sicnot

Perfil

Mundo

Croata recupera carteira perdida com dinheiro e documentos 14 anos depois

Um croata recebeu recentemente uma encomenda postal que o deixou surpreendido, uma vez que continha uma carteira que o homem tinha perdido há 14 anos mas também os respetivos documentos intactos e uma quantia inesperada em dinheiro.

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

REUTERS

"Não acredito no que aconteceu desde que recebi a encomenda há alguns dias. Pensei que se tratava de uma partida", contou o cinquentenário Ivica Jerkovic, residente em Donja Moticina (leste da Croácia), em declarações ao diário 24 Sata.

O homem perdeu a carteira no mesmo dia em que foi ao banco levantar dinheiro para pagar umas obras em casa. Nesse mesmo dia, Jerkovic esteve com um grupo de amigos numa festa e levou um amigo que adoeceu às urgências.

Passados 14 anos, a encomenda agora recebida por Ivica Jerkovic tinha a carteira, todos os documentos intactos e 1.500 francos suíços (cerca de 1.440 euros), um montante superior aos 440 euros (na época 2.000 marcos alemães) que estavam no interior da carteira na altura do incidente.

O remetente da encomenda postal era anónimo.

"Não podia imaginar um melhor presente de Páscoa. Se comparar este montante com os 2.000 marcos alemães, o remetente enviou-me a quantia, mas também os juros destes 14 anos", afirmou.

Segundo Ivica Jerkovic, quem encontrou a carteira na época teria graves problemas financeiros.

"Suponho que o dinheiro terá salvado essa pessoa, (...) fez depois os cálculos sobre os anos que passaram para me devolver a quantia justa", disse ainda o cinquentenário croata.

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras