sicnot

Perfil

Mundo

Ministro da Reconciliação sírio defende operação militar em campo de refugiados

O ministro da Reconciliação sírio, Ali Haidar, afirmou hoje que "é necessária uma solução militar" para expulsar o grupo extremista Estado Islâmico do campo de refugiados palestinianos de Yarmuk, no sul de Damasco.

Campo de refugiados palestinianos a sul de Damasco

Campo de refugiados palestinianos a sul de Damasco

© Stringer . / Reuters

"A prioridade agora é expulsar e derrotar os militantes e terroristas no campo. Nas atuais circunstâncias, é necessária uma solução militar", disse. 

O ministro falava à imprensa em Damasco depois de uma reunião com um representante da Organização para a Libertação da Palestina (OLP), Ahmed Mashdalani, que viajou da Cisjordânia para conversações de emergência sobre a situação no campo.

Militantes do grupo radical atacaram Yarmuk a 01 de abril e tomaram vastas áreas do campo, executando os palestinianos que tentaram resistir. 

A presença dos 'jihadistas' em Yarmuk suscitou forte preocupação internacional pela situação dos residentes, que já tiveram de suportar bombardeamentos repetidos e um cerco do exército sírio de mais de ano e meio devido à presença de grupos da oposição ao regime.

Antes da guerra na Síria, residiam no campo cerca de 160.000 pessoas, mas atualmente o número de residentes é de cerca de 18.000. 

O Governo sírio e a população da capital inquietam-se igualmente pela presença de combatentes do grupo radical a poucos quilómetros do centro de Damasco.



Lusa
  • Incêndio de Setúbal "quase dominado"
    4:04

    País

    O incêndio que deflagrou segunda-feira em Setúbal está "quase dominado", segundo informações da presidente da Câmara. Maria das Dores Meira diz que não há feridos a registar e que os habitantes já vão regressando a casa. Para ajudar no combate ao fogo foram enviados meios de Lisboa.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.