sicnot

Perfil

Mundo

Coordenador do conselho de cardeais do Vaticano diz que "divórcio é um fracasso"

O coordenador do conselho de cardeais do Vaticano disse esta quarta-feira que o "divórcio não é um projeto, é um fracasso" e afirmou que a discussão sobre o tema é mais profunda do que o poder ou não comungar.

"O divórcio não é um projeto, é um fracasso. Queira-se ou não se queira. Agora, que a pessoa procure de outra maneira arranjar esse fracasso estou de acordo porque ninguém pode estar condenado a algo que não serviu", disse o cardeal hondurenho. (Arquivo)

"O divórcio não é um projeto, é um fracasso. Queira-se ou não se queira. Agora, que a pessoa procure de outra maneira arranjar esse fracasso estou de acordo porque ninguém pode estar condenado a algo que não serviu", disse o cardeal hondurenho. (Arquivo)

Gregorio Borgia / AP

O também presidente da Cáritas Internacional, Oscar Maradiaga, declarou, em resposta a uma questão sobre a comunhão de pessoas divorciadas durante um encontro no âmbito do evento "Terra Justa", em Fafe, que o "problema principal é que há todo um compromisso diante de Deus quando se contrai o sacramento".

"O divórcio não é um projeto, é um fracasso. Queira-se ou não se queira. Agora, que a pessoa procure de outra maneira arranjar esse fracasso estou de acordo porque ninguém pode estar condenado a algo que não serviu", disse o cardeal hondurenho.

Para Oscar Maradiaga é necessária uma melhor preparação para o casamento, lamentando que se "improvise de uma maneira tremenda".

"Pode-se receber um sacramento sem fé? É uma pergunta teológica e é muito profunda. [Há] pessoas que querem contrair matrimónio porque é muito bonita a cerimónia, o vestido e todas essas coisas", questionou o cardeal.

Maradiaga recordou casos a que assistiu pessoalmente de homens que ameaçavam os eventuais genros com armas por terem engravidado as filhas e questionou mais uma vez: "Podemos dizer que aí houve um sacramento só porque a noiva estava grávida?"

"Todos nos damos conta de que aí não houve um sacramento. Sem liberdade não se pode receber um sacramento. Damo-nos conta de que a pastoral requer que tenhamos mais proximidade com as pessoas para sabermos se isso funcionou como sacramento ou se foi simplesmente um ritual vazio", disse o presidente da Cáritas Internacional.

Oscar Maradiaga resumiu, dando o exemplo de alguém que se casou uma primeira vez, divorciou-se e passou a ter uma nova relação: "Qual será o sacramento? O que não funcionou ou este onde há fidelidade? É uma temática muito mais profunda do que só dizer 'vais comungar' ou 'não vais comungar'".

Lusa
  • Menos divórcios entre 2008 e 2012
    0:45

    País

    Há cada vez menos divórcios em Portugal, foram menos 30 mil nos últimos quatro anos. A crise deixou muitos casais sem dinheiro para as despesas e há cada vez menos casamentos.

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.