sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos 20 mortos e 67 feridos num ataque a complexo governamental afegão

Pelo menos 20 pessoas (onze civis, cinco polícias e quatro atacantes) morreram e 67 ficaram feridas num ataque cometido hoje numa área governamental da província de Balkh, no norte do Afeganistão, informaram fontes oficiais.

Vinte mortos e 67 feridos num ataque a complexo governamental afegão

Vinte mortos e 67 feridos num ataque a complexo governamental afegão

Mustafa Najafizada

Cerca das 11:30 locais (08:00 em Lisboa), um grupo de talibãs armados infiltrou-se num complexo de escritórios judiciais da capital provincial, Mazar-e-Sharif, iniciando posteriormente um tiroteio com forças afegãs que se prolongou por seis horas e meia, segundo o chefe de segurança regional, Abdul Khaliq Qaderi.

O ataque terminou pelas 18:20 locais (14:50 em Lisboa) e "os quatro atacantes morreram durante a troca de tiros, tendo cinco polícias perdido também a vida", acrescentou Abdul Qaderi.

Os talibãs, envergando uniforme militar, mataram a tiro os vigilantes que guardavam a entrada do recinto, que alberga o escritório do procurador-geral da província e o Tribunal de Recurso de Balkh.

O chefe do hospital provincial, Khuwaja Noor Mohammad Faiz, declarou à agência noticiosa Efe ter recebido os 16 cadáveres mas não os corpos dos quatro atacantes, e afirmou ter atendido 67 feridos.

"A maioria dos mortos e feridos são civis, incluindo mulheres e crianças, e dezenas de feridos estão em estado crítico", acrescentou Faiz.

O ataque teve lugar numa hora de grande movimento, pelo que o edifício estava cheio de trabalhadores e civis que ali se deslocavam para apresentar os seus casos nas dependências judiciais, localizadas a poucos metros do escritório do procurador-geral.

Em comunicado, o Ministério do Interior referiu-se a cinco atacantes e assegurou que todos os trabalhadores e visitantes haviam sido retirados do edifício.

Os talibãs reivindicaram a autoria do ataque, em que o "inimigo" sofreu pesadas baixas, afirmou o porta-voz do grupo insurgente, Zabihullah Mujahid, na rede social Twitter.

Os atentados em Balkh são menos comuns do que noutras províncias afegãs, apesar de existir atividade insurgente nas áreas rurais.

Em 2014, a NATO pôs fim à sua missão de combate no Afeganistão, a ISAF, que foi substituída em janeiro pela operação Resolute Support, com cerca de 4.000 soldados em tarefas de assistência e capacitação dos corpos de segurança afegãos.

Já os Estados Unidos continuaram a sua missão "antiterrorista" no país islâmico com 9.800 soldados, que vão permanecer no terreno até final deste ano.

Lusa
  • Jovem que morreu numa estância de esqui em Espanha sofreu um aneurisma
    1:26
  • Cunhado do Rei de Espanha em liberdade sem caução

    Mundo

    Inaki Urdangarin vai mesmo aguardar o desenrolar do recurso em liberdade na Suíça, onde o marido da Infanta Cristina tem residência oficial e onde terá de se apresentar às autoridades uma vez por mês, para além de estar obrigado a comunicar qualquer deslocação fora da Europa. De fora fica ainda o pagamento da caução de 200 mil euros pedida pelo Ministério Público espanhol.

  • Três letras de Zeca Afonso

    Cultura

    No dia em que se assinalam 30 anos da morte de Zeca Afonso, Raquel Marinho, jornalista da SIC e divulgadora de poesia portuguesa contemporânea, escolhe três letras do cantor e autor para dizer, em forma de homenagem.

    Raquel Marinho

  • Compensa comprar a granel?
    8:39
  • "Isto é uma mentira e tem carimbo de Estado"
    2:12

    Opinião

    O preço das botijas de gás em Portugal duplicou nos últimos 15 anos. José Gomes Ferreira esteve no Jornal da Noite, da SIC, onde explicou este aumento, lembrando que a classe política prometeu que se houvesse mais empresas a operar no mercado, os preços desciam. Contudo, José Gomes Ferreira diz que "isto é uma mentira e tem carimbo de Estado". O Diretor-Adjunto de Informação SIC explicou que como o mercado é livre, os operadores vendem aos preços mais altos que podem, deste modo os preços não variam muito entre uns e outros.

    José Gomes Ferreira