sicnot

Perfil

Mundo

Três mortos em tiroteio num tribunal de Milão

Pelo menos três pessoas morreram e uma ficou ferida esta manhã durante um tiroteio num tribunal de Milão, em Itália. Duas das vítimas são um juiz e um procurador. O atirador, de cerca de 50 anos, já foi detido pela polícia.

© Stefano Rellandini / Reuters

© Stefano Rellandini / Reuters

O homem estava no Palácio da Justiça de Milão, acusado num processo de falência fraudulenta. Depois de disparar vários tiros, barricou-se numa sala do edifício e acabou por fugir de moto.

Foi capturado mais tarde pelas autoridades noutra zona da cidade de Milão.

O edifício do palácio da Justiça foi totalmente evacuado e no local está ainda um forte dispositivo policial e várias ambulâncias.

A imprensa italiana identifica o atirador como Claudio Giardiello, acusado de falência fraudulenta.

"De repente ouvimos três ou quatro tiros", disse um advogado, Marcello Ilia, à agência France Presse.

"Tentámos perceber o que estava a acontecer. De repente havia imensos agentes da polícia que nos disseram para não abandonarmos a sala, fecharam-nos lá", acrescentou.

"Passados alguns minutos, saímos. Disseram-nos que alguém, de fato e gravata, estava armado dentro do edifício", acrescentou.

O Palácio da Justiça situa-se no centro histórico de Milão (norte de Itália).


Com Lusa
  • Chuva, vento, granizo e neve em 13 distritos
    1:42

    País

    Treze distritos do continente estão sob aviso amarelo devido ao mau tempo, com previsão de chuva, granizo e neve. O vento forte faz-se sentir em especial nos distritos de Beja, Faro e Setúbal.

  • Mais de 50 detidos pela GNR em 12 horas

    País

    A GNR fez 51 detenções entre as 20:00 de sábado e as 08:00 de hoje, 39 das quais por condução sob efeito do álcool ou sem carta, e três por violência doméstica, segundo um comunicado hoje divulgado.

  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
  • Trump diz que Obamacare vai "colapsar"

    Mundo

    O Presidente norte-americano tentou desvalorizar a derrota política sofrida na sexta-feira no Congresso, ao desistir da revogação da lei de saúde pública do seu antecessor, conhecida como Obamacare, afirmando que esta vai colapsar por si mesma.