sicnot

Perfil

Mundo

Quase metade dos jihadistas europeus na Síria e no Iraque são franceses

Quase metade dos europeus que integram as fileiras 'jihadistas' na Síria e no Iraque são franceses, revela um relatório divulgado esta quarta-feira, precisando que o número de cidadãos franceses que partiram para estes territórios ronda os 1500. 

O relatório, da responsabilidade do Senado francês, refere que este número de saídas representa um aumento de 84% em relação a janeiro de 2014. (Arquivo)

O relatório, da responsabilidade do Senado francês, refere que este número de saídas representa um aumento de 84% em relação a janeiro de 2014. (Arquivo)

AP

O relatório, da responsabilidade do Senado francês, refere que este número de saídas representa um aumento de 84% em relação a janeiro de 2014. 

Na apresentação do relatório intitulado "As redes 'jihadistas' em França e na Europa", o senador Jean-Pierre Sueur sublinhou que entre os cerca de 3 mil 'jihadistas' europeus identificados nas regiões controladas pelo grupo extremista Estado Islâmico (EI), quase metade, cerca de 47%, são cidadãos franceses.

O senador admitiu que nem todos os europeus com ligações ao EI estão identificados. 

O mesmo documento revelou que entre os 1432 franceses identificados, 413 estão efetivamente em zonas de combate, incluindo 119 mulheres. 

Outros 261 já deixaram as zonas controladas pelos 'jihadistas', dos quais 200 regressaram ao território francês, e outros 85 foram mortos no terreno. Também existe registo de dois cidadãos franceses que estão detidos na Síria.

Segundo o senador Jean-Pierre Sueur, 152 islamitas radicais estão atualmente detidos em França por "associação criminosa com uma rede terrorista". 

Para "prevenir a radicalização", o relatório do Senado francês recomenda "o estabelecimento de ações obrigatórias de formação para a deteção de comportamentos de radicalização para todos os elementos no terreno", ações que podem englobar, entre outros intervenientes, professores, conselheiros educacionais, educadores ou magistrados da área do Direito da Família.

O documento sugere igualmente integrar nos programas escolares uma formação específica sobre os conteúdos de radicalização divulgados na Internet. 

Para "melhorar o controlo de fronteiras na União Europeia (UE)", o relatório recomenda também, entre outras medidas, o aumento do policiamento aéreo e a constituição de "um corpo de guardas fronteiriços europeus".

Em Portugal, o Relatório Anual de Segurança Interna (RASI) de 2014, entregue no passado dia 31 de março na Assembleia da República, indicou que existe "uma tendência de participação" de alguns portugueses em atividades de redes terroristas como combatentes e no recrutamento e encaminhamento de elementos para a Síria e Iraque.

"A região síria-iraquiana confirmou-se em 2014 como principal palco da 'jihad' internacional, particularmente na sequência da ascensão regional do grupo Estado Islâmico e do elevado contingente oriundo da Europa a combater naquela região, entre os quais se contam alguns cidadãos portugueses e luso-descendentes", referiu então o documento.
Lusa
  • A proposta dos partidos para a redução da dívida
    1:55

    Economia

    O PS e o Bloco de Esquerda querem mais 45 anos para pagar as dívidas à UE e juros mais baixos. As medidas fazem parte da proposta para a redução da dívida pública. No relatório que será enviado ao Governo, não é pedido perdão da dívida como os partidos da esquerda chegaram a defender.

  • Ministros de Governos de Sócrates ouvidos pelo Ministério Público
    1:54
  • Suspeito de atropelamento mortal fala de acidente 
    2:00
  • "Têm um verdadeiro amigo na Casa Branca"

    Mundo

    O Presidente norte-americano reafirmou esta sexta-feira o apoio ao direito de porte de armas no país, sublinhando, numa convenção daquele 'lobby', que "o ataque de oito anos às liberdades consagradas no Artigo 2.º [da Constituição]" terminou.

  • A história de Macron e Brigitte Trogneux, 25 anos mais velha
    1:25

    Eleições França 2017

    A segunda volta das eleições francesas acontece já no próximo dia 7 de maio. Caso Emmanuel Macron seja eleito, o país terá como primeira-dama uma mulher 25 anos mais velha do que o Presidente. Brigitte Trogneux tem 64 anos e Macron 39, conheceram-se no liceu privado de jesuítas, em Amiens. Brigitte era a professora e Macron o aluno. Conheça a história do casal. 

  • Autoridades garantem ter evitado novo ataque terrorista em Londres
    0:59

    Mundo

    A polícia britânica garante que evitou um novo atentado em Londres. Mulher baleada faz parte das oito pessoas que foram detidas numa operação antiterrorista na capital britânica e no sul de Inglaterra. A operação realizou-se após a detenção de um homem com três facas, nas imediações do Parlamento britânico.

  • Presidente da Macedónia convocou reunião de emergência

    Mundo

    O Presidente da Macedónia, Gjorge Ivanov, convocou esta sexta-feira uma reunião de emergência com líderes políticos, após manifestantes, maioritariamente apoiantes da maioria conservadora, invadirem o Parlamento e atacarem deputados da oposição, fazendo 77 feridos.

  • Polícia espanhola divulga imagens de operação anti-jihadista

    Mundo

    A polícia espanhola divulgou esta sexta-feira novas imagens da operação anti-jihadista levada a cabo na terça-feira em Barcelona. Sabe-se agora que dois dos nove suspeitos detidos podem estar relacionados com a célula terrorista de Bruxelas, responsável pelos ataques no Aeroporto de Zaventem e no metro da capital belga.

  • Menina que nasceu com três pernas já corre

    Mundo

    Uma criança do Bangladesh que cresceu com três pernas vai regressar a casa, depois de uma viagem até à Austrália, onde foi operada para retirar o membro a mais. Como resultado de um gémeo que não se formou por completo, a criança de três anos nasceu com uma terceira perna na pélvis. Alguns meses após a cirurgia, feita em novembro, a menina já corre.