sicnot

Perfil

Mundo

Ministro da Reconciliação sírio defende operação militar em campo de refugiados

O ministro da Reconciliação sírio, Ali Haidar, afirmou hoje que "é necessária uma solução militar" para expulsar o grupo extremista Estado Islâmico do campo de refugiados palestinianos de Yarmuk, no sul de Damasco.

Campo de refugiados palestinianos a sul de Damasco

Campo de refugiados palestinianos a sul de Damasco

© Stringer . / Reuters

"A prioridade agora é expulsar e derrotar os militantes e terroristas no campo. Nas atuais circunstâncias, é necessária uma solução militar", disse. 

O ministro falava à imprensa em Damasco depois de uma reunião com um representante da Organização para a Libertação da Palestina (OLP), Ahmed Mashdalani, que viajou da Cisjordânia para conversações de emergência sobre a situação no campo.

Militantes do grupo radical atacaram Yarmuk a 01 de abril e tomaram vastas áreas do campo, executando os palestinianos que tentaram resistir. 

A presença dos 'jihadistas' em Yarmuk suscitou forte preocupação internacional pela situação dos residentes, que já tiveram de suportar bombardeamentos repetidos e um cerco do exército sírio de mais de ano e meio devido à presença de grupos da oposição ao regime.

Antes da guerra na Síria, residiam no campo cerca de 160.000 pessoas, mas atualmente o número de residentes é de cerca de 18.000. 

O Governo sírio e a população da capital inquietam-se igualmente pela presença de combatentes do grupo radical a poucos quilómetros do centro de Damasco.



Lusa
  • Elemento dos Super Dragões com medida de coação mais gravosa
    1:37

    Desporto

    Os seis arguidos da Operação Jogo Duplo, que investiga crimes de corrupção e viciação de resultados na II Liga de futebol, saíram em liberdade. A medida de coação mais gravosa é para um membro da claque Super Dragões, que terá de pagar uma caução de 5 mil euros.

  • Mais de 120 pessoas infetadas com hepatite A
    2:23

    País

    O surto de hepatite A já infetou 128 pessoas, 60 das quais estão internadas em hospitais de Lisboa e Coimbra. A Direção-Geral da saúde recomenda a vacinação apenas aos familiares dos doentes. Apesar de não haver ruptura de stocks, há farmácias que não têm vacinas.

  • Sobreviventes de Mossul relatam mutilações e execuções do Daesh
    1:32