sicnot

Perfil

Mundo

Primeiro-ministro turco diz que declarações do papa sobre genocídio são "parciais" e "inapropriadas"

O primeiro-ministro turco, Ahmet Davutoglu, considerou hoje "parciais" e "inapropriadas" as declarações do papa sobre o genocídio arménio. 

© Eduardo Munoz / Reuters

"Abordar estes acontecimentos dolorosos de forma parcial é inapropriado por parte do papa e da autoridade que representa", declarou Davutoglu em declarações na televisão, quando a Turquia anunciou ter convocado para consultas o seu embaixador no Vaticano.

A decisão de Ancara constituiu um novo passo no incidente diplomático suscitado depois de o papa ter usado a palavra "genocídio" para descrever o massacre dos arménios na I Guerra Mundial.

"O nosso embaixador no Vaticano, Mehmet Pacaci, foi chamado à Turquia para consultas", informou em comunicado o Ministério dos Negócios Estrangeiros turco, horas depois de ter anunciado que chamou o representante do Vaticano em Ancara para explicar as palavras do papa.

Repetindo declarações feitas também hoje pelo chefe da diplomacia turca, Mevlut Cavusoglu, o comunicado refere que as palavras do papa Francisco são "incompatíveis com os factos legais e históricos".

O texto acusa o papa de ter uma "visão seletiva" da I Guerra Mundial e de "ignorar as atrocidades sofridas pelos povos turco e muçulmano que perderam a vida" para beneficiar cristãos e arménios.

As palavras do papa, prossegue o texto, são "um desvio grave" da mensagem de paz e reconciliação que levou à Turquia na visita que fez ao país em novembro de 2014.

O papa Francisco usou hoje a palavra "genocídio" para descrever o massacre dos arménios pelas forças do Império Otomano durante a I Guerra Mundial.

"No século passado, a nossa família humana passou por três tragédias sem precedentes. A primeira, que foi largamente considerada como 'o primeiro genocídio do século XX', atingiu o povo arménio", disse Francisco numa missa na basílica de São Pedro, em Roma.

"As duas outras [tragédias] foram praticadas pelo nazismo e pelo estalinismo. E mais recentemente outros extermínios de massa, como no Camboja, Ruanda, Burundi ou Bósnia", acrescentou, citado pelas agências internacionais de notícias.

As declarações do papa foram feitas na abertura de uma missa em memória dos arménios massacrados entre 1915 e 1917, concelebrada com o patriarca arménio e na presença do Presidente da Arménia, Serzh Sargsyan.

Segundo a agência France Presse, o papa João Paulo II usou o termo "genocídio" num documento assinado em 2000 com o patriarca arménio, mas esta é a primeira vez que um papa o utiliza ao falar publicamente.

Milhares de arménios foram deportados e massacrados pelo Império Otomano durante a I Guerra Mundial, factos reconhecidos como genocídio por mais de 20 países mas nunca pela Turquia.

Segundo a Arménia, 1,5 milhões de pessoas foram perseguidas e mortas, enquanto, para a Turquia, o número de arménios mortos não supera os 500.000 e enquadra-se nos combates que se sucederam ao levantamento das populações arménias contra os otomanos.

Lusa
  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.