saúde e Unicef dizem que mulheres e crianças são a maioria das vítimas do conflito entre os rebeldes Houthi e as forças apoiadas pela aviação da coligação árabe. Os últimos dados contabilizam 540 mortos, 1700 feridos e cem mil refugiados.

  • SIC faz-se à estrada para ouvir eleitores
    2:13
  • Furacão Maria ameaça Ilhas Virgens e Porto Rico

    Mundo

    O furacão Maria "potencialmente catastrófico" está a ameaçar as Ilhas Virgens e o Porto Rico, depois de esta terça-feira ter semeado a destruição na Dominica e provocado um morto e dois desaparecidos na ilha francesa de Guadalupe.

  • Pistolas Nerf podem causar graves lesões nos olhos

    Mundo

    As balas das pistolas Nerf, quando atingem os olhos, podem causar graves lesões. O aviso é de um grupo de médicos de Londres, que recomenda a utilização de óculos protetores e o aumento da idade mínima para a utilização dos brinquedos.

    SIC

  • Investigadores descobrem como transformar gordura "má" em gordura "boa"

    Mundo

    Uma equipa de investigadores da Universidade de Washington, Estados Unidos, descobriu como converter a gordura corporal "má" em gordura "boa", permitindo queimar mais calorias e atrasar o aumento de peso, num estudo conduzido em ratos. Estes resultados abrem caminho para a possibilidade de desenvolver tratamentos mais eficazes para a obesidade e para a diabetes associada ao aumento de peso em pessoas, segundo os autores.

  • Escola na Croácia usa imagem de Melania Trump para chamar alunos

    Mundo

    "Imagine até onde pode ir com um pouco de inglês", foi com estas palavras que uma escola de inglês da Croácia decidiu promover as suas aulas, juntando ainda a fotografia de Melania Trump ao placard do anúncio. Agora, a primeira-dama norte-americana ameaça levar o Instituo Americki a tribunal. Entretanto, o placard já foi retirado do local.

    SIC