sicnot

Perfil

Mundo

Ministro da Reconciliação sírio defende operação militar em campo de refugiados

O ministro da Reconciliação sírio, Ali Haidar, afirmou hoje que "é necessária uma solução militar" para expulsar o grupo extremista Estado Islâmico do campo de refugiados palestinianos de Yarmuk, no sul de Damasco.

Campo de refugiados palestinianos a sul de Damasco

Campo de refugiados palestinianos a sul de Damasco

© Stringer . / Reuters

"A prioridade agora é expulsar e derrotar os militantes e terroristas no campo. Nas atuais circunstâncias, é necessária uma solução militar", disse. 

O ministro falava à imprensa em Damasco depois de uma reunião com um representante da Organização para a Libertação da Palestina (OLP), Ahmed Mashdalani, que viajou da Cisjordânia para conversações de emergência sobre a situação no campo.

Militantes do grupo radical atacaram Yarmuk a 01 de abril e tomaram vastas áreas do campo, executando os palestinianos que tentaram resistir. 

A presença dos 'jihadistas' em Yarmuk suscitou forte preocupação internacional pela situação dos residentes, que já tiveram de suportar bombardeamentos repetidos e um cerco do exército sírio de mais de ano e meio devido à presença de grupos da oposição ao regime.

Antes da guerra na Síria, residiam no campo cerca de 160.000 pessoas, mas atualmente o número de residentes é de cerca de 18.000. 

O Governo sírio e a população da capital inquietam-se igualmente pela presença de combatentes do grupo radical a poucos quilómetros do centro de Damasco.



Lusa
  • Quando se confunde o pedal do travão com o acelerador
    0:38

    Mundo

    Na China, chegam imagens de um acidente fora do normal. Um homem parou o carro e saiu para cumprimentar um amigo. Enquanto conversavam, a viatura começou a descair lentamente. O condutor correu de imediato para o carro. Com as mãos já no volante, tentou evitar o pior mas em vez de carregar no travão, carregou no acelerador.

  • Parkinson pode ter início nos intestinos

    Mundo

    Um novo estudo científico vem revelar que a doença de Parkinson pode não estar apenas no cérebro. A doença pode ter início nos intestinos e mais tarde migrar para o cérebro.