sicnot

Perfil

Mundo

Tribunal egípcio decide condenação à morte de líder da Irmandade Muçulmana no sábado

Um tribunal do Cairo vai anunciar no sábado o veredito final sobre a condenação à morte do líder da Irmandade Muçulmana, Mohamed Badie, e de 21 outros membros do movimento, ilegalizado no final de 2013.   

© Asmaa Waguih / Reuters

As sentenças, anunciadas em 16 de março, foram pronunciadas por diversos tribunais. Num primeiro caso, 14 dirigentes da confraria -- considerada "organização terrorista" pelas autoridades após o derrube e detenção do Presidente islamita Mohamed Morsi pelos militares em 3 de julho de 2013 -- foram condenados à morte por "planificação de recurso à força contra o Estado".  

As condenações à morte têm-se sucedido no Egito após a destituição de Morsi pelo então chefe de estado-maior das Forças Armadas, general Abdel Fatah Al-Sisi, entretanto eleito presidente em eleições fortemente vigiadas. 

Em simultâneo, a sangrenta repressão contra a Irmandade Muçulmana -- expressa no massacre de 14 de agosto de 2013, quando centenas de manifestantes foram abatidos no Cairo pelas forças militares e policiais -- foi-se alargando às correntes laicas que estiveram na vanguarda da revolução que em fevereiro de 2011 derrubou o líder autocrático Hosni Mubarak. 

Enquanto os dirigentes e membros dos islamitas, ou de outras correntes da oposição, também rivais dos islamitas, eram condenados, Mubarak tem vindo a ser ilibado nos sucessivos julgamentos em que tem comparecido. 

A decisão do tribunal terá ainda de passar pelo "crivo" do Al-Azhar, a máxima autoridade sunita do país, para uma opinião meramente consultiva. Por tradição, é sempre pedido um parecer a esta instituição religiosa quando se pronuncia uma sentença de morte. 

Em 7 de março, pela primeira vez desde o golpe de julho de 2013, o Egito enforcou um apoiante de Morsi acusado de violência em Alexandria, norte do país. 

Mohamed Badie, 71 anos, já foi condenado à morte num outro processo por violência e ainda por quatro vezes a prisão perpétua em outros processos. Na prisão, está acompanhado por numerosos altos dirigentes da Irmandade, incluindo o seu adjunto Khairat al-Chater e o ex-presidente do parlamento, Saad al-Katatni.

O poder tem sido acusado com frequência, incluindo por diversas ONG, de instrumentalizar a justiça na sua repressão. Centenas de partidários de Morsi já foram condenados à morte, muitos à revelia, em processos quase diários. 

A Amnistia Internacional (AI) estima entre 16.000 e 40.000 o número de detidos, pelo menos 1.500 mortos na repressão aos protestos e um "aumento alarmante" do número de condenações à morte. 

Apesar de a detenção administrativa estar juridicamente suprimida no Egito, dezenas de milhares de pessoas permanecem na prisão há mais de um ano, com atas de acusação na maioria fictícias. 

Na quarta-feira, o procurador egípcio anunciou o início de mais um julgamento de 400 apoiantes da Irmandade acusados de "violência", incluindo a morte de dois polícias em 2013. 

A repressão generalizada desencadeada pelas atuais autoridades egípcias após a tomada do poder pelo general Sisi contribuiu em paralelo para a radicalização interna, com um aumento exponencial do número de atentados e o reforço de organizações 'jihadistas', em particular na península do Sinai. 

A natureza securitária e militar do regime egípcio também se revela na forma como lida com as ONG, instituições internacionais, ou os 'media'. Assim, e como sucedeu com a delegação da cadeia de televisão árabe Al-Jazira, os seus escritórios podem ser encerrados e os jornalistas desacreditados e detidos quando relatam as numerosas violações dos direitos humanos, sob a acusação de apoio à Irmandade Muçulmana ou de conspirarem contra o Egito. 

No entanto, o atual regime egípcio tem vindo a ser legitimado pelas principais potências. A Rússia, os Estados Unidos ou a França firmaram desde o início de 2015 importantes contratos de venda e armamento ao Cairo. 

Recentemente, George F. Will, um colunista conservador norte-americano do jornal Washington Post, sugeriu mesmo a atribuição do prémio Nobel ao presidente egípcio. Abdel Fatah Al-Sisi foi assim eleito como um aliado decisivo no combate ao 'jihadismo' e ao terrorismo no Médio Oriente. E que justificou o empenho do Cairo em participar na operação militar da Arábia Saudita contra os rebeldes xiitas do Iémen. 

  • Pablo Bravo: o chileno suspeito de um assalto milionário em Gaia
    6:01

    País

    As autoridades receiam um aumento da violência nos assaltos de redes sul-americanas em Portugal, à semelhança do que tem acontecido noutros países europeus. Pablo Bravo é um chileno com um longo cadastro criminal que, em Portugal, é suspeito de um assalto milionário a um hipermercado, em Gaia e, dias depois, foi detido em flagrante, em Paris, a tentar roubar uma loja de relógios de luxo.

    Notícia SIC

  • Obras para as novas instalações da SIC já começaram
    1:54

    País

    As obras do novo estúdio da SIC e SIC Notícias vão começar. A ampliação do edifício do grupo Impresa vai unir os funcionários do grupo num único espaço, com uma área de 750 metros. O Presidente da Câmara de Oeiras entregou esta terça-feira a licença de obra.

  • Cada vez mais pessoas viajam no Carnaval e Páscoa
    3:08

    Economia

    A procura de viagens na altura do Carnaval e Páscoa tem vindo a aumentar e vários destinos já estão esgotados já que muitas pessoas optam por tirar dias de férias nesta altura do ano. Em contagem decrescente, as agências de viagens não têm tido mãos a medir com promoções e ofertas para destinos variados e adequados a várias bolsas.

  • Jovem indiano acorda a caminho do próprio funeral

    Mundo

    Um jovem indiano chocou os seus pais e amigos, depois de acordar no caminho para o seu próprio funeral. No mês antes, Kumar Marewad foi levado para o hospital após ser mordido por um cão de rua, ficando em estado grave.

  • Carro "desgovernado" entra em loja e atropela cliente

    Mundo

    O cliente de um mini-mercado no condado de Bronx, em Nova Iorque, sobreviveu de forma incrível ao impacto de um automóvel que entrou loja adentro. Apesar da violência das imagens, o homem sobreviveu e conseguiu mesmo sair da loja pelo próprio pé até ser transportado para o hospital.

  • Bilhete de desculpas valeu uma bolsa de estudo

    Mundo

    Um jovem chinês ganhou uma bolsa de estudos no valor de 10 mil yuan (cerca de 1.380 euros), depois de danificar acidentalmente um carro de luxo. Isto, porque após os estragos, o jovem deixou um bilhete de desculpas ao dono, assim como todo o dinheiro que tinha com ele, como compensação.

  • Pulseira deixa sentir os movimentos do bebé ainda na barriga da mãe

    Mundo

    A pulseira Fibo permite que os futuros pais (ou mães) consigam sentir os seus filhos a dar pontapés ainda na barriga da mãe. Desenvolvida por um designer de joias da Dinamarca, a pulseira vai transmitir os movimentos do bebé no útero, de modo a que os pais possam partilhar essa experiência da gravidez.