sicnot

Perfil

Mundo

Líder islamita do Bangladesh enforcado por crimes cometidos na guerra de 1971

O líder islamita do Bangladesh, Mohammad Kamaruzzaman, foi hoje enforcado em Dacca na primeira execução no país asiático desde dezembro de 2013 por delitos cometidos durante a guerra da independência em 1971. 

© Stringer Bangladesh / Reuters

Após uma semana de expectativa, também com o envio de diversas petições de suspensão da pena, o ex-secretário geral adjunto do hoje ilegalizado partido Jamaat-e-Islami, 62 anos, foi executado antes da meia-noite local perante o júbilo de centenas de manifestantes na capital e as críticas de organizações de direitos humanos, que há muito denunciavam a forma como decorreu o processo. 

Algumas horas antes da execução, o detido tinha recusado solicitar um perdão presidencial, e na tarde de sábado foi visitado pela última vez por cerca de 20 familiares. 

Kamaruzzaman foi o segundo condenado por crimes de guerra a ser executado, após a morte por enforcamento do também dirigente islamita Abdul Quader Mollar no final de 2013. 

O Jamaat-e-Islami apoiou o Paquistão no conflito em que o Bangladesh, antigo Paquistão oriental, optou por se autonomizar e garantir a independência com o apoio da Índia, na sequência de uma guerra com um balanço de cerca de três milhões de mortos.

Lusa

  • Os números das eleições francesas
    0:50

    Eleições França 2017

    Os resultados definitivos mostram que Emmanuel Macron obteve 24% dos votos, na primeira volta das eleições francesas. Ficou quase três pontos à frente de Marine Le Pen, que conseguiu 21,3%. Os números oficiais, publicados pelo Ministério do Interior, dão ainda conta da taxa de abstenção: 22,2%, um ligeiro aumento face à primeira volta das presidenciais de 2012.

  • ASAE encerra em média um restaurante por dia
    1:33
  • Grupo de brasileiros em assalto milionário no Paraguai
    1:24