sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos seis mortos em atentados suicidas contra a NATO no Afeganistão

Pelo menos seis pessoas, incluindo quatro civis, foram hoje mortas e 16 feridas em dois atentados suicidas no Afeganistão contra colunas militares da NATO em Cabul e Nangarhar (leste), informaram fontes oficiais. 

© Omar Sobhani / Reuters

O primeiro ataque ocorreu quando um condutor suicida dirigiu um carro armadilhado contra uma coluna das tropas internacionais em Jalalabad, capital da província de Nangarhar, referiu um porta-voz da polícia local.  

A explosão, que ocorreu nas imediações da principal base da NATO no leste do país, provocou pelo menos cinco mortos e 12 feridos, transportados para o hospital local.  

Um porta-voz da NATO em Cabul confirmou tratar-se de um "ataque suicida contra as forças da (operação) Apoio Decidido em Jalalabad". 

Os talibãs reivindicaram a autoria do atentado e asseguraram que foram mortos "todos os ocupantes" dos dois veículos das forças internacionais, segundo referiu na sua conta da rede social Twitter o porta-voz do grupo insurgente, Zabihula Muyahid. 

O segundo ataque ocorreu em Cabul quando um bombista suicida ao volante de uma viatura armadilha colidiu com outra coluna miliar da NATO no leste da capital afegã, informou um porta-voz do ministério do Interior. 

"Um soldado da NATO, três civis ficaram feridos e o atacante está morto", precisou. 

O responsável talibã também reivindicou este ataque, e assegurou que dois que veículos foram destruídos e os seus ocupantes mortos. 

A NATO anunciou no final de 2014 o fim da sua missão de combate no Afeganistão (ISAF), substituída desde janeiro pela operação Apoio Decidido, com cerca de 4.000 soldados envolvidos em missões de assistência e recrutamento dos corpos de segurança afegãos. 

Em paralelo, os Estados Unidos prosseguem a sua missão "antiterrorista" no país islâmico com 9.800 soldados, e que deverão prolongar a sua presença para além de 2015. 

Lusa


  • Tiroteio no Mississipi provoca oito mortos
    1:23

    Mundo

    Oito pessoas morreram, incluindo um polícia, depois de um tiroteio no estado norte-americano do Mississipi, nos Estados Unidos da América. O suspeito, um homem de 36 anos, já foi detido, mas as autoridades dizem que ainda é cedo para saber os motivos.

  • Milhares de brasileiros protestam na Praia de Copacabana contra Temer
    3:04
  • "Precisamos de uma melhor zona Euro"
    0:30